domingo, 6 de dezembro de 2009

Deus deseja que você deteste o pecado e se contente na justiça dEle

Sermão preparado pelo Rev. Adriano Gama sobre a doutrina bíblica ensinada no Catecismo de Heidelberg, Dia do Senhor 44

Textos: Êx 20.17 e DS 44
Leitura: Rm 7.7-25

Amada Congregação do Senhor,

Chegamos no final da exposição dos Dez Mandamentos.
Dez divisões do Catecismo foram dedicadas ao ensino sobre os Dez Mandamentos, as Palavras da Aliança de Deus com Seu povo.
E no Décimo Mandamento temos o resumo do desejo de Deus expresso em toda a Lei.
O Décimo Mandamento exige de nós: “Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem seu servo, nem sua serva, nem seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma que pertença ao teu próximo”
O Mandamento fala fortemente sobre o Não Cobiçar. Então, temos que entender o sentido das palavras cobiça e cobiçar para aprender o desejo de Deus no Mandamento.
Sendo assim, o que é a cobiça? Não é algo material, algo que você não pode tocar com as mãos. Cobiça é algo que se sente no coração. Cobiça é um sentimento.
E o que é cobiçar? Cobiçar é um forte desejo, querer, ansiar, anelar, alguém ou algo. Cobiçar é ter cobiça no coração.
E na Escritura a palavra “conbiçar” não é usada todas as vezes num sentido mal.
Por exemplo: O próprio SENHOR Deus no Sl 132.13,14 desejou muito a Sião ao ponto de escolher Sião como Sua morada. A palavra “preferir” no Sl é um sinônimo de cobiçar.
Outro exemplo: O SENHOR Deus deu forma a certos elementos da criação para despertar no homem o desejo, a cobiça (veja Gn 2.9): “Do solo fez o SENHOR Deus brotar toda sorte de árvore agradáveis à vista e boas para o alimento;”. Essa palavra “agradáveis” vem da palavra “cobiçar”.
Mais um exemplo: Deus permite você se casar, ter um emprego, possuir seus bens, se alimentar, ter um ofício na igreja, ou qualquer outra coisa! E como você poder ter tudo isso sem a cobiça, sem um desejo forte? Todas essas coisas são frutos de um desejo! Na verdade, todos nós somos motivados por nossas fortes cobiças!
Então, Deus no Décimo Mandamento não proibe o desejo, a cobiça em si. Pelo contrário, Deus mandou você crescer e multiplicar, encher a terra, dominar e desenvolver a Criação.
O SENHOR Deus quer que você tenha um bom cônjuge, um bom emprego, uma casa, uma empresa, uma boa vida com coisas boas para seu prazer. Então, não é o alvo do Décimo Mandamento proibir o cobiçar, o desejar, pois este sentimento em si não é pecado!
Agora, amada congregação, o que Deus deseja no Décimo Mandamento?
Proclamo a você a resposta de Deus a esta pergunta:

Deus deseja que você deteste o pecado e se contente na justiça dEle:

Deus expressa esse desejo no Décimo Mandamento
Deus sabe a incapacidade que você tem para cumprir Seu desejo
Deus auxilia você a cumprir o desejo dEle



1. Deus deseja que você deteste o pecado e se contente na justiça dEle: Deus expressa esse desejo no Décimo Mandamento

Amados irmãos, o que Deus exige no Décimo Mandamento?
A passagem é clara e forte: “Não cobiçar a casa do seu próximo”.
Deus NÃO quer que você tenha um desejo mau por aquilo que pertence ao seu próximo. O texto fala “casa”, mas o sentido não é o imóvel, mas o lar, ou seja, o cônjuge, seus empregados, os bens, “coisa alguma que pertença” ao seu próximo!
A cobiça malígna é a geradora dos pecados contra o seu próximo.
É bom você lembrar como o pecado é concebido no coração do homem. Veja dois textos da Escritura.
O texto de Gn 3.6 mostra o processo da Queda, a Escritura diz: “Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar conhecimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu”.
Perceba, o coração de Eva desejou ardorosamente o fruto que Deus proibiu ela comer. Eva e Adão se entregaram a esse desejo mau, a cobiça má! E qual a consequência? Pecado, o primeiro pecado! E saiba que a palavra “desejável” em Gn 3.6 vem da palavra “cobiçar” que encontramos em Êx. 20.17.
Outro texto é Tg 1.14,15 (veja por favor). Tiago, pelo Espírito Santo, lança mais luz sobre como o pecado é concebido no coração do homem. Tiago disse: “Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte”. A palavra “cobiça” é a tradução grega da mesma palavra em Êx 20.17: “não cobiçarás”.
Perceba que a Escritura mostra que sem a cobiça não há como o pecado nascer. Todo tipo de desrespeito as autoridades, assassinatos, violências, adultérios, defraudações, difamações, nascem de um sentimento de cobiça má.
Por isso, não é a toa que Deus fecha os mandamentos dando o imperativo da graça: “Não cobiçarás!”
SE você evita a cobiça danosa você mostra que quer cumprir a vontade de Deus, pois a cobiça danosa é um sentimento contrário ao amor ao próximo! E se é contrário ao amor ao próximo é contrário a toda a Lei, pois o cumprimento da Lei é o amor!
O Apóstolo Paulo, cheio do Espírito Santo, disse em Rm 13.10: “O amor não pratica o mal contra o próximo; de sorte que o cumprimento da lei é o amor”. Quem ama o próximo tem cumprido a Lei.
Veja, meu irmão, o Desejo de Deus ao dar o Décimo Mandamento é que Seu povo viva plenamente o amor, viva a Lei, viva a Sua Vontade santa, justa e boa! E para viver assim você deve DETESTAR qualquer pensamento que mova seu espírito com uma cobiça danosa e que pente ao prejuízo do seu próximo!
Agora, não podemos pensar que a cobiça danosa é um sentimento que vem somente antes dos pecados contra o próximo. Os textos de Gn e Tg mostram que a cobiça antecede os pecados que praticamos! …
Isto mostra a profundidade do Décimo Mandamento!
Por isso, o Catecismo, com base na Palavra, não se refere somente o detestar os pecados que ofendem o nosso próximo, mas apresenta o nosso dever de “sempre detestar de todo coração a todo o pecado e, nos deleitar em toda a justiça” (DS 44, R 113).
Então, podemos dizer que da idolatria ao desejar o lar do próximo temos a cobiça danosa. Sendo assim, quando lutamos para comprir o Décimo Mandamento estamos lutando para detestar o pecado e se contentar na vontade do SENHOR.

2. Deus deseja que você deteste o pecado e se contente na justiça de dEle: Deus sabe a incapacidade que você tem para cumprir seu desejo

Meu irmão, note que não estou perguntando se você cumpre perfeitamente a Lei. Deus sabe dessa icapacidade dos seus servos. O Dom da Lei não foi dado por que o povo de Deus fosse capaz de cumprir perfeitamente a Lei. Deus revela essa verdade na Escritura.
Obediência perfeita a Lei é impossível nessa vida até mesmo para os homens mais santos. A Escritura mostra que até o Apóstolo Paulo, um grande apóstolo do SENHOR, sentia-se incapaz de cumprir perfeitamente o desejo de Deus revelado na Lei.
O Apóstolo ao ouvir a Lei de Deus conheceu a vontade de Deus: “Não cobiçarás”. Mas, a Lei despertou nele toda sorte de concupiscência (cobiça malígna). Paulo pela Lei percebeu sua pecaminosidade e, assim, viu e reconheceu sua incapacidade para cumprir o desejo de Deus revelado no Mandamento.
Por isso, com base na Escritura, confessamos no Catecismo, que até mesmo os mais santos servos de Deus, ou seja, aqueles que foram santificados e justificados em Cristo, são incapazes e “só têm um leve começo dessa obediência” aos mandamentos do SENHOR.
Agora, meu irmão em Cristo, saiba que você deve reconhecer a sua incapacidade diante da Lei. Mas, você não pode achar que essa incapacidade é plena, ou seja, o crente não prova de jeito nenhum a obediência a Lei.
O Espírito Santo, na experiência do apóstolo, mostra que aqueles que foram salvos por Jesus Cristo podem já provar nessa vida “um leve começo dessa obediência”. Veja o que o Apóstolo diz (Rm 7.15): “Porque nem mesmo compreendo o meu próprio modo de agir, pois não faço o que prefiro, e sim o que detesto!”
O que o Apóstolo preferia com a mente? OBEDECER o desejo de Deus revelado na Lei! O que o Apóstolo detestava? O pecado, a desobediência ao Mandamento do Senhor!
O Apóstolo, em Cristo, já provava nesta vida “um leve começo dessa obediência” que Deus deseja no Mandamento: O Detestar o pecado e o deleitar-se na justiça de Deus!
Uma pessoa que está fora de Cristo pode até reconhecer a sua incapacidade diante da Lei. Mas, tal pessoa é totalmente dominada pelo pecado: alma e corpo. Sua mente e seu corpo servem de livre e espontânea vontade aos seus pecados. O coração dela olha para o pecado de modo natural. O homem fora de Cristo Jesus não sente nenhum conflito em sua mente que o leve a detestar seus pecados e que o leve a se satisfazer na Lei de Deus.
Mas, aqueles que foram libertados por Cristo Jesus não são assim. Eles, pela obra do Espírito e da Palavra, sentem nos seus pecados sua incapacidade de cumprir a Lei e sentem na mente o desejo de obedecer a Deus.
Esses sentimentos criam um conflito nos corações dos filhos de Deus. Um conflito por que eles querem atender o desejo de Deus com todo o seu coração, alma, entendimento e força, mas percebem nas suas vidas a atuação do pecado.
Por isso, um verdadeiro filho de Deus vai ter um conflito diário na mente, pois vai abominar os seus velhos pecados, seus velhos desejos maus, suas concupiscências enganosas!
Os eleitos de Deus desejam e lutam já agora para cumprir o desejo de Deus. Isto é “um leve começo dessa obediência” aos mandamentos de Deus!
Eu, em nome do SENHOR e pela Palavra de Deus, pergunto a você (isto inclui os membros batizados):
Você tem sentido a sua incapacidade diante da Lei? Essa incapacidade tem criado em você um conflito? Qual o resultado desse conflito em sua vida? Você tem sentido o desejo de atender o desejo de Deus revelado em toda Lei?

3. Deus deseja que você deteste o pecado e se contente na justiça de dEle: Deus auxilia você a cumprir o desejo dEle

Meu irmão em Cristo, o SENHOR Deus capacitou você, em Cristo, pelo poder do Espírito Santo e da Palavra, a buscar viver o desejo de Deus já nesta vida: O SENHOR Deus libertou você, deu a você um novo coração, seu Espírito Santo e os dons de Cristo.
E Deus usa um poderoso instrumento para auxiliar você a cumprir o desejo dEle: A PREGAÇÃO DOS MANDAMENTOS DE DEUS!
Veja a experiência de Paulo em Rm 7. Paulo sente pelas palavras da Lei o peso da sua pecaminosidade. O Apóstolo enfrenta a luta interna que é comum a todos os crentes em Cristo Jesus.
Então, o apóstolo pela Lei vê como ele (em si mesmo) é um miserável pecador, e pela Lei o Apóstolo é levado a dar graças a Deus, por causa de Jesus Cristo, e a buscar somente em Cristo Jesus a Salvação da condenação eterna!
Essas palavras do Apóstolo em Romanos mostram a importância da pregação dos mandamentos de Deus para a igreja. Por isso, a Igreja de Cristo, com base na Palavra de Deus, declara a importância da pregação dos mandamentos para igreja (veja o que o nosso catecismo diz no DS 44. P & R 115).
Meu irmão em Cristo, esta declaração bíblica do Catecismo me leva a perguntar:

Há quanto tempo você é membro da igreja?
Há quanto tempo você está debaixo da pregação dos Mandamentos de Deus?

Pela Escritura e pela confissão bíblica, não tem como um membro de Cristo ficar debaixo da pregação dos mandamentos e a sua vida ser como uma vida sem Cristo Jesus.
Meu irmão, digo isso por que há membros da igreja que falam o tempo todo: “Sou miserável pecador”, mas não passa disso a confissão deles! A vida deles parecem não ter mudado nada durante todos os anos que estão debaixo da pregação: são cheios de idolatria, cheios de egoísmo, cheios de inveja, cheios de ódio, são descontentes com Deus, ou seja, cheios de conscupiscências carnais!
Cadê a obra do Espírito Santo na vida desses crenstes? Cadê o resultado da Pregação dos Mandamentos em suas vidas? Cadê a vida segundo a imagem de Deus, uma vida onde se mostram a justiça e a retidão procedentes da verdade?
Meu irmão em Cristo, qual a mudança real a pregação dos mandamentos tem feito em sua vida?
Meu irmão em Cristo, hoje acabou-se mais uma série de pregações dos mandamentos de Deus. Então, vamos orar para que essas pregações surtam efeito em nossa vida como povo de Deus!
Vamos orar para que o Espírito Santo e a Palavra opere poderosamente em nossos corações nos capacitando cada vez mais a obedecer o desejo de Deus e a se deleitar na Sua santa, e justa, e boa Vontade! Vamos orar para buscarmos e descansarmos sempre na Justiça de Cristo Jesus.
O Senhor Deus chama você a continuar orando a Deus, para que a graça do Espírito Santo, em Cristo, seja cada vez mais abundante em sua vida, moldando você cada vez mais conforme a imagem de Deus em Cristo Jesus!
O SENHOR Deus quer que você o ame de todo o caração a Ele e ao seu próximo, por isso, cumpra com alegria o DESEJO DE DEUS: Deteste de todo coração o pecado e se contente na justiça de dEle. Amém

Nenhum comentário: