sábado, 25 de julho de 2009

Abraão foi justificado bem antes da circuncisão

Sermão preparado pelo Rev. Adriano Gama sobre a doutrina bíblica exposta no Dia do Senhor 25

Textos: Rm 4.9-12 e Dia do Senhor 25
Leitura: Gn 17.1-14; Rm 4.1-12


Amada congregação do Senhor e demais ouvintes,

Santo Agostinho (que viveu no quarto século da era cristã) definiu Sacramento como “o sinal visível de uma coisa sagrada; ou: a forma visível de uma graça invisível; (Catequese XXVI 50; Cartas, 105, III, 12)
João Calvino, por sua vez, seguindo Agostinho, escreve na sua obra “Breve Esboço da Fé Cristã (obra escrita em 1536-37 e que é um resumo da primeira edição das Institutas): “um sacramento é uma expressão da Graça de Deus declarada por um sinal exterior”.
A nossa Confissão de Fé (que foi escrita por Guido de Brès em 1561) declara que: “Os sacramentos são os sinais e os selos visíveis de algo interior e invisível, por meio dos quais Deus opera em nós pelo poder do Espírito Santo.”
E o nosso Catecismo (escrito em 1563) ensina no Dia do Senhor 25, P. 66: “Os sacramentos são sinais e selos santos e visíveis”.
Note que em nossas confissões estamos repetindo o que nossos irmãos em Cristo, o povo de Deus, desde de muito tempo atrás em uma só voz professa sobre o que é um sacramento!
E na verdade a confissão do povo de Deus é um eco daquilo que a Escritura diz sobre o sacramento. Pois a fonte do eco é a Palavra de Deus, por exemplo na Carta Aos Romanos. Nesta Carta Deus nos chama a ouvir, crer e confessar a verdade de Deus acerca do que é um sacramento. E este ensino trago da parte de Deus para vocês no seguinte tema:

Abraão foi justificado bem antes da circuncisão:

1 A justificação de Abraão foi sinalizada e selada com o sacramento
2. A justificação pela Fé é confirmada através do sacramento a todo que Crê


