sexta-feira, 23 de outubro de 2009

As reações de Parlamentares e da Igreja de Roma contra a declaração do Presidente Luís Inácio revelam a necessidade uma reforma, mas não política


Por Rev. Adriano Gama
Hoje o Jornal Folha de São Paulo na primeira página e no seu caderno “brasil” (pág. A 8) trouxe a seguinte manchete: “Frase de Lula é criticada pela CNBB e oposicionistas”.
O artigo está recheado de acusasões, defesas, mais blasfêmias e reprovações muitas delas desrespeitosas tanto contra o presidente quanto contra seus críticos.
O que é muito triste, nessa discussão sobre a declaração infeliz do nosso presidente, é que tanto o parlamento quanto a dita “Igreja” (título dado pela Folha de São Paulo à Igreja do Papa) não perceberam a blasfêmia contra o Senhor Jesus Cristo. Os oposicionistas tomaram a ofensa para si. Os da base do governo aproveitaram para criticar a oposição, e os representantes de Roma fazem piada daquilo que deveria nos fazer chorar.
A dita “Igreja” não se preocupa com o uso inadequado do Nome do Senhor Jesus. A “Igreja”, entenda-se Igreja Católica Romana, na pessoa do Sr. D. Dimas Lara Barbosa, secretário-geral da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), quando perguntado sobre a frase do presidente fez piada e disse algumas palavras verdadeiras acerca de Jesus que mostraram discordância da declaração, contudo, não expressaram a gravidade da blasfêmia. Esperamos que o Sr. Presidente, membro comungante da Igreja Católica Romana, denominação a quem D. Dimas representa, seja orientado por seus pastores a se retratar por seu pecado.
E os nossos políticos? E muito triste a situação deles, pois acrescentam mais blasfêmias ainda. Por exemplo, um dos deputados do PT, mostrando apoio ao Sr. Presidente, disse que no Brasil “tem que se aliar com Satanás para se fazer a obra de Deus”. E outro exemplo de desrespeito e blasfêmia foram as palavras do governador de São Paulo, José Serra (PSDB). Ao ser perguntado pelos jornalistas sobre se “Cristo seria obrigado a fazer um acordo com Judas” afirmou: “Não sei, quem fala com Cristo deve perguntar a ele”. Esta resposta pode até evitar o disse me disse que alimenta o bolso dos meios de comunicação, mas mostra claramente que tanto Serra (direita) quanto o Sr. Presidente (esquerda) não pensaram no respeito devido ao Nome de Cristo. E, no caso do Governador José Serra, temos uma declaração muito clara de alguém que não conversa com o Senhor Jesus, ou seja, ele parece não crer no Salvador. Isso tudo mostra o quanto nossa nação honra o Senhor Jesus Cristo.
Enfim, o que podemos perceber nesse descaso ao Senhor Jesus Cristo manifestado nessa nova crise produzida pelo Sr. Presidente Luís Inácio? É a necessidade de uma Reforma. Mas, não uma reforma política, porém, espírito da nação brasileira.
Uma Reforma do espírito de um povo só pode haver numa nação onde a dita igreja cristã não faz piada com os pecados cometidos contra Jesus Cristo, especialmente, pecados cometidos por seus membros nos altos escalões da sociedade. A Reforma no espírito acontece quando em uma nação a igreja com a Palavra de Deus, condena o pecado e chama todos ao arrependimento, ou seja, chama do presidente ao mais humilde cidadão a se colocarem e viverem debaixo do jugo de Jesus Cristo, o Soberano Rei das Nações.
O grande exemplo disto vem da história do mundo ocidental quando ocorreu a Reforma Protestante do Século XVI. Essa Reforma produziu mudanças radicais no espírito das nações que, pela graça de Deus, abraçaram a pregação do evangelho e se colocaram debaixo do jugo de Jesus Cristo.
Os verdadeiros cristãos no Brasil têm nessas reações das nossas autoridades e da dita “Igreja” tão estimada pelos brasileiros, mais um sinal da caótica situação espiritual das autoridades constituídas, do nível absurdo de indiferença para com Deus e seu Cristo manifestada por aqueles que são nossos representantes políticos mais altos ou que desejam ser e daqueles que querem usurpar para si o título da Igreja de Jesus Cristo.
Toda essa reação contra as palavras do Sr. Presidente deve nos preocupar e nos levar a fazer nosso papel para mudar esse quadro e promover, por meio de oração e trabalho, uma Reforma espiritual nesse Brasil, pois a Ira de Deus repousa sobre nosso país.
E sabe como essa ira tem se manifestado? De diversas formas, mas saliento apenas duas nesse momento. Essa ira se manifesta nessa nação através de dirigentes que não se importam com o Nome de Jesus, mas em primeiro lugar com seus interesses partidários ou particulares, assim promovendo todo tipo de dano ao país. Essa ira se revela na ausência de mais igrejas que proclamem a Palavra de Deus nos quatro cantos de nosso Brasil, pois onde não há profecia da Palavra de Deus impera o desrespeito a Deus e ao próximo.
Que o Senhor Jesus Cristo nos traga uma Grande Reforma a semelhança do Séc XVI, assim teremos mais respeito e menos piadas com o Nome do Senhor Jesus e provaremos de verdade “Ordem e Progresso” em nossa amada terra do Brasil. A Jesus Cristo e ao Seu Nome somente a glória e louvor.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Carta Aberta ao Excelentíssimo Sr. Presidente da República Luis Inácio Lula da Silva




Por Rev. Adriano Gama

Esse meu post é para estimular os verdadeiros cristãos a honrarem o nome do Senhor Jesus e a ajudar o nosso presidente a ser mais cuidadoso com o uso do Nome do Senhor Jesus nas suas palavras ditas aos jornalistas.
Nesta manhã li no Jornal Folha de São Paulo (22.10.2009, pág. A 4) o artigo de autoria do jornalista Kennedy Alencar o qual foi capa e matéria principal do caderno “brasil” cujo o título era: ““No Brasil, Jesus teria que se aliar a Judas”, diz Lula”.

O título desse artigo é parte de uma declaração do presidente Luis Inácio (católico romano comungante) numa entrevista dada a Kennedy Alencar sobre as alianças políticas que o seu partido tem feito para se garantir no poder federal, seu apoio particular à ministra da Casa Civil Dilma Rousseff, e suas considerações acerca das críticas do ministro Gilmar Mendes (presidente do Supremo Tribunal Federal), que disse que o presidente Lula faz propaganda eleitoral pró-Dilma.
Acredito que o presidente Luis Inácio desejava com sua declaração enfatizar que para garantir a governabilidade o governante deve fazer alianças com partes extremamente opostas. Contudo, com todo respeito, o Sr. Presidente poderia utilizar outras ilustrações que mostrariam sua idéia e que evitaria sua blasfêmia contra o Senhor Jesus Cristo.
Sendo assim, senti-me no dever de escrever ao nosso presidente uma carta e a estimular outros reformados a fazer o mesmo. E como a declaração do Presidente foi algo público coloco para vocês o conteúdo de minha carta a ele.
Você pode e deve de modo respeitoso (guardando o Quinto Mandamento) escrever ao presidente acerca de sua declaração. Escreva sua mensagem no portal da Presidência da República (http://www.presidencia.gov.br/presidente/falecom/) e muito fácil e rápido. Assim você como cristão estará honrando o Nome de Jesus Cristo e ajudando o nosso Presidente a honrar Aquele que o colocou e o mantêm no poder.

Em Cristo Jesus, o Supremo Rei de todo universo

Segue a carta aberta:

Ao Excelentíssimo Sr. Presidente da República Luis Inácio Lula da Silva

Caríssimo Sr. Presidente,

Saudações,

Esta carta é pautada por todo respeito devido a V. Exª como presidente de nossa Nação. E, por isso, rogo que as palavras nela contida sejam tomadas nesse contexto.
Sr. Presidente, li nesta manhã no Jornal Folha de São Paulo (22.10.2009, pág. A 4) o artigo de autoria do jornalista Kennedy Alencar o qual foi capa e matéria principal do caderno “brasil” cujo o título era: ““No Brasil, Jesus teria que se aliar a Judas”, diz Lula”.
O título desse artigo é parte de uma declaração de V. Exª. que muito me entristeceu e acredito a todos os verdadeiros cristãos de nossa Nação. As palavras de V. Exª. na Folha de São Paulo foram as seguintes: “Se Jesus Cristo viesse para cá, e Judas tivesse a votação num partido qualquer, Jesus teria de chamar Judas para fazer coalizão".
Acredito que V. Exª. com essa declaração desejava enfatizar que para garantir a governabilidade o governante deve fazer alianças com partes extremamente opostas. Contudo, com todo respeito a V. Exª., o Sr. Presidente poderia utilizar outras ilustrações que mostrariam sua idéia e que não seriam uma blasfêmia contra o Senhor Jesus Cristo.
Sr. Presidente o Senhor Jesus Cristo é Aquele que colocou e ainda mantêm V. Exª. no poder e a quem todos os governantes da terra devem toda honra e toda glória. E, por isso, em nenhuma hipótese essa ilustração deveria ser usada por V. Exª..
Sendo assim, apelo respeitosa e amavelmente ao Sr. Presidente, com base na honra devida ao Senhor Jesus Cristo e na sua profissão de fé cristã, que o Sr. Presidente corrija tal erro, retratando-se diante de nossa Nação por tal declaração, reconhendo seu pecado contra o Nome do Senhor Jesus Cristo.
Lembro, humildemente, a V. Exª. que o Senhor Jesus Cristo vem julgar os governantes da terra. Ele pedirá de V. Exª., dentre outras coisas, contas de todas as palavras frívolas que saírem de sua boca.
Encerro desejando (antecipadamente) a V. Exª. um feliz aniversário neste 27 de outubro, dedicando ao Sr. Presidente as Palavras do Salmo 2 para sua meditação, a fim de estimulá-lo a viver os anos de sua vida para a honra do Senhor Jesus Cristo e colocando o governo de nossa nação à serviço e para glória dEle.
Que o Senhor Deus conceda a V. Exª. a Sua misercórdia em Cristo Jesus a fim de que pelo poder do Espírito Santo sua vida, seu governo e a nossa nação de fato sejam prósperos.


Respeitosamente,



Recife, 22 de outubro de 2009



Rev. Adriano Gama
Ministro da Palavra e dos Sacramentos
da Igreja Reformada do Brasil no Grande Recife

domingo, 11 de outubro de 2009

Sermão preparado pelo Rev. Adriano Gama sobre Jonas 4.1-5

Texto: Jonas 4.1-5
Leitura: Jonas 3.5-4.5

Amada Congregação do Senhor Jesus Cristo,

Jesus Cristo ensinou várias parábolas durante seu ministério terreno. E ao ler essa passagem em Jonas lembro a vocês três parábolas de Jesus aos fariseus e escribas, que criticavam o Salvador por receber os publicanos e pecadores (Lc 15).
Jesus Cristo condenando a crítica deles ensinou três parábolas: da ovelha perdida, da drácma perdida e do Pai que Espera (ou do filho pródigo).
Em todas essas parábolas Jesus Cristo expressa o amor misericórdioso de Deus em buscar e receber pecadores arrependidos. Elas também expressam muito claramente a alegria que há (nos céus) quando pecadores perdidos são encontrados, se arrependem e voltam para Deus.
Jesus Cristo com estas parábolas condenou o zelo daqueles fariseus e escribas, que estavam cegos para perceber e aceitar o que era misericórdia de Deus e o desejo de Deus em salvar pecadores da perdição e morte eterna.
O sentimento dos fariseus e escribas era em muito semelhante ao sentimento de Jonas na passagem que lemos. Temos o velho Jonas ressuscitado no capítulo 4. O profeta no capitulo 4 deixou seu velho zelo se levantar ao ponto dele esquecer tudo que na prática havia aprendido sobre a misericórdia do SENHOR. O velho zelo tirou de Jonas até seu desejo de continuar vivo.
Meus amados irmãos, parece que o Profeta nunca tinha sentido a alegria de provar o gosto da misericórdia de Deus. Parece que o profeta não tinha provado a salvação da Ira de Deus. Parece que Jonas não tinha entendido que ao SENHOR pertence a Salvação e Ele deseja a Salvação de pecadores!
E nas atitudes de Jonas chamo você a ouvir a mensagem de Deus no seguinte tema:

O profeta se ira contra a obra misericordiosa de Deus:

Vejamos três pontos:

A motivação da sua ira
A justificativa da sua ira
A Esperança da sua ira

Vejamos o primeiro ponto:

1. O profeta se ira contra a obra misericordiosa de Deus: A motivação da sua ira

Meu amado irmão e demais ouvintes, vejam o v. 1. O texto mostra como Jonas reagiu. E Sabe quando há uma explosão de desgosto com algo que aconteceu e você não concorda e, então, você se mostra claramente irado, muito irado mesmo? É o que aconteceu com Jonas.
O Espírito Santo diz que Jonas se sentiu muito mal com o que viu e ficou muito irado, o profeta pegou fogo de tão irado (isto é o que há no texto)! O profeta “desgostou-se extremamente”.
Agora, qual a motivação de todo esse desgosto e ira do profeta?
Veja as palavras que iniciam o v. 1. O texto diz: “com isso, … ”. Meu irmão, o que deixou Jonas irado foi Deus ter se arrependido e deixar de fazer o mal que havia proclamado que faria aos ninivitas, ou seja, foi o fato de Deus ter sido misericórdioso com os ninivitas! Então, Jonas, “Com isso, desgostou-se … extremamente e ficou irado”.
E, meu irmão, veja as palavras de Jonas na oração (veja o v. 2). Jonas em sua oração confessa mais claramente a motivação dos seus pecados. O Pecado passado de tentar fugir. E o pecado presente no capítulo 4. Tanto o pecado anterior como o presente foram produzidos por Jonas não aceitar que Deus executasse a misericórdia para com os pecadores de Nívive.
Meus amados, isso nos mostra a nossa fragilidade e como facilmente, podemos cair nos nossos velhos pecados.
Não tem servo bom nessa área, pois veja Jonas! Ele volta a lembrar a Deus seu velho pecado de fugir e agora confessa que o pecado atual é produzido pelo mesmo sentimento pecaminoso do passado.
Jonas fala isto a Deus mesmo depois de ter provado de modo EXTRAORDINÁRIO e profundamente a misericórdia de Deus. Jonas diz isto ao SENHOR mesmo depois de ter louvado ao Deus que lhe salvou das profundezas da perdição! Mas… e agora?
Agora Jonas deixou se dominar pelo seu velho zelo nacionalista, reclamou com Deus e pediu até para morrer! Veja em Jonas que devemos sempre estar vigilantes para que nossos velhos pecados não nos derrubem mais.
E perceba outra coisa na passagem: note que o profeta zeloso conhece muito bem a natureza de Deus. Isto me leva a ressaltar algo para nossa vida:
Meu irmão e demais ouvintes, saiba que as pessoas que mais mostram um zelo sem amor são muitas vezes aquelas que têm mais conhecimento “teológico”. Veja os fariseus e escribas, veja Jonas.
Perceba que conhecimento teológico não é o mesmo que fidelidade, piedade, submissão, satisfação com a vontade de Deus para nossa vida.
Compare os gentios (marinheiros e os moradores de nínive) e Jonas (membro da Aliança). Compare os fariseus e escribas com as pessoas comuns do tempo de Jesus. Os de pouco conhecimento “teológico”, ou seja, com pouco conhecimento de Deus e da sua Palavra, logo caíram aos pés do SENHOR Deus, logo se dispuseram a fazer a vontade de Deus. Isso não se viu nem Jonas nem em Israel.
A Escritura nos mostra que nosso conhecimento de Deus só é conhecimento verdadeiro se nos leva a vivermos contentes, satisfeitos e alegres na vondade de Deus, especialmente, quando nossa vontade humana é contrariada.
A motivação do desgosto e ira de Jonas era uma clara manifestação de uma pessoa que conhecia muito acerca de Deus, mas que não queria se submeter a vontade de Deus. …
Meu irmão, tome muito cuidado para não confudir conhecimento e zelo com fidelidade a Deus. Você pode ser muito conhecedor da Escritura, das Confissões, das Doutrinas da Graça e de muito material reformado, mas é a sua submissão e satisfação com os mandamentos do SENHOR Deus que vão dizer se você é fiel ou não.
Veja Jonas. Ele conhecia a natureza de Deus. O profeta sabia que Deus é misericordioso e que tem poder para salvar qualquer pecador. E, ao invés, dele se alegrar com essa natureza de Deus o profeta se ira contra a obra de misericórdia de Deus.
Isto por que Jonas se deixou dominar por seus sentimentos zelosos. Jonas chegou ao extremo de pedir a morte (veja o v. 3). Jonas assim mostra que para ele não havia mais razão para viver, porque o SENHOR mostrou clemência, misericórdia, longanimidade, benignidade e salvação para os ninivitas.

2. O profeta se ira contra a obra misericordiosa de Deus: A justificativa da sua ira

Agora qual a justificativa da ira do profeta? Vejamos a pergunta do SENHOR Deus a ele (veja o v.4).
Meu irmão, Deus precisa perguntar alguma coisa a alguém para saber o que se passa no coração desse alguém? Claro que não! O SENHOR Deus vê o nosso coração e sabe nossos pensamentos antes mesmo deles surgirem em nossa mente. Ele é Deus onisciente!
Mas, por que Deus nos faz perguntas em sua palavra? O SENHOR Deus com suas perguntas tem objetivos. Ele nos pergunta como um professor pergunta ao seu aluno questões sobre assuntos que o mestre já sabe. A pergunta é para levar o aluno a ver e receber ensino.
O SENHOR Deus pergunta ao profeta para mostrar ao seu servo que NÃO EXISTE JUSTIFICATIVA para seu desgosto e ira! A pergunta de Deus já tem uma resposta CERTA: NÃO EXISTE JUSTIFICATIVA PARA IRA DE JONAS!
Meu irmão, existe justificativas para um servo ficar irado, porque o Seu SENHOR está fazendo a sua vontade? … Claro que não!
Meu irmão, SE entendemos que somos servos, então, como ficar irado por que o SENHOR quer fazer a Sua vontade?
Saiba que você é um servo e, por isso, nunca há justificativas para vivermos vidas desgostosas e iradas com Deus! E se você estiver sendo tentado a se irar contra a vontade de Deus e viver uma vida de desgosto e desejando a morte, então, entenda e aceite a soberania de Deus.
Meu irmão, se você entende a soberania de Deus, então, dificilmente você terá uma vida insatisfeita, como se estivesse sempre de mal humor com Deus e com todo mundo.
Meu irmão e demais ouvintes, sabia que uma vida irada e insatisfeita, muitas vezes se não todas, tem a ver com falta de compreensão e aceitação com a vontade soberana de Deus para nossas vidas. No caso de Jonas era falta de aceitação da soberania de Deus na salvação.
Mas, no meu caso ou no seu caso, pode ser não aceitação da providência de Deus em não me ter dado o emprego ou ofício que eu queria ter, a casa, a saúde, a condição financeira, o conjugê, ou por ter enviado a morte a um parente ou amigo, etc.
Meu irmão, a não aceitação da soberania de Deus pode gerar ira no coração contra os propósitos de Deus e assim manifestações de profundo desgosto que me leve a pensar que a minha vida não tem sentido e é melhor morrer que viver!
O problema de Jonas era que ele não queria ser servo, mas SENHOR de Deus. O profeta não aceitava a vontade soberana de Deus para os ninivitas. E isto gerou ira e desgosto de viver. E a pergunta de Deus mostra que Jonas não tem justificativa para sua ira.
Meu irmão, SE o SENHOR Deus frustrar o seu plano e suas idéias não fique irado com Deus, não perca a razão de sua vida, não peça para morrer por causa das suas frustações!
Aprenda isto e você viverá uma vida alegre e satisfeita, pois alegria e satisfação são frutos do entendimento da soberania de Deus, frutos do entendimento da misericórdia de Deus para nossas vidas. …
Aprenda e aceite que a razão de nossa vida é servir a vontade de Deus não a nossa vontade! … Aprenda e aceite que não há justificativa para nossas iras e insatisfações contra os desejos de Deus em frustrar os nossos planos.
E Aprenda e aceite que o SENHOR Deus nunca deixará de fazer a Sua vontade perfeita, por causa da nossa vontade imperfeita e, principalmente, por causa das nossas vontades pecaminosas! Isto evitará o que aconteceu com Jonas no v. 5. Vamos para o último ponto do sermão.

3. O profeta se ira contra a obra misericordiosa de Deus: A Esperança da sua ira

Veja o v. 5. Esse verso é uma introdução para os versos 6-11 que veremos no próximo sermão. O v. 5 mostra uma atitude de má educação da parte de Jonas, pois o profeta nem responde a pergunta de Deus.
Isto ele faz, primeiro, porque não tinha nada o que responder, pois não havia justificativa para sua ira. Segundo, porque o pecador em seu pecado é sempre desrespeitoso para com Deus: Não se importa em responder as boas perguntas que o SENHOR faz para lhe mostrar seu pecado, é truculento e fujão! E o SENHOR Deus deixa Jonas ir, para mais adiante (nos v. 6-11) mostrar mais claramente sua estupidez.
Porém, o Espírito Santo no v. 5 não mostra somente a má educação de Jonas, mas também mostra que o profeta tinha uma esperança dentro do seu coração irado.
Jonas se retirou da região da cidade, e fixou um lugar no oriente da cidade, fez um abrigo, para descansar na esperança de Deus revogar Sua misericórdia. Jonas tinha a esperança de ver de camarote a destruição dos ninivitas!
Meu irmão, Jonas estava como um menino pirracento: Eu quero ver se Deus vai continuar sendo misericordioso. Eles são ninivitas, ah, eles vão voltar a sua perversidade e maldade, então, aí eu quero ver se Deus vai deixá-los vivos!
Meu irmão e demais ouvintes, Jonas tem esperança em ver pecadores serem mortos! Como pode um negócio deste? Alguém torcer pela queda e morte daqueles que provaram da misericórdia de Deus? Veja a que ponto o zelo estúpido pode levar um servo de Deus!
Um servo de Deus que foi chamado para ser instrumento para a salvação dos pecadores deseja a morte daqueles a quem Deus quis dar a vida!
A atitude estupidamente zelosa de Jonas deve ser um alerta para a igreja. Você tome muito cuidado com seu zelo para com as coisas de Deus, pois se você não colocar seu zelo debaixo da vontade revelada na Escritura, então, você pode chegar ao mesmo absurdo de Jonas.
Você pode chegar ao ponto de ser um servo dos seus desejos e não um servo dos desejos de Deus. Você pode se esquecer da misericórdia de Deus e querer dominar Deus com suas idéias e desejos humanos.
Você pode pecaminosamente alimentar esperança naquilo que é contrario a vontade de Deus para o seu chamado! …
Mas, fique sabendo de uma coisa: Deus não está a sua disposição nem se dobra diante da malcriação de seus servos!
Saiba que tem pessoas dentro da igreja que alimentam esperança em coisas que claramente não agradam a Deus.
Meu amado irmão em Cristo, você pensa que Deus por causa de sua insatisfação com a vontade dEle vai atender seus desejos pecaminosos? Não, Deus não vai! … Por isso, não alimente esperança em algo que não agrada a Deus?
Meu amado irmão, por amor a você digo: Saiba que o SENHOR Deus é soberano e não fará nada que não seja somente a Vontade dEle! Pode tirar seu cavalinho da chuva, pode perder sua esperança naquilo que é contrário a vontade de Deus, pois Deus não vai atender você!
Veja que Deus não atendeu o desejo de Jonas! Jonas esperou até dormir e não viu o que queria ver! …
Saiba, meu irmão e demais ouvintes: … A vontade de Deus era ser misericordioso e salvar os ninivitas e não seria a ira injusta de Jonas, a malcriação e a esperança pecamisosa do profeta que faria Deus revogar Sua misericórdia!

Conclusão:

Agora para encerrar esse sermão vamos pensar na diferença entre Jonas e Cristo. Somos levados pela atitude de Jonas de volta a pensar em Jesus Cristo e na Sua obra em favor da Igreja.
Note que enquanto o profeta pediu a morte por que pecadores receberam a vida. Jesus pediu para morrer para que pecadores pudessem viver!
Enquanto Jonas ficou triste com o resultado de seu ministério em Ninive o Senhor Jesus se alegrou com o resultado do seu ministério entre nós: pecadores se arrependeram e foram salvos.
Jonas pediu a sua morte por que Deus mostrou misericóridia. Jesus pediu a morte para que o SENHOR fosse misericoridioso para com pecadores!
Jonas, por seu zelo, se colocou fora da cidade de Ninive na esperança de Deus destruir aquelas almas, mas Jesus Cristo, por seu zelo amoroso por Deus e pelos pecadores, se colocou fora da cidade de Jerusalém, no monte Calvário, numa cruz, para Deus salvar da destruição eterna homens de todas as nações da terra!
Meus amados irmãos, um ponto que ressalta aos nossos olhos do contraste entre Jonas e Jesus são as justificativas dos seus sentimentos: a ira de Jonas e o amor de Cristo:
A Ira de Jonas contra os pecadores de ninive não tinha justificativa. O amor de Jesus por pecadores miseráveis que mereciam justa punição não tem justificativa. Jesus Cristo amou pecadores das diversas nações somente por pura graça e misericórdia!
Meu amado irmão em Cristo, foi a graça e misericórdia de Deus que levou Jesus Cristo até a cruz, para livrar você da destruição eterna.
A esperança de Jonas era a destruição de pecadores, enquanto, a Esperança de Jesus era a salvação de homens perdidos. E esta esperança de Jesus Cristo se concretizou. Veja você e eu, pela misericórdia de Deus, estamos aqui cultuando e vivendo no SENHOR Jesus.
Assim, meus irmãos, vejam que os contrastes entre Jonas e Jesus Cristo mostram a misericórdia de Deus em nosso favor. Vejam que Jonas até na sua fraqueza aponta para Jesus Cristo.
E, meus amados irmãos, é para Jesus Cristo que devemos olhar, pois Ele é Aquele supremo e fiel profeta que, por Sua infinita misericórdia, se alegrou em morrer em lugar de pecadores como eu e você, para que a Ira do SENHOR não nos destruísse eternamente.
Por isso, Deus nos chama a ver que não há justificativas para não nos alegramos com a vontade de Deus. Não existe justificativas para não nos alegramos na obra de Deus em favor de pecadores. Não há justificativas para deixarmos de mostrar amor por esse Deus que, em Cristo, foi e é tão misericordioso para com pecadores como nós.
Por isso, devemos sempre nos alegrar e louvar ao SENHOR Deus de misericórdia e ao Seu Filho Jesus Cristo. … Amar e se alegrar pois esse Todo-Poderoso Deus, por meio do Senhor Jesus Cristo, é misericordioso para com pecadores. A Jesus Cristo, nosso Supremo Profeta, seja somente a glória por nossa Salvação! Amém.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Deus, na sua misericórdia, leva os pecadores ao arrependimento

Sermão preparado pelo Rev. Adriano Gama sobre Jonas 3.5-10

Texto: Jn 3.5-10
Leitura: Jn 3.1-10

Amada Congregação do Senhor Jesus e demais ouvintes,

A palavra de Deus chegou a Nínive. O profeta Jonas proclamou o Últimato do Rei do Universo que estava disposto a virar de cabeça-para-baixo Nínive.
Foi uma mensagem curta e grossa proclamada por Jonas. Era a mensagem de Deus: “Ainda quarenta dias, e Nínive será subvertida”. Que mensagem difícil para quem prega e quem ouve!
Mas, apesar de ser dura a mensagem, nela temos a manifestação da misericórdia de Deus para aquele povo. Pois, qual foi o resultado da pregação de Jonas aos ninivitas?
O que aconteceu depois do profeta entregar aos moradores de Nívive o Últimado de Yahweh, o SENHOR Deus da Alainça?
A resposta está no tema desta pregação que proclamo a todos vocês:

Deus, na sua misericórdia, leva os pecadores ao arrependimento

Veremos três pontos:

Arrependimento que veio pela pregação
Arrependimento manisfestado em sentimentos e obras
Arrependimento que leva à salvação

1. Arrependimento que veio pela pregação:

Meu amado irmão e demais ouvintes, veja o v. 5. O texto diz: “Os ninivitas creram em Deus, e proclamaram um jejum, e vestiram-se de panos de saco, desde o maior até o menor”.
Os ninivitas creram em Deus, ou seja, os ninivitas confiaram na Palavra de Deus e assim no Deus da Palavra. Aqui vemos como é necessária a pregação da Mensagem de Deus para que o homem creia em Deus para salvação.
O Espírito Santo através do Apóstolo Paulo diz (Rm 10.14): “Como, porém, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram (literalmente a quem não ouviram)? E como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados?
Veja, meu amado irmão e demais ouvintes, dentro do plano de Deus para Nínive e para a salvação dos outros povos no mundo (judeus e gentios) a pregação é o modo estabelecido por Deus.
A pregação curta e grossa de Jonas levou os ninivitas a crerem no SENHOR Deus de Israel. Que testemunho maravilhosos o Espírito Santo nos dá acerca da Pregação Fiel do Evangelho. O Espírito Santo, no livro de Jonas, mostra que a pregação é poderosa para levar um povo inteiro ao arrependimento.
Meu irmão, veja como somos estimulados a confiar e levar (com coragem e fervor) a mensagem de Deus ao nosso povo. O nosso objetivo deve ser levar a pregação a fim de que o SENHOR Deus, por sua misericórdia, leve arrependimento e salvação para povo de nossa nação!
Meu irmão em Cristo, muitas vezes não paramos para pensar no poder da pregação fiel do Evangelho. Não paramos para imaginar que cada vez que um pregador prega fielmente o poder de Deus opera na Igreja e opera nos demias ouvintes. Por isso, ninguém substime quando um pregador proclama o Evangelho do Senhor. Ali o poder de Deus está sendo manifestado para amolecer ou endurecer o caração dos homens.
E diante do que o Espírito Santo nos expõe no texto sobre o poder da pregação tenho uma pergunta para você meu irmão em Cristo: Você crê de fato que a pregação é o modo estabelecido por Deus para ele levar pecadores à Salvação? Você crê no poder da pregação? Você quer a salvação do nosso povo?
Então, o que você tem feito para que a pregação do Evangelho de Cristo? O quanto você tem orado e trabalhado para que a mensagem de Deus chegue aos ouvidos das autoridades e do povo da nossa cidade?
Meu irmão em Cristo, vendo o nível de espiritualidade e doação de muitos dentro da igreja, então, podemos dizer que tem muita incredulidade no valor e no poder da pregação! Esta é uma das manifestações que podemos perceber através das atitudes de muitos na Igreja.
Mas, há um outro tipo de manifestação. Esta mais semelhante aquela de Jonas no início do Livro.
Amados irmãos em Cristo, parece que muitos de nós querem o Evangelho só para “os reformados”. O Evangelho é para todos ouvirem e não para ficar ecoando somente nas paredes de nossos prédios e casas!
Saiba que o Evangelho é para ser ecoado no mundo inteiro: “Em ti serão benditas todas as famílias da terra”! Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; …!”
Meu irmão em Cristo, esta passagem de Jonas me leva a dizer o seguinte: SE algum membro da Igreja não se doa para promoção do Evangelho, então, que deixe de falar a doutrina da soberania de Deus e se arrependa da sua incredulidade!
Meu amado irmão, SE algum membro da igreja não se doa em oração e com seus dons para que a pregação do Evangelho saia de nosso círculo reformado, então, deixe sua ignorância e seu egoísmo espiritual e promova com atos a proclamação do Evangelho!
Veja o que aconteceu em Nínive e ouça as palavras de Jesus Cristo e dos Apóstolos. O Espírito de Cristo levou os ninivitas ao arrependimento pela pregação de Jonas. O Espírito Santo, levou pela pregação a aquele povo a um arrependimento que foi visível. Isto nos leva ao segundo ponto.

2. Arrependimento manisfestado em sentimentos e obras:

Meu amado irmão e demais ouvintes, o arrependimento dos ninivitas foi acompanhado por sentimentos e obras (vs. 5b-8).
Um jejum e luto oficial são decretados. Um jejum que até os animais participaram. Isto mostra o entendimento dos ninivitas que a criação participa também das consequências dos pecados do homem (iremos explorar isto mais adiante quando chegarmos no último versículo de Jonas).
Este jejum e luto oficiais são expressões que mostram uma clara manifestação de reconhecimento de pecados e uma clara expressão de humilhação em resposta à pregação de Jonas.
O Espírito Santo mostra que todos se humilharam diante de Deus, pois “desde o maior até o menor” praticou o jejum e se vestiram de sacos. Imagine as autoridades e súditos, pais e filhos, velhos e jovens, homens e animais se humilharam diante de Deus! Uma manifestação de arrependimento público foi vista na vida daquela geração de Nínive. Algo impressionante mesmo!
O Espírito Santo também mostra que, na pessoa do Rei, todos reconheceram seus pecados e perversidades. Todos ali estavam se colocando debaixo do juizo de Deus. E podemos crer no arrependimento dos ninivitas não somente baseados nos sentimento e obras, mas porque o próprio Deus viu o arrependimento dos ninivitas (v. 10).
Meus amado irmão e demais ouvintes, Deus não vê como nós vemos. Deus não vê só o exterior, mas Deus vê o coração. E o Senhor viu a conversão dos ninivitas. Isto é um ponto forte dentro do Livro que mostra o sincero arrependimento de Nínive. Mas, além do v. 10, temos as palavras do nosso Salvador Jesus Cristo que diz (veja Mt 12.41): “Ninivitas se levantarão, no juízo, com esta geração e a condenarão; porque se arrependeram com a pregação de Jonas”.
Meu irmão, pela pregação o SENHOR leva a Fé e o arrependimento ao pecador. E essa Fé e arrependimento leva o pecador a ter sentimento e obras que comprovam o arrependimento!
Veja os ninivitas: Eles creram em Deus e modo muito claro um profundo sentimento e obras de humilhação foram vistas. Isto é humildade diante de Deus. E veja claramente humildade diante de Deus sendo manifestada no Rei de Nínive e no seu povo. Humildade e não soberba!
Amados irmãos e demais ouvintes, saiba que quando um pecador é levado ao arrependimento uma das maiores provas desse arrependimento é a humildade em reconhecer seus pecados e a prática das obras de arrependimento.
O homem em pecado é soberbo por natureza, mas um homem que vive o verdadeiro arrependimento é humilde por causa da nova natureza!
Saiba que um pecador verdadeiramente arrependido não é aquele que somente diz: “É eu sei que pequei, mas que, ao mesmo tempo, não mostra obras de humildade diante da palavra de Deus!” … Um pecador arrependido é aquele que com humildade diz e com obras mostra: “Sei que pequei, SENHOR, tem misericórdia de mim, um pecador!”
Meu irmão, lembre-se da parábola do Filho Pródigo. Ele reconhece seu pecado, reconhece a sua indignidade diante de seu pai. E o que ele faz mais? Ele volta arrependido!
Meu irmão, por esses testemunhos da Escritura sobre a atitude de um pecador verdadeiramente arrependido que devemos repudiar em nós ou em qualquer outro sentimentos ou atitudes de soberba contra a mensagem de Deus e de autojustificação!
Meu irmão, digo isto a você por que EXISTEM membros dentro da igreja que são enfrentados pela pregação e disciplina e que não mostram humildade para se submeter a vontade de Deus revelada na Escritura.
E pior, estão querendo se justificar diante dos outros membros, para LHES ROUBAR os corações, fazerem-se de vítimas e de injustiçados. Mas, saiba que um pecador arrependido não age assim! Um pecador arrependido reconhece seus pecados revelados e se coloca debaixo da mão de Deus.
Meu irmão, veja isto na atitude do Rei de Nínive. O Espírito Santo mostra nele que um pecador arrependido reconhece seu pecado, mas não somente isto: Um pecador arrependido se coloca nas mãos do justo Deus (veja o v. 9).
Meu irmão em Cristo, o Rei arrependido diz: “Quem sabe se voltará Deus, e se arrependerá, e se apartará do furor da sua ira, de sorte que não pereçamos?”.
Meu amado irmão e demais ouvintes, o Rei de Nínive se coloca à disposição da misericórdia de Deus. O Rei de Nínive nessas palavras humildes reconhece aquilo que Jonas (povo de Deus) aprendeu com dura pena: Ao SENHOR pertence a Salvação!
Veja que o Rei de Nínive expressou mais humildade e conhecimento sobre a soberania de Deus na Salvação que os judeus e muitos ditos cristãos. Isso é obra do Espírito Santo pela pregação, transformando pecadores soberbos em pecadores humildes e que confiam a Deus sua salvação!
Pergunto em Nome do SENHOR: Você vê tal humildade quando Deus enfrenta você com Sua Palavra pregada? Quais obras de humildade você mostra quando Deus pela pregação enfrenta e revela o pecado que você caiu ou vive? Você se coloca nas mãos de Deus como um pecador humilde e que não merece clemência e misericórdia? Ou você permanece duro e cheio de conversa fiada para não reconhecer seu pecado?
Saiba, que um pecador arrependido é humilde para reconhecer seu pecado diante de Deus e dos homens. Um pecador arrependido de verdade não fica querendo se justificar, mas se coloca humildemente nas mãos de Deus! Um pecador arrependido se contenta com o julgamento justo e soberano do SENHOR. …
E ao fazer isto o pecador arrependido alcança a misericórdia do SENHOR Deus. Vamos para o último ponto do Sermão.

3 Arrependimento que leva à salvação (v.10):

Meus irmãos e demais ouvintes, veja o verso 10: “Viu Deus o que fizeram, como se converteram do seu mau caminho; e Deus se arrependeu do mal que tinha dito lhes daria e não o fez”.
O alvo dessa pregação é alimentar as ovelhas de Cristo e não animar bodes. Por que falo isto? Porque muitos pregadores, por causa dos oponentes da fé (os bodes), gostam de perder tempo falando sobre a expressão “Deus se arrependeu” ou “arrendimento de Deus”. Creio que isto é para estudos e não para essa pregação.
Mas, sendo objetivo e para alimentar as ovelhas de Cristo, digo que esta expressão mostra a atitude de misericórdia de Deus para com o pecador arrependido. O SENHOR Deus diante do verdadeiro arrependimento de Nínive não subverterá mais a cidade. Assim o sentido é que o SENHOR Deus voltou atrás, ou seja, manifestou Sua misericórdia para com os ninivitas e revela que não varrerá Nínive da face da terra.
Saiba quando um pecador, pela graça de Deus, se arrepende o SENHOR Deus não negará a este pecador a Sua Salvação Misericordiosa. Essa é uma promessa para todo pecador (de dentro e de fora da Igreja). O que aconteceu em Nínive é um exemplo disto.
Veja o Salmo 2.10-12. Os reis da terra são chamados a se submeterem ao Ungido de Deus, a servir ao SENHOR com temor e a se alegrar nele com tremor, a viver em comunhão com o Ungido (beijar o filho), é prometida a bem-aventurança a “todos os que nele se refugiam!” Se eles não assim fizerem serão exterminados!
Veja que o SENHOR Deus dá no Salmo 2 a promessa pactual de salvação para todos (judeus e gentios) que com humilde coração se converterem ao Ungido Rei, Jesus Cristo!
Também, o Senhor, o Espírito Santo, inspirou o Salmista a cantar no Sl 103.15-17: “Quanto ao homem, os seus dias são como a relva; como a flor do campo, assim ele floresce; pois, soprando nela o vento, desaparece; e não conhecerá, daí em diante, o seu lugar. Mas, a misericórdia do SENHOR é de eternidade a eternidade, sobre os que o temem, e a sua justiça, sobre os filhos dos filhos, para com os que guardam a sua aliança e para com os que se lembram dos seus preceitos e os cumprem”.
Meu irmão, onde há arrependimento há salvação independente da cor, raça, tribo, língua e nação!
Veja: O Espírito de Jesus Cristo no profeta Jonas pregou aos ninivitas e levou aquele povo ao arrependimento. E Jesus Cristo enviou os seus apóstolos às nações dizendo o seguinte (veja Lc 24.43): “Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia, e que em seu nome se pregasse ARREPENDIMENTO para a remissão de pecados a todas as nações, começando em Jerusalém”!
Meu irmão e demais ouvintes, o Espírito Santo diz que se o pecador quer provar a misericórdia de Deus e ter a setença de morte revogada, então, que se arrependa! O SENHOR Deus é misericórdioso para os que o temem, os que se lembram dos seus preceitos e os cumprem!
O povo de Nínive, bem representado no seu rei creu no Senhor, temeu ao Senhor e se arrependeu. E o SENHOR Deus mostrou a Sua misericórdia para aquele povo.
Meu amado irmão, você nessa atitude de Deus é chamado a glorificar a Misericordia do SENHOR e a se consolar nela, pois imagine … : Deus fez isto com os moradores de Nínive quanto mais com você que está em Cristo? Se Ele fez isto com quem estava fora da Aliança, então, quanto mais com você que diante da mensagem do SENHOR, em Cristo, se arrepende dos seus pecados? Então, contando com a misericórdia do SENHOR, você viva para glória de Deus e atenda sempre a mensagem de Deus para você!
Agora é para você (de dentro ou de fora da igreja) que está vivendo em seu pecado e Deus está lhe enfrentando e chamando ao arrependimento por meio desse serrmão.
Saiba que sem arrependimento você não poderá provar a misericórdia de Deus. Não pense que há misericórdia para os soberbos e pecadores impenitentes. Somente há misericórdia onde há verdadeiro arrependimento!
Creia nas palavras do SENHOR Deus em Jonas e a atitude de Deus em mostrar misericórdiosa salvação. Creia nas palavras de Jesus Cristo na parábola do fariseu e do publicano (Lc 18.14b): “… porque todo o que se exalta será humilhado; mas o que se humilha será exaltado”.
Creia nas palavras do Espírito Santo exposta a você nessa pregação e mostre arrependimento para a vida, arrependimento manifestado em sentimentos e obras. Arrependimento que leve o Dono da Salvação, por pura graça, salvar você da Destruíção Eterna. … Tenha arrependimento sincero, pois somente assim o SENHOR Deus retirará de sobre você a promessa de destruição!
Deus fala a você neste momento por meio dessa pregação: Pode ter certeza da promessa de Deus para salvar todo aquele que, através de Jesus Cristo, arrependido chegar aos seus pés.
Creia nessa mensagem pregada a você, pois o SENHOR Deus é misericordioso e salva da Sua ira o pecador verdadeiramente arrependido. Amém!