domingo, 22 de novembro de 2009

Não furtarás

Sermão preparado pelo Rev. Adriano Gama sobre a doutrina bíblica ensinada no Catecismo de Heidelberg, Dia do Senhor 42.

Leitura: Êx 20.15; Êx 22.1-15; Ef 4.28
Texto: Dia do Senhor 42

Amada Congregação do Senhor,

Ao assistir a televisão e andar nas ruas tenho a forte impressão que na sociedade brasileira existe uma cultura bem estabelecida. É a cultura da enganação, da fraude, do ter lucro à custa dos outros.
Veja os noticiários sobre as Olimpíadas de 2016. Veja o cuidado do Ministério Público e Tribunais de Contas com a construção das estruturas que vão servir a esta Olimpíada. As autoridades já estão de olho, pois a roubalheira foi grande nos jogos Pan-Americanos realizados em 2007.
Vejam na televisão os escândalos de desvios de verbas estouram na mídia todo tempo.
Veja a usura institucionaliada. Os bancos e financeiras aplicando juros altíssimos e ganhando dinheiro fácil.
Veja as invasões de terra promovidas por movimentos ditos sociais, que destróem e prejudicam os bens alheios.
E nos meios religiosos? São noticiadas as suspeitas de lavagem de dinheiro, negociações milionárias com dinheiro dos fiéis para se evitar o pagamento de impostos, etc. O Ministério Público e a Receita Federal já estão de olho nas operações das megas denominações religiosas, que têm um verdadeiro império universal ou internacional que de graça e do poder, ou do Reino de Deus não tem nada.
Meu irmão, ande pelas ruas do seu bairro e veja o descarado comércio de material conhecido como pirata! Algo que é criminoso segundo as leis do nosso país, mas que o brasileiro já tem como aceitável e normal!
Meu irmão, a cultura da fraude, do dolo é uma mania nacional. E uma cultura presente em todas as classes da sociedade seja a alta ou a mais baixa. A corrupção está implantada no Brasil de baixo para cima e de cima para baixo, de norte ao sul, de leste ao oeste desse país. É uma cultura da fraude, da defraudação, a cultura do “jeitinho brasileiro”.
E toda essa cultura de defraudação, roubo, furto e toda sorte de esquemas malígnos tem o alvo: Tirar proveito a custa do próximo!
Essa cultura malígna mostra a necessidade da pregação da Palavra de Deus para o Brasil, pois nossa nação, começando na Igreja de Cristo, deve ouvir o que Deus nos proibe e exige no Oitavo Mandamento e recorrer Àquele que tem o poder de salvar o homem da corrupção maior de todas: o pecado.
Por isso, Deus chamou você aqui para ensinar o que a igreja deve fazer para honrar o Nome do SENHOR e levar outros a Salvação em Cristo. Ouça neste momento a Pregação da Palavra de Deus no seguinte tema:

Não furtarás

A proibição no mandamento
A exigência no mandamento

1. Não furtarás: A proibição no mandamento

O ensino bíblico sobre o oitavo mandamento é “que Deus não apenas proíbe o roubo e o furto que as autoridades punem …”.
Reconhecemos a autoridade das autoridades civis. As autoridades civis são instrumentos de Deus para manter a ordem e a justiça entre os homens. Por isso, as autoridades devem ser respeitadas por todos. Porém, a Igreja não se guia somente pelas palavras das autoridades civis, ou seja, pelas leis do país para dizer o que é furto ou roubo.
A Carta Magna do Cristão é a Escritura! Por meio da Escritura o cristão deve julgar as leis do Brasil e atendê-las naquilo que elas concordarem ou não ferirem a Escritura.
E nesse contexto a sua primeira pergunta quanto ao furtar deve ser: O que Deus diz na Escritura sobre o “não furtar”? O que Deus proibe neste mandamento para mim?
Meu irmão, o Espírito Santo diz “não furtarás” em Êx 20.15. A palavra hebraica usada pelo Espírito Santo no oitavo mandamento é usada 60 vezes na Escritura para descrever: roubos, furtos, ações fraudulentas, sequestro ou rapto de pessoas, ganhar a simpatia das pessoas por meio de enganos ou dinheiro.
A palavra hebraica traduzida como “furtar” no mandamento, então, não proibe somente um pecado específico, mas todas os pensamentos e ações pecaminosas que tenham a natureza de tirar malignamente proveito, que prejudique os bens alheios, que de alguma forma defraude o próximo! Por isso, a igreja confessa o que há no DS 42, P e R 110.
Agora, meu irmão e demais ouvintes, note a frase: “não devemos defraudar o nosso próximo de maneira nenhuma, nem pela força nem pela aparência de direito”. Podemos dizer que está frase contém o resumo claro da proibição contida no Mandamento.
Sendo assim, quando alguém desvia um milhão de reais dos cofres públicos ele defrauda seus próximos. Mas, também quando alguém compra ou adquiri um cópia não autorizada de um DVD, CD, Livro, etc. essa pessoa também defrauda, pois tira o lucro daqueles que têm o direito sobre o original desses bens!
Meu irmão, você é chamado a, pela graça de Deus, cumprir o Oitavo Mandamento e repudiar todo e qualquer tipo de defraudação contra nosso próximo.
Ouvi de um homem de Deus a seguinte frase: “Com o objetivo de não quebrarmos o Oitavo Mandamento devemos perguntar a nós mesmos: O que produzo, vendo ou compro prejudica a propriedade do meu próximo, defrauda de alguma maneira o meu próximo?”
Se o Brasil fosse um pais cristão de verdade não veríamos essa cultura da defraudação, do dolo e da robalheira tão impregnada na alma de nosso povo.
O Brasil precisa (em primeiro lugar) é da Pregação da Lei de Deus e do Evangelho, para a que a roubalheira diminua!
O que o Brasil precisa é de cristãos que amam a Lei de Deus e, em Cristo, buscam cumpri-la. O Brasil precisa é de cristãos que vivam àquilo que confessam conforme a Escritura.
Tenho uma pergunta para você: Meu irmão, você tem sido anticultural? Você no seu coração e na sua prática tem repudiado a cultura do roubo, do furto, do dolo e da defrudação que está implantada no Brasil? O que você tem feito? O que você tem feito para uma reforma no espírito de nosso povo? O que você tem feito para a pregação da Lei e do Evangelho chegar ao nosso povo?
Meu irmão, se cada cristão fizer seu papel anticultural na sua casa, no seu trabalho e na sua escola o nosso Brasil verá a luz do evangelho resplandecer no meio das trevas da roubalheira. O Brasil provará o resultado do sal do Evangelho nesse país corrupto.
Agora o Catecismo termina a resposta 110 com as seguintes palavras: “Além disso Deus proíbe toda a avareza e todo o abuso e desperdício de Suas dádivas”.
Meu irmão, avareza é amor ao dinheiro. E Deus coloca a avareza como idolatria e o avarento como idólatra (Cl 3.5; Ef 5.5). E Jesus Cristo diz ninguém pode servir a dois senhores: A Deus e as riquezas!
Quando alguém ama o dinheiro ele não ama ao SENHOR Deus. E o seu amor ao dinheiro o levará a não ligar para as proibições no Oitavo Mandamento. É o amor ao dinheiro a fonte das ganâncias e das defraudações. O amor ao dinheiro leva o homem a buscar ganhar dinheiro e a obter vantagem a toda custa: Desde de furtar milhões a adquirir o material pirata, ou, cópias não autorizadas!
Outra coisa, o Catecismo também fala “Além disso Deus proíbe … todo o abuso e desperdício de Suas dádivas”. A doutrina da Escritura nos ensina que Deus é o dono de toda a terra e do que nela contém.
A Escritura mostra que Deus colocou o homem como mordomo de toda a Criação. O homem tem que cuidar e governar a criação para o Seu Dono que é o SENHOR Deus. O homem tem o dever de desenvolver a criação e de tudo que lhe foi confiado dar lucro a Deus.
Porém, a Queda já foi o primeiro calote que o homem tentou dar no Seu Senhor. E desde da Queda todo homem é ladrão diante de Deus, pois o pecado nos faz sempre abusar e desperdiçar os dons de Deus: a natureza, o tempo, o corpo, o cônjuge, os filhos, os alimentos, o dinheiro, etc. Estamos sempre abusando ou desperdissando esses e os demais dons de Deus! E assim todos os homens não cumprem a proibição de Deus!
Saiba que quando um cristão vive uma vida de abuso e desperdício dos dons de Deus ele está roubando a Deus e vive como alguém que não provou da graça de Deus em Cristo.
Muitos pensam que roubar a Deus é somente deixar de dar as ofertas. Isso também é roubar a Deus! Devemos repudiar esse pecado!
Mas, dou outros exemplos de roubo a Deus: quando gasto meu tempo na internet com coisas sem valor para minha edificação ou para edificação do meu próximo. … Quando uso meu dinheiro para adquirir coisas que não tem valor real para minha vida eu roubo a Deus. … Quando não cuido da criação eu roubo a Deus! … Quando disperdiço comida estou quebrando o Oitavo Mandamento. … Quando não sou um bom marido ou pai então eu roubo a Deus.
Preste atenção: Você que é cristão não deve viver como pessoas que estão debaixo da escravidão do pecado, abusando dos dons de Deus e os disperdiçando.
Meu irmão, estas palavras mostram como não somos justos em nós mesmos! Eu e você nos acharmos justos por que não roubamos ou furtamos com o revólver na mão, por que não participamos de esquemas malígnos que vemos nas altas classes sociais e governamentais.
Veja como a doutrina nos chama a vivermos conforme o Mandamento de Deus e cumprirmos as exigências de Deus no Oitavo Mandamento. Vamos para o segundo ponto:


2. Não furtarás: A exigência no mandamento

No Oitavo Mandamento o SENHOR Deus não só proíbe coisas ao Seu povo, mas também exige de nós algumas coisas (veja a P&R 111):

“Que eu promova o bem do meu próximo sempre que for lícito e possível; que eu trate do mesmo modo que desejaria ser tratado pelos outros e que trabalhe fielmente para ter condições de dar aos necessitados”

Amados irmãos, quem prova o amor de Deus em Cristo exerce amor ao próximo: O amor é o cumprimento da Lei.
Jesus Cristo nos ensina o resumo da Lei em Mt. 22.34-40. O Segundo grande mandamento é: “amarás o teu próximo como a ti mesmo”.
O Espírito Santo fala em Rm 13.8-10. O Espírito Santo, pelo Apóstolo, diz quem ama o próximo tem cumprido a Lei e no v. 9 cita vários mandamentos e inclui o Oitavo entre eles.
O Apóstolo conclui o v. 10 dizendo que: “o amor não pratica o mal contra o próximo; de sorte que o cumprimento da lei é o amor”. Essa declaração expressa bem que, como nova criatura em Cristo, devemos fazer tudo o que é lícito e estiver ao nosso alcança para proteger a propriedade alheia, não produzir prejuízo e nem dolosamente se aproproiar daquilo que não pertence a mim.
Você ouviu sobre as proibições da Lei e agora ouviu as exigências da Lei. Então, faço algumas perguntas: Você gosta de ser enganado, roubado, furtado, que alguém tire o seu lucro, ou prejudicado por quem não fez seu dever para com você? Quem de nós aqui não gosta de receber ajuda no momento de necessidade?
Meu irmão, se você entende essa exigência de Deus, então, você buscará o bem do seu próximo tomando o cuidade para não “defraudar” o seu “próximo de maneira nenhuma, nem pela força nem pela aparência de direito.”
Saiba que todas as proibições do Oitavo Mandamentos são quebradas porque não praticamos o amor para com o nosso próximo, não cumprimos o nosso dever para com aqueles que Deus coloca diante de nós!
Meu irmão em Cristo, entenda que como novas criaturas temos a dívida do amor para com o nosso próximo. Essa é uma exigência de Deus no Oitavo Mandamento.
Agora o Catecismo coloca algo importante (veja a parte final da resposta 111): “Devemos trabalhar fielmente para ter condições de dar aos necessitados”.
Meu irmão, nós como novas criaturas em Cristo temos a responsabilidade de trabalhar para “fielmente ter condições de dar aos necessitados”. Essas palavras vêm de Ef 4.28. O Espírito Santo revela que o arrependimento verdadeiro é o seguinte: “Aquele que furtava não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as próprias mãos o que é bom, para que tenha com que acudir ao necessitado”!
Meu irmão em Cristo, o desejo de Deus para os seus filhos é que eles não só deixem de furtar, mas que trabalhem com o objetivo de socorrer ao necessitado!
O Seu trabalho e seu dinheiro são dons de Deus e que você deve usar para o bem do Seu próximo. O Apóstolo Paulo, pelo Espírito Santo, mostra-nos assim a exigência de Deus no Oitavo Mandamento!
Pergunto: Você tem mostrado frutos da nova vida em Cristo? Você tem trabalhado fielmente para ter condições de dar aos necessitados?
Meu irmão, você como um servo de Deus deve buscar ajudar os necessitados, primeiro os da igreja e depois os de fora! Deus exige isto de você como membro da Aliança.
Se você não tem tido condições de trabalhar para dar ao necessitado, então, peça graça e sabedoria a Deus, para trabalhar e administrar os seus bens, a fim de poder cumprir a vontade de Deus revelada na exigência da Lei.

Conclusão:

Agora, meu irmão em Cristo, Deus sabe de nossa incapacidade, por isso, por amor e misericórdia, o SENHOR enviou Seu Único Filho, para cumprir perfeitamente o Oitavo Mandamento em favor da Sua Igreja: Dolo algum foi achado na boca de Jesus!
Jesus Cristo durante todo seu ministério terreno buscou sempre o bem do seu próximo. Jesus Cristo cumpriu perfeitamente as proibições e exigências. Jesus Cristo salvou Zaqueu (um chefe de publicano que era fraudulento: Lc 19.1-10) e disse que a salvação chegou a casa de Zaqueu.
Jesus Cristo foi contado entre os malfeitores que eram dois ladrões. Jesus Cristo na maldita cruz diante dos homens e de Deus disse a um ladrão, um salteador: “Hoje mesmo estarás comigo no paraíso!”
Meu irmão, Jesus Cristo levou sobre si os pecados do fraudulento Zaqueu e do ladrão arrependido. Essas são provas do poder de Jesus Cristo para salvar os mais terríveis corruptos.
Então, meu irmão em Cristo, confie na obra de Cristo. Você em gratidão ao SENHOR Deus tenha a intensão sincera e grata de cumprir o Oitavo Mandamento! Você pertence a Jesus Cristo. Ele comprou você do domínio do pecado e do diabo. Note: Comprou, não roubou!
Jesus Cristo trabalhou na Cruz para comprar e benefeciar pecadores que não mereciam sua misericórdia. Então, por estar em Cristo Jesus e por provar Seu Espírito Santo, mostre em Sua vida amor a Deus e ao Seu próximo. Por isso, viva a vontade do Senhor Deus: “Não furtarás”! Amém.

2 comentários:

Sara Santos disse...

Esse post, falou muito ao meu coração. Ao ler cada palavra desse texto vi que não sou tão fiel quanto gostaria e entendi o que Tiago quer dizer com, "quem tropeça em um único ponto da lei tropeça em todos."
Pois vi que roubo não é só pegar o que não nos pertence ou deixar de entregarmos nossos dízimos e ofertas. Roubo é muito mais que isso e estou certa que não tenho sido honesta diante de Deus.

Em Cristo, Sara

Rev. Adriano Gama disse...

Querida Sara,

Estou muito feliz no Senhor por suas palavras. Elas mostram que de fato você entendeu a mensagem de Deus para você.
Agora, aconselho você a atender o chamado de Deus exposto no post (que é um sermão). Viva uma vida de gratidão ao Senhor Deus, repudiando tudo que possa defraudar seu próximo. Faça isto por gratidão pela Salvação que Cristo dá por pura graça e mediante a Fé somente (Ef 2.8-10).
Que você sempre olhe para Jesus Cristo e a Ele confie a sua salvação. Medite na conclusão do post e continue a confiar que o sangue de Jesus Cristo nos garante a eterna Salvação e que o diabo nunca nos roubará das mãos do nosso Salvador.

Em Cristo,

Rev. Adriano