1. Abraão foi justificado bem antes da circuncisão: A justificação de Abraão foi sinalizada e selada com o sacramento


O Apóstolo Paulo nos vs. 1-8 mostrou através da Escritura, pelo exemplo de Abraão e a declaração de Davi, que a bem-aventurança da justificação é um dom de Deus concedido mediante a Fé em Cristo somente. O Apóstolo ensinou que que Abraão não conseguiu o perdão de pecados diante de Deus como um prêmio, um salário, por seu esforço.
E o Apóstolo continua seguindo o ensino da justificação pela Fé somente. E como um bom mestre (usando a mesma prática dos rabinos judeus) faz mais perguntas (veja o v. 9).
E o fundamento da pergunta é a Escritura. E ele toma novamente o exemplo de Abraão e a palavra de Deus dada a Abraão: “A fé foi imputada a Abraão para justiça”.
O Apóstolo quer despertar os judeus orgulhosos a pensar se a promessa de Deus sobre a justificação era algo “exclusivo para os judeus ou se era uma bênção para ser também colocada sobre os gentios”.
Meus irmãos, os judeus orgulhosos responderiam respoderiam ao Apóstolo: “Somente sobre os judeus (circuncisos) foi proclamada a bem-aventurança!” E essa é a resposta conforme o orgulho deles, mas não conforme a revelação de Deus!
O Apóstolo começou no v. 10 a combater o orgulho dos judeus. E o apostolo ataca uma das maiores armas dos judeus para marginalizar os outros povos: A circuncisão. E para chegar na circuncisão Paulo faz outra pergunta: Como, pois, foi atribuída a justiça a Abraão?
Com essa pergunta o Apóstolo vai ensinar sobre a relação entre a justificação diante de Deus e o sacramento da circuncisão.
A circuncisão era uma pequena cirurgia feita pelo pai nos seus filhos, para retirar o prepúcio, o que hoje podemos comparar a uma operação de fimose. E essa retirada do prepúcio era feita quando o menino tinha apenas 8 dias de nascido.
E o sacramento da circuncisão era um dos motivos de orgulho dos judeus e eles a usavam como um verdadeiro instrumento de tortura contra os gentios.
Um judeu todo dia era lembrado da aliança, pois todo dia olhava para circuncisão feita nele. E os orgulhosos olhando à circuncisão diziam: “olhe o sacramento da circuncisão em mim, sou especial diante dos povos, pois a circuncisão foi dada a meu pai Abraão e a promessa é para os seus descendentes. Oh, sou circuncidado e a benção de Abraão é só dos judeus!” Veja que orgulho fruto da falta de entendimento da Escritura e do dom de Deus.
É verdade que o sacramento da circuncisão foi dado a Abraão (veja em casa Gn 17.1-14). Mas, isto não era motivo de orgulho pecaminoso, nem de crer que é a partir da circuncisão que o homem se tornava justo!
O Apóstolo com a pergunta 10 vai começar a desmantelar tanto o orgulho quanto o ensino judaico que a justificação diante de Deus começava com a circuncisão. … O apóstolo coloca luz sobre a ordem dos acontecimentos na história da redenção na vida de Abraão.
E o apóstolo faz as perguntas de uma forma que se o judeu for usar a Escritura ele só tem uma resposta a dar! … E qual a resposta? Veja o final do v. 10: “Não foi quando Abraão estava debaixo do regime da circuncisão, mas bem antes, quando ainda era um incircunciso, que Deus o justificou, o fez bem-aventurado” (Leia em casa Gn 15.6 e vá lendo até 17.14).
Meu irmão e demais ouvintes, passaram-se 14 anos (no mínimo) entre o dia que Deus declarou que Abraão era justo diante dEle até a entrega da circuncisão! Assim, o Apóstolo, pelo Espírito Santo, mostra que bem antes da circuncisão Abraão foi justificado diante de Deus. E isto para o judeu era uma verdade estrondante, pois era o mesmo que falar que Abraão estava na mesma situação dos gentios quando foi declarado justo diante de Deus!
Abraão o pai dos judeus foi justificado pela fé e antes de ser circuncidado, então, como posso dizer que os gentios não receberam pela Fé em Cristo a justificação pela Fé somente? Como posso dizer que é a circuncisão que torna o homem justo diante de Deus? Como posso dizer que os gentios (incircuncisos) em Cristo não são justos diante de Deus?
Assim, os judeus tinham que engolir o Evangelho. Eles deviam reconhecer que Deus despojou os pecados de Abraão não pela circuncisão, que só viria muito tempo depois (14 anos), mas pela Fé na promessa de Deus. Paulo mostrou a mentira dos judeus diante da Igreja de Cristo e exaltou a verdade que o perdão dos pecados é uma bêm-aventurança que vem pela Fé em Cristo e não pela circuncisão.
Mas, o judeu poderia perguntar: Então para que serviu a circuncisão? Isto é uma boa pergunta e que nos ensinará muito sobre a natureza dos sacramentos dados por Deus ao Seu povo (veja o v. 11).
O Apóstolo diz que a circuncisão era um sinal ou selo da justiça da Fé. O Apóstolo diz que pela circuncisão Deus estava tornando visível e confirmando a promessa do Evangelho dada a Abraão e aos seus descendentes.
Por isso, falamos que a circuncisão era um sacramento. Um sacramento é algo que torna visível o que estava escondido. Mas, não somente isto! Um sacramento é também é um selo que confirma as promessas de Deus para o Seu povo.
Vou ilustrar. Vocês que são casados olhem para sua mão esquerda. O que vocês estão vendo? Este anel (esta aliança) é o seu casamento? Não, mas é um sinal que diz a você e a todos: Sou casado, tenho um cônjuge, firmei com ele um pacto, tenho segurança nas promessas feitas por ele a mim, tenho deveres que tenho que cumprir para com meu cônjuge. A aliança não é o casamento, mas é um sinal e selo da realidade, ou seja, o casamento.
Assim a circuncisão não era a justificação pela fé, mas era um sacramento, ou seja, o sinal e selo dessa justificação. A circuncisão tornou visível e firmou a promessa de Deus dada a Abraão!
Os judeus enfatizaram tanto a circuncisão que esqueceram da promessa e para o que ela apontava, ou seja, o perdão completo dos pecados e que esse perdão é real para todo aquele que Crê em Jesus Cristo!
E saiba que toda vez que sobrevalorizarmos os sinais e selos da Aliança além do que a Escritura revela, então, cairemos no mesmo erro dos judeus: orgulho espiritual e desvio da fé!
Veja o que aconteceu com a Igreja antes da Reforma e o que hoje acontece com a Igreja Roma. Por exemplo, Roma, como a igreja medieval, enfatiza tanto o santo batismo, que é a circuncisão da Nova Aliança, que torna o batismo um meio de remissão dos pecados.
Os católicos romanos creêm que esse sacramento foi entregue somente a eles, que este sacramento opera por si mesmo a regeneração e a graça da remissão dos pecados, independente da Palavra de Deus. Assim, Roma e os judeus negam a justificação pela fé somente, vivem em orgulho espiritual; e desprezam e perseguem o povo de Deus.
Mas, a igreja de Cristo tem mantido a Fé Apostólica e Evangélica, que aprensenta o sacramento como sinal e selo da Promessa de Deus. Essa Fé bíblica se vê naquilo que confessamos no Catecismo de Heidelberg no Dia do Senhor 25 (veja p e r 65 e 66).
Meu irmão, o Espírito Santo na Escritura mostra que não devemos nos apegar ao sinal e ao selo ao ponto de esquecermos ou pervertemos o Evangelho da Graça de Cristo, pois isto é PERDIÇÃO ETERNA.
Saiba, meu irmão em Cristo, isto é um alerta para nós: Não tire seus olhos da realidade e para onde os sacramentos apontam que é Cristo, Sua obra e a promessa de perdão dos pecados pela fé nEle!
Meu irmão, os sacramentos (batismo e Santa Ceia) são meios para fortificar a Fé e NÃO PARA SUBSTITUIR A FÉ COMO INSTRUMENTO PARA RECEBERMOS A JUSTIÇA DE DEUS! O sacramento em SI e POR SI não opera a justiça! Nunca se esqueça que Jesus e Sua obra são a realidade da minha e sua justificação, a garantia da vida eterna (veja o Dia do Senhor 25, P. e R. 67).
Meu irmão em Cristo, o Evangelho mostra que nos apropriamos dessa justiça de Cristo pela Fé. E o Espírito Santo pelos sacramentos fortifica a Fé que Ele operou em nós pelo Evangelho.
Meus irmãos, se a justiça diante de Deus viesse por meio do sacramento, Abraão somente seria justo quando se circuncidou. E se isto fosse verdade, então, a salvação seria exclusiva aos circuncidados e não seria pela Fé em Cristo somente. Mas, o Evangelho deixa claro que a Justiça diante de Deus é dada a todo aquele que crê no sacrifício de Cristo na Cruz. Isto nos leva ao último ponto do Sermão.

2. Abraão foi justificado bem antes da circuncisão: A justificação pela Fé é confirmada através sacramento a todo que Crê

A Palavra de Deus já mostrou que Deus justificou a Abraão antes da circuncisão. Também que a circuncisão é o sinal ou selo dessa justiça, justiça que vem pela fé somente e não pela circuncisão. E agora o Apóstolo mostra que o plano de Deus sempre foi justificar o homem, não somente os judeus (circuncisos), mas todos os que creêm em Cristo (independente deles serem judeus ou não)!
Meu irmão em Cristo, veja o que Paulo diz em Gálatas 3.6-9. …
Essa passagem é um auxílio a passagem de Romanos que estamos lendo. Deus havia revelado a Abraão o Evangelho da justificação pela fé e que essa justificação era também para os gentios (os incircuncisos)!
E, pelo Espírito Santo, o Apóstolo tanto em Gálatas como em Romanos fala que os verdadeiros filhos de Abraão não são segundo a carne, ou seja, não é o ser judeu ou o ser circuncidado, que torna o homem justo e herdeiro da promessa de Deus!
Assim o Evangelho é claro: Abraão é pai da circuncisão não para dizer que somente os judeus são justos, não para dizer que é a circuncisão que atribui justiça ao homem, mas para REVELAR a graça justificadora de Deus para TODO AQUELE QUE CRÊ! O Evangelho diz: “o que de fato faz um homem ser filho de Abraão não é somente ser judeu e ser circuncidado, mas é seguir a Fé de Abraão, ou seja, confiar na justificação pela Fé Somente e não pelas obras humanas!
Essa é outra bomba para os judeus orgulhosos, pois Paulo estava como que dizendo que os verdadeiros filhos de Abraão não são os judeus incrédulos, que vivem se confiando na circuncisão, mas todo aquele que crê no Evangelho crido por Abraão, que confia no Deus que imputa, atribui, justiça ao que crê no Sacrifício de Cristo na Cruz!
O Apóstolo mostra que o título pai da circuncisão dado a Abraão é uma pregação que Deus justificador de todos que creêm em Jesus Cristo: seja um judeu (circunciso) ou um não judeus (gentio incircunciso)!
Os judeus perderam de vista a Palavra de Deus e o alvo do sacramento da circuncisão revelado na Escritura. Eles ao invés de seguirem a Palavra se rebelaram contra Deus e contra Cristo, para quem a Palavra e os Sacramentos apontavam. Os judeus tomados de orgulho negaram e mataram Jesus Cristo, perseguiram a Igreja e até hoje se acham os herdeiros das promessas de Deus.
Meu amado irmão, não caia no erro dos judeus deixando que as poderosas promessas de Deus e os dois sacramentos que Cristo ordenou sejam um tropeço para você, levando você a se orgulhar e humilhar aqueles que ainda vivem em ignorância e pecado.
As promessas da justificação pela Fé e os sacramentos devem criar em você humildade e um forte desejo de Evangelizar aqueles que estão fora da Igreja, aqueles que creêm que serão salvos por suas obras.
Meu amado irmão, veja como o Evangelho revelado na Escritura, o Evangelho da Justificação pela Fé, chama a Igreja a ser humilde e a Evangelizar.

Conclusão:

Chamo você a pensar na sua vida como cristão:
Você entendeu que Abraão foi justificado bem antes da circuncisão? Você entende a promessa de Deus no Evangelho e o que significa os sacramentos?
Então, como se manifesta esse entendimento em você? Você tem sido humilde diante de Deus e dos homens? Você tem tratado com amor aqueles que mostram ignorância da doutrina da Justificação pela Fé somente? O que você tem feito para a Evangelização dos perdidos?
Meu irmão em Cristo, quem entende de verdade a doutrina da justificação pela Fé manifesta humildade e dedicação na promoção do Evangelho da Graça de Cristo a todos os homens! Quem entende de verdade a doutrina sobre os sacramentos não quer deixar ninguém sem ouvir o Evangelho e sem provar os dons de Cristo sinalizados e selados no Batismo e Santa Ceia!
Meu amado irmão, Abraão foi justificado bem antes da circuncisão, para que hoje você pela Fé no Deus que justifica pecadores por sua graça em Cristo Jesus, fosse feito filho de Abraão!
Veja que bênção você desfruta: Hoje neste culto você louva em amor e gratidão ao Deus de Abraão, o Deus que em Cristo adotou você como Seu povo! Também imagine que o fato de Abraão ter sido justificado bem antes da circuncisão, é exemplo real que mostra que pela fé Deus atribuiu a você a justiça de Cristo!
Imagine que os sacramentos que Cristo Jesus ministrou e ministra a você no Santo Batismo e na Santa Ceia sinalizam e firmam a promessa de Deus: o perdão completo e vida eterna pro causa do único sacrifício de Cristo ofertado na Cruz.
E Deus chama você a se confortar com o Evangelho e a seguir os passos de Abraão, crendo que Deus justifica o pecador pela graça mediante a Fé em Cristo Jesus.
Deus chama você a continuar alegre na bênção de Abraão, bênção que podemos ouvir no Evangelho, bênção podemos provar espiritualmente nos sacramentos, bênção que é real em Cristo! … Amém

Nenhum comentário: