sexta-feira, 19 de junho de 2009

O Espírito Santo é Deus

Sermão preparado pelo Rev. Adriano Gama sobre a Doutrina Bíblica exposta no Dia do Senhor 20 do Catecismo de Heidelberg

Textos: Jo 14.16-18 e Dia do Senhor 20
Leitura: Jo 14.16-31

Amada congregação do Senhor Jesus Cristo,

A passagem que lemos está no contexto da noite em que Jesus foi traído. O Nosso Senhor Jesus estava ceiando com Seus discípulos antes de ir para o monte das oliveiras, onde foi preso e julgado pelos líderes judeus e morto pelos romanos na maldita cruz (Jo 13.1,2).
Jesus Cristo já havia falado sobre o traidor Judas Iscariotes. Jesus disse que havia chegado o momento dEle ser glorificado e que iria ser separado dos Seus discípulos para um lugar onde naquele momento eles não poderiam acompanhá-lO (Jo 13.21-38).
E o cap. 14 é uma mensagem de consolo para os discípulos de Jesus. Jesus Cristo já havia revelado aos Seus discípulos que os deixaria, pois ia para o Pai, para preparar lugar nas moradas celestiais para os Seus amados. O momento estava dentro de uma atmosfera de despedida.
E esse tipo de atmosfera traz tristezas. E os discípulos estão tristes por causa das palavras do Seu Mestre que está de partida. Porém, Jesus consola os seus discípulos dizendo que rogará ao Pai, e Ele dará aos Seus um “outro Consolador”. Esse Consolador que vem substituirá Jesus Cristo (v. 16). Ele estará sempre com os discípulos.
O mundo, ou seja, os homens caídos e inimigos de Deus, não pode receber, nem conhecer esse outro Consolador. Jesus diz que os discípulos já conheciam este Consolador e depois da ida de Jesus ao Céu iriam conhecê-lO de um modo mais íntimo (v. 17).
O Consolador prometido era a certeza que os discípulos não seriam desamparados por Jesus Cristo. O outro Consolador era a certeza da presença de Jesus Cristo com os discípulos e nos discípulos (v. 18).
Estas palavras de Jesus revelam muito da pessoa e da obra do Espírito Santo. As palavras de Jesus aqui nesse capítulo levam a Igreja a confessar no Catecismo a verdade sobre a pessoa do Espírito Santo e sua relação com a Igreja de Cristo.
E pela palavra de Jesus Cristo trago a seguinte pregação a todos vocês:

O Espírito Santo é Deus

Jesus Cristo nos ensina essa verdade
Jesus nos consola com essa verdade

1. O Espírito Santo é Deus: Jesus Cristo nos ensina essa verdade

O Nosso Senhor para consolar os Seus discípulos diz: “E eu rogarei ao Pai, e outro Consolador Ele dará a vocês”. Essas palavras de Jesus Cristo são muito importantes para entender a verdade sobre o Espírito Santo.
Jesus “solicitará” ao Pai que “outro” Consolador seja dado aos Seus discípulos. Jesus Cristo trata o Espírito Santo como uma pessoa e não como um ser impessoal. Podemos ver isto claramente no texto original, pois a palavra “outro” usada por Jesus Cristo é um pronome que indentifica “outro” do mesmo gênero.
Jesus Cristo é uma pessoa e fala de “outra” pessoa do mesmo gênero dEle. Essa outra pessoa Jesus identifica como “Consolador”. Sendo assim, conforme as Palavras de Jesus Cristo não podemos negar a realidade da pessoa do Espírito Santo.
Mas, há algo mais na palavra “outro” que devemos ressaltar. Esta palavra “outro” nos leva a reconhecer a divindade do Espírito Santo. Jesus Cristo diz solicitarei ao Pai “outro Consolador”.
Como já aprendemos a palavra “outro” tem estreita relação com a pessoa do Filho de Deus, ou seja, esse outro consolador é outro do mesmo gênero. E conforme a Palavra de Deus, especialmente, com o Evangelho de João, Jesus Cristo é Deus Verdadeiro:
João abre o seu Evangelho revelando a divindade de Jesus Cristo. Veja por favor Jo 1.1,14:
“No princípio era o Verbo, o Verbo estava com Deus no princípio, e o Verbo era Deus!” … “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai”.
Sendo assim, o Apóstolo João nestes versículos exalta a Jesus Cristo como Deus eterno, Deus encarnado, como o Unigênito de Deus, ou seja, aquele que tem a mesma natureza divina do Pai Celestial.
E, meu amado irmão e demais ouvintes, João escreveu, debaixo da inspiração, todo o Seu Evangelho para levar o mundo a crer “que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (Jo 20.31).
Então, meus irmãos, vejam que quando Jesus Cristo diz: o Pai dará a vocês um “outro consolador” Jesus Cristo garante que esse outro consolador é Deus igualmente ao Pai e ao Filho!
A verdade de Jesus Cristo coloca o Espírito Santo não como um poder, ou um flúido ou uma força impessoal, mas exalta o Espírito Santo como verdadeiro e eterno Deus, juntamente com o Pai e Ele.
E a Igreja confessa a verdade de Jesus Cristo acerca do Espírito Santo quando no catecismo diz: “Creio que Ele [o Espírito Santo] é verdadeiro e eterno Deus, juntamente com o Pai e o Filho” (P e R. 53).
A verdade de Jesus acerca da personalidade e divindade do Espírto Santo sempre foi alvo de ataques do diabo e do espírito do anticristo. O diabo levantou vários hereges na história da igreja que negaram a pessoa e a divindade do Espírito Santo: Ário na época dos pais da Igreja, os Socinianos nos tempos da Reforma, os Testemunhas de Jeová e os pentecostalistas em nossos tempos.
Estes últimos, os pentecostalistas, não negam a divindade do Espírito Santo, mas ensinam doutrinas que levam os cristãos a tratarem Deus o Espírito Santo como um fluido ou poder mágico ou um servo dos homens, como o Gênio da Lâmpada de Aladin. Esse tipo de tratamento dado ao Espírito Santo é tão blasfemo e contrário a verdade de Cristo como as heresias que negam a pessoa e divindade da Terceira Pessoa da Trindade.
Amados Irmãos, o Espírito Santo, o outro Consolador, é Deus e, por isso, não pode ser manipulado por nenhum homem, pois é Soberano! Essa é a verdade de Jesus Cristo acerca do Espírito Santo e para o nosso consolo como Igreja de Cristo. E isto nos leva ao segundo ponto deste sermão.

2. O Espírito Santo é Deus: Jesus nos consola com esta verdade

O nosso amado Salvador quer consolar os Seus discípulos, por isso, Ele diz (v. 16): “E eu, solicitarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador”.
Meus irmãos, veja que o Espírito Santo será dado aos discípulos como resultado da obra de intercessão de Jesus Cristo. Assim, as palavras do Senhor revelam que o Espírito Santo é um dom de Deus que vem através de Jesus Cristo.
Note que Jesus diz que o Pai dará o “outro Consolador”. O verbo usado por Jesus é muitas vezes utilizado na Escritura para ressaltar a graça de Deus. Sendo assim, a doutrina de Cristo diz que esse “outro Consolador” é um dom da graça de Deus.
Assim, Jesus Cristo mostra que o Espírito Santo não é um prêmio que o homem conquistará por sua própria força, obras e santidade pessoal. As palavras de Jesus Cristo apontam para a graça de Deus em doar graciosamente o Espírito Santo aos Seus amados.
As palavras de Jesus contrariam o que muito se ensina por ai sobre o receber do Espírito Santo. Muitas ditas igrejas dão verdadeiros manuais de como o homem pode receber o Espírito: jejuns, orações, votos, ofertas, etc. . Porém, ao mesmo, tempo não falam aos homens o Evangelho da graça de Deus.
O Apóstolo Paulo, inspirado por Deus, escreve (veja a passagem em Ef 1.13): “em quem [Cristo] também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa;…”. E o mesmo Apóstolo em Gl 3.13,14 diz: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar, porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios, em Jesus Cristo, a fim de de que recebêssemos, pela fé, o Espírito da promessa”.
O manual para o recebimento do Espírito Santo é o Evangelho que diz que é SOMENTE por meio da verdadeira Fé em Cristo Jesus que, por pura graça, o Espírito Santo é dado ao homem. E, por isso, ninguém, por mais santo e mais dedicado a Deus que seja, deve achar que conseguirá ter o Espírito Santo por seus méritos, ou boas obras ou por meio de qualquer outro esforço humano. … Jesus Cristo diz: “e EU rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador”.
Assim, meus amados irmãos, qualquer mensagem que ensina ao homem a conseguir o Espírito Santo por seus méritos e obras É OUTRO EVANGELHO e não o Evangelho de Jesus Cristo!
E a igreja crê nas palavras de Jesus Cristo, por isso, confessa no Catecismo: “Creio que Ele [o Espírito Santo] foi dado também a mim – pela verdadeira fé – “. A verdadeira igreja de Cristo é humilde em adimitir o gracioso presente de Deus para nós, o Espírito Santo.
Agora note no v. 16 que Jesus Cristo fala de outro Consolador. Por que outro Consolador? É porque Jesus Cristo é um Consolador (veja 1 Jo 2.1). O Apósotolo João nessa carta diz que Jesus é o Advogado do Seu povo. E essa palavra “advogado” é a mesma que é traduzida por Consolador no Evangelho de João.
Um “Consolador” ou “Advogado” nos tempos de Jesus Cristo era um amigo íntimo que tinha a capacidade de testemunhar em favor de alguém diante de um juiz, uma pessoa que se colocava ao lado de outro para ajudar, acompanhar, estimular. Um verdadeiro amigo!
Sendo assim, Jesus Cristo promete “outro Consolador”, outro que igualmente a Ele virá para auxiliar, encorajar, acompanhar, consolar os Seus discípulos em suas dificuldades nesta terra. Isto é motivo de muito consolo, pois o Consolador Jesus Cristo promete que “outro Consolador Divino” será dado, para estar conosco para sempre!
Agora, note também que Jesus Cristo não fala aos Seus discípulos em termos de dúvidas. Jesus diz: “Eu rogarei e o Pai dará”. Tudo que Jesus Cristo pede ao Pai o Pai lhE dá. Os discípulos podem confiar e se consolar, pois com toda certeza o “outro” Consolador será dado pelo Pai, para estar sempre com eles.
Veja como Jesus Cristo queria consolar os Seus amados, pois Seus discípulos já sabiam que Jesus Cristo iria deixá-los. E essa partida de Jesus Cristo foi iniciada com momentos de terrível perturbação. Poucas horas depois da Ceia, os judeus arrastaram Jesus Cristo e o levaram para ser julgado e morto na maldita cruz.
E Jesus Cristo já sabia sobre toda cena terrível que os Seus discípulos irão testemunhar (Jo 13.1,21-31). Jesus sabia como seria terrível estes momentos para os Seus Amados e, por isso, as palavras de Jesus Cristo visavam consolá-los, tirando com Sua palavra toda perturbação do coração dos Seus discípulos.
Jesus Cristo diz: “Eu Mesmo solicitarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja sempre convosco”.
Que palavras consoladoras para os discípulos que presenciariam toda fúria do mundo contra Jesus Cristo. Esse mundo falado no v. 17. O mundo que amou mais as trevas que o Senhor Jesus Cristo. O mundo que não ama nem conhece o Espírito da Verdade nem o pode receber, porque vive em sua malignidade e incredulidade contra Deus e Seu Cristo. O mundo anticristão cujo o príncipe é Satanás! O mundo que os judeus e todos incrédulos fazem parte.
E o versículo 17 que mostra a realidade do mundo anticristão é o mesmo versículo que mostra mais consolo para os discípulos, pois Jesus Cristo diz: “vos [os discípulos] o conheceis, por que ele [o outro Consolador] habita convosco e estará em vós”!
Essa mensagem é muito consoladora pelo menos por dois motivos:
Primeiro, o Espírito Santo já era conhecido e provado pelos discípulos (vós o conheceis Jesus diz). O Espírito Santo já operava nos discípulos, pois estava na pessoa de Jesus Cristo e nas Suas obras para com Seus amados. Assim, o Espírito Santo, não era estranho e totalmente desconhecido dos discípulos de Jesus Cristo.
Mas, o segundo motivo é mais consolador ainda, pois Jesus Cristo diz que esse outro Consolador já conhecido, virá não apenas para estar com os discípulos, mas para estar dentro dos discipulos!
No Antigo Testamento os crentes não provavam a presença do Espírito Santo dentro deles. Mas, os crentes do Antigo Testamento tinham essa promessa que seria cumprida pelo Messias que viria. E os apóstolos antes da ascensão de Cristo ainda estavam vivendo a Dispensação da Antiga Aliança (veja em sua casa Ez 37.24-28; Jo 7.37-39).
Quando Jesus Cristo encarnou Ele era o Tabernáculo de Deus que veio para o meio dos Homens (Jo 1.14). Mas, quando o outro Consolador fosse dado pelo Pai o Santuário de Deus, o Templo de Deus, passaria ser a Igreja, cada crente em Cristo Jesus (1 Co 3.16; 6.19)!
Meus amados irmãos, as palavras de Jesus consolam os Seus discípulos, pois eles não seriam desamparados por Jesus Cristo, porque o outro Consolador será dado para que a presença de Cristo e do Pai fosse mais íntima com os Seus amados, pois Ele e o Pai na pessoa do outro Consolador “estará dentro dos Seus Discípulos”!
Agora note que Jesus Cristo diz: rogarei, o Pai dará e o outro Consolador estará em vós”! Qual o tempo do verbo? É o Tempo Futuro. Jesus Cristo falava que o outro Consolador virá ainda!
E quando isso aconteceu? Depois da Sua ascensão, no Dia de Pentecostes! Ali em Jerusalém estas palavras de Jesus Cristo foram cumpridas. O Espírito Santo foi dado pelo Pai e derramado pelo Filho na Igreja. Assim, aquilo que foi futuro para os Apóstolos É PRESENTE PARA VOCÊ!
Meu irmão em Cristo, a presença de Jesus Cristo e do Pai na sua vida é algo real. E isto nos garante, pela verdadeira Fé, consolo real, pois no Espírito Santo temos Jesus Cristo e participamos de todos os benefícios de Cristo: Salvação, Justiça, Santidade e dos dons graciosos no Espírito Santo!
E as palavras de Jesus Cristo nos consola ainda mais pois o Consolador nunca nos deixará, pois, Jesus Cristo prometeu que o Consolador vem “a fim de que esteja para sempre convosco”. E essa é a garantia que a igreja não foi deixada órfã e que Jesus Cristo está conosco e em nós para sempre (Jo 14.18).

Conclusão:

Deus o Espírito Santo foi dado a Igreja em Pentecostes e você como membro da Igreja tem no Evangelho e no sacramento do Batismo a promessa e o selo da presença de Deus o Espírito Santo com você e EM você.
O Pai deu a você o outro Consolador (Jo 14.16). O Pai deu a você O Amigo íntimo que está ao seu lado e dentro de você consolando você com o TESTEMUNHO E AS PALAVRAS DE JESUS CRISTO.
Amado irmão, Deus o Espírito Santo garante a você a presença de Jesus Cristo e do Pai com você e em você até a consumação dos séculos… até a volta gloriosa de Jesus Cristo, quando pelo poder do Espírto Santo seremos transformados e levados ao ao encontro do Nosso Amado Senhor e Salvador no céu!
Então, como você pode se sentir solitário diante dessa palavra de Jesus? Como podemos nos deixar se perturbar com os contratempos e conflitos nesse mundo e com este mundo?
Meu amado irmão, você como membro da Igreja, pela palavra de Cristo, confessa: “Creio em Deus o Espírito Santo! Creio que Ele foi dado também a mim! Creio que Ele está em mim e me faz participante dos benefícios de Cristo”! Creio nisto e tenho nisto o meu consolo! Creio que Deus o Espírito Santo nunca me deixará!
Meu Amado irmão, você crê em tudo isto, então, no meio da sua solidão, suas tribulações, no meio das suas tentações, no meio da sua luta contra Satanás e contra o mundo anticristão não se sinta desamparado, desprotegido, órfão! Mas, lembre-se e se agarre nas palavras de Jesus e confesse “Creio no Espírito Santo”!
Essa confissão lembrará a você que Deus o Espírito Santo vive em você! E assim, no momento da tribulação, você será lembrado que Jesus Cristo, o Nosso Senhor, Aquele que venceu o mundo anticristão, que venceu o pecado e a morte em favor dos Seus eleitos, que está a direita de Deus está com você e EM você!
Deus chama você a se consolar com esse Evangelho revelado nas palavras de Jesus e confessado no Catecismo. Deus o Espírito Santo chama você:
Siga Avante! Prossiga na caminhada, meu amado irmão, com alegria e consolado no coração, pois Deus o Espírito Santo vive em você. E LEMBRE-SE onde Deus está NÃO HÁ SOLIDÃO, MAS HÁ CONSOLO E FARTURA DE ALEGRIA! … Amém.

O SENHOR DEUS começa a revelar Sua justiça e salvação aos gentios

Sermão preparado pelo Rev. Adriano Gama sobre Jonas 1.7-16

Leitura: Jonas 1.1-16
Texto: Jonas 1.7-16

Amada Congregação do Senhor Jesus,

O livro de Jonas é um livro cheio de ATITUDES. Atitudes de um profeta rebelde ao Seu chamado. Mas, ACIMA de todas atitudes estão AS ATITUDES do SENHOR Deus!
E nas atitudes de Deus é que a Igreja deve prender a sua atenção, pois Deus no Livro de Jonas mostra nas Suas ações que Ele é o Rei Soberano que quer manifestar a Sua MISERICÓRDIA E SALVAÇÃO ÀS NAÇÕES!
Atitudes falam alto. E tem um ditado que diz que elas falam mais alto que Palavras. Então, temos no Livro de Jonas palavras que mostram as atitudes de Deus para nossa salvação:
Um Deus que envia um profeta aos gentios. Um Deus que vence a rebelião desse profeta e cumpre Seu desejo de manifestar misericórdia e justiça aos gentios. Um Deus que nas atitudes de rebeldia de Jonas, mostra o perigo que a Igreja tem de ser soberbamente zelosa ao ponto de ser forçada a cumprir seu ofício no mundo.
Sendo assim, chamo você a ouvir a mensagem de Deus no Livro de Jonas. A mensagem no seguinte tema:

O SENHOR DEUS começa a revelar Sua justiça e salvação aos gentios:

Revelação que vem através de Jonas
Revelação que salva os marinheiros da ira de Deus

1. O SENHOR DEUS começa a revelar Sua justiça e salvação aos gentios: Revelação que vem através de Jonas

Amados irmãos, a leitura que fizemos mostra que os marinheiros estavam tomados de pânico por causa da grande tempestade (vs. 1-5). Eles já tinham despertado o dormente Jonas, que de cansado dormia no fundo do navio no meio da tempestade. Os marinheiros temiam a perdição (v.6).
Os marinheiros tinham plena consciência desde o início que por causa de um todos estavam sofrendo o mal (veja o v.7: o texto diz por causa de quem)! Por isso, no meio do sufoco os marinheiros gentios recorrem aos seus deuses para saber quem deles era o culpado daquela tempestade violenta que os ameaçava de perdição.
Meus amados irmãos, todos pagam o pato quando um erra! Este parece ser um pensamento impresso na mente do homem, mesmo se este homem não tenha consciência da Lei de Deus e da Sua Aliança.
Por isso, o homem sempre busca um culpado para explicar uma catástrofe, ou uma pestilência ou fracasso de um plano. Veja quando algo de ruim acontece na vida de um descrente ele logo pergunta: O que fiz para merecer esse mal? O que fiz de errado?
Mas, este sentimento de culpa ou que há um culpado pelo mal vem da semente divina no homem. Esta semente consegue levá-lo a ver na criação a justiça e ira de Deus sobre os homens pecadores. A Escritura diz em Rm 1.18-20, que a ira de Deus e todos os atributos de Deus podem ser percebidos na criação.
Por isso, aqueles marinheiros foram levados pela tempestade a perceber a ira de Deus e a procurar o culpado por aquele mal. E Deus, pela providência, revelou quem era o culpado.
E como a providência de Deus agiu? O texto diz que eles chamaram uns aos outros e lançaram sortes (veja o v. 7): “Vinde, e lancemos sortes, para que saibamos por causa de quem nos sobreveio este mal”.
O lançar sorte era uma prática comum nas nações pagãs e até no meio do povo de Deus, pois Deus estabeleceu em Israel o lançar sortes para revelar a Sua vontade quanto alguns assuntos específicos (veja em casa Lv 16.9; Lv 33.54; Ne 10.34,35). E no NT vemos os apóstolos usando o lançamento de sortes uma vez para resolver quem dentre Matias e José seria um apóstolo (At 1.26).
Os marinheiros usaram o lançamento de sortes para saber quem era o culpado de todo aquele mal. Eles acreditavam que teriam uma resposta. E resposta chegou, pois a sorte lançada revelou o culpado… A sorte caiu sobre Jonas (v.7). O livro de Provérbios diz que a sorte é lançado ao regaço, mas do Senhor procede toda decisão (Pv 16.33).
Deus na Sua providência usou a atitude supersticiosa dos marinheiros para revelar a rebeldia de Jonas contra Deus. O que acontece com Jonas é uma lição para a Igreja.
Meus irmãos, Jonas pensou que poderia fugir de Deus, mas Deus manda uma tempestade violenta. Jonas pensava que no meio de gentios estaria escondido, mas Deus pela providência usa os gentios para revelar que Jonas era o culpado pelo mal.
Meu irmão, não há como fugir e se manter escondido de Deus. Deus revelará numa hora ou noutra os pecados que cometemos contra Ele. Por isso, não adianta fugir, nem se esconder, pois o nosso pecado será revelado quando menos esperarmos e por meio de coisas que nem imaginamos. Isto aconteceu com Jonas!
Meus irmãos, especialmente as crianças, prestem atenção: … Você pode imaginar os marinheiros molhados pela tempestade, tremendo de frio e medo, olhando para o desconhecido que acabara de ser acordado? Eles olhavam para Jonas a quem a sorte indicava como o culpado de todo mal… que situação desconsertante para um profeta de Deus.
Meus irmãos, como é desconsertante para um crente ser desmascarado em sua rebeldia contra Deus por pessoas descrentes e que não conhecem ao Senhor. Acho que ninguém aqui deseja passar por algo parecido.
Por isso, o bom é sempre cumprirmos o nosso ofício para com Deus e honrar nossa posição de servos de Deus, para que o nome de Deus não seja blasfemado e não passemos por vergonha como aconteceu com Jonas.
E veja o v. 8: Os marinheiros dirigem a palavra a Jonas e lhe ordena: “declara-nos, agora, por causa de quem nos sobreveio este mal. Que ocupação é a tua? Donde vens? Qual a tua terra? E de que povo és tu?
As perguntas feitas a Jonas pelos marinheiros são normais a um desconhecido que é pego por num crime dentro de um navio. Mas, mesmo assim, veja como Deus envergonha Jonas, pois as perguntas dos marinheiros levarão Jonas a confessar com sua boca o seu erro. …
Agora veja o v. 9 e compare as respostas de Jonas com as perguntas dos marinheiros: Parece que Jonas quer enrolar, pois ele começa a responder de trás para frente as perguntas feitas pelos marinheiros. Isto é normal, pois para pecarmos não fazemos rodeio, mas pecamos logo. … Porém, para confessar nosso pecado é outra história… ficamos travados, parece que não entendemos bem as perguntas que ajudarão nossa confissão ser feita e … a nossa língua parece estar enrolada dentro da boca.
Mas, mesmo assim, Jonas começa a responder. A primeira resposta de Jonas responde as três últimas perguntas dos marinheiros:
Jonas diz que é hebreu. Esse era o modo de um israelita falar de si mesmo a um estrangeiro ( veja em casa por exemplo: Gn 40.15; 9.1,13). Esta resposta identifica Jonas ao povo de Deus, Israel, pois os gentios conheciam os israelitas como Hebreus.
Agora uma coisa interessante: a segunda resposta de Jonas fala acerca do Deus a quem ele serve. Mas, olhe as perguntas dos marinheiros no v. 8. … Eles perguntaram quem era o Deus de Jonas em algum lugar? Não! Então, por que Jonas fala do Deus da Aliança?
A resposta é: Jonas quer responder qual é a ocupação dele. Jonas falou quem era o seu Deus e isto era o mesmo que falar qual era a sua ocupação, seu ofício. Jonas diz: “eu sou um temente a Yahweh, o Deus do céu, que fez o mar e a terra seca”. Assim Jonas responde aos marinheiros qual era a ocupação dele.
Saiba que os judeus que traduziram o Antigo Testamento para o grego deram ao v. 9 este sentido, pois assim está escrito na Septuaginta: “E [Jonas] respondeu a eles: Servo do senhor eu sou e ao senhor Deus do céu eu adoro, aquele que fez o mar e a terra seca!
Meus amados irmãos, as palavras de Jonas sobre Deus e que ele era um temente adorador apontaram para o seu ofício. Jonas não tem como negar que era um profeta do SENHOR mesmo estando em profunda rebeldia contra o ofício e o Deus que o ordenou.
Agora, você pode imaginar um servo do Senhor e um temente a Deus, que não tem um coração disposto para servir nem que mostra temor pelo Senhor? Isto não combina! Jonas caiu numa contradição vergonhosa diante dos gentios, pois o Zelo dele era sem amor.
Amados irmãos, devemos tomar muito cuidado para não sermos soberbamente zelosos, ou seja, zelosos sem amor ao ponto de contrariar o ofício que Deus nos deu e a vontade revelada de Deus para nós!
Se cairmos num zelo soberbo, com toda certeza, Deus nos disciplinará e passaremos vergonha diante dos homens. Veja Jonas e veja Israel que tinham tanto zelo, porém, sem amor e até hoje são monumentos vergonhosos diante dos gentios!
Meu irmão e ouvintes, o Zelo que tenho para servir a Deus não deve ser conforme minhas idéias, por melhor que estas idéias pareçam ser aos meus olhos! Entenda que suas idéias zelosas não podem ser a senhora de sua vida.
Saiba que o Zelo só é bom quando é feito com entendimento da misericórdia de Deus para com todos os homens, especialmente, para com a Igreja. Assim o Zelo é edificante, pois é feito em submissão à vontade de Deus revelada!
Meu irmão, Jonas, um servo do SENHOR, um profeta, e um adorador de Deus estava cego por seu zelo soberbo e, por isso, foi envergonhado diante dos gentios. Deus fez isto por amor e misericórdia a Jonas e aos gentios.
A Escritura diz que Deus não deixa de disciplinar a quem ama, Deus, resolve envergonhar Jonas e mostrar sua glória. Como? Deus leva Jonas a confessar sua culpa e, ao mesmo tempo, manifestar Sua glória e Sua Soberania a Jonas e aos gentios que com ele estavam. … E isto nos leva ao segundo ponto do sermão:

2. O SENHOR DEUS começa a revelar Sua justiça e salvação aos gentios: Revelação que salva os marinheiros da ira de Deus

Veja o verso 10: Os marinheiros já tinham consciência que o que acontecia era a ira de um deus, mas agora eles são ensinados por Jonas que eles provam a IRA DO DEUS TODO-PODEROSO, Deus do Céu, criador do mar e da terra seca!
Então, quando Jonas confessa seu crime contra Deus os marinheiros são tomados de mais medo ainda, pois o texto fala de um grande temor os possuiu (veja o v. 10)!
E nesse grande terror eles perguntarem a Jonas: “que é isto que fizeste? Note que os gentios percebem a tamanha rebeldia de Jonas em tentar afrontar e fugir de um Deus tão soberano. Os marinheiros percebem que vão perecer juntamente com Jonas.
Porém, Deus mostra a Jonas e a Igreja que Seu plano de manifestar sua misericórdia e a Salvação aos gentios prevalece sobre o zelo soberbo de Jonas e de Israel (veja o v. 11).
O que os marinheiros gentios fizeram? Eles pedem que Jonas diga o que eles devem fazer para serem salvos da ira do SENHOR Deus. E o que Deus fez Jonas fazer? (veja o v. 12)
Deus forçou Jonas ver que é Seu desejo que um hebreu ensine o caminho da salvação para os gentios (veja o v. 12). Sabe o que Deus com isso ensina a Jonas e a igreja de todas as épocas? O papel da Igreja no plano da Redenção das nações.
Deus mostra a Jonas o papel mediador e profética da Igreja. É vontade do SENHOR Deus usar a Sua igreja para falar aos gentios o caminho para serem salvos da perdição!
Essa é uma das mensagens dentro do Livro de Jonas. O SENHOR Deus mostra o papel da Igreja para levar a mensagem de Salvação aos gentios! O SENHOR Deus diz a Abraão: Em ti serão benditas todas as famílias da terra! E na história da redenção o SENHOR Deus usou, usa e usará a igreja no seu ofício mediador e profético para anunciar a salvação aos gentios! Então, Jonas, como profeta de Yahweh, e Israel não podiam negligenciar seu ofício.
E hoje quem faz o papel mediador e profético para as nações? É a igreja cristã! A Igreja de Cristo que, por Cristo e em Cristo, tem seus ministros como profetas e é o atual Israel de Deus. Essa igreja não pode negligenciar seu ofício de falar as nações o caminho para Salvação da Ira de Deus!
A Igreja de Cristo deve ir às nações por meio do Ministério da Palavra para proclamar a todos que o Caminho para eles serem salvos do furioso mar da Ira de Deus é crer no sacrifício de um hebreu!
– Agora… De que hebreu? De Jonas? … Não, Jonas não podia nem se salvar, pois ele era um pecador, causador da ira de Deus e merecedor da perdição!
O hebreu que é o sacrifício para nossa salvação É JESUS CRISTO! Jesus Cristo, segundo a carne, É um hebreu.
O Evangelho diz que Jesus foi lançado para dentro do mar da Ira de Deus como sacrifício para salvar a todo aquele que nEle crê! Assim, Jesus Cristo foi o hebreu sacrificado para salvação de homens, mulheres e crianças “que procedem de toda tribo, língua, povo e nação” (Ap 5.9).
O que aconteceu com Jonas e os marinheiros gentios naquele barco é uma verdadeira mensagem de Deus para todos, especialmente, para a Igreja. Deus garante que sempre vai prevalecer e vai fazer a Igreja cumprir o seu ofício mesmo que tenha que forçá-la a isto como fez com Jonas!
Deus forçou Jonas a ver que é Seu desejo que um hebreu seja o mediador entre Deus e os gentios. … Deus forçou Jonas a ver que é Seu desejo que os gentios sejam instruídos por um hebreu! … Deus forçou Jonas ensinar aos gentios que o sacrifício de um hebreu é que fará a justiça de Yahweh ser satisfeita!
Isso tudo aconteceu lá nos dias de Jonas, para nos instruir hoje qual o nosso papel como igreja no mundo! Para nos levar a lutar contra o Zelo Soberbo e cumprirmos a vontade de Deus para salvação prometida na Aliança em Cristo chegue às nações.

Concluindo:

E o que os gentios fazem quando ouvem a instrução de Jonas? Eles não obedecem a instrução de Jonas! Eles parecem que não creram que o sacrifício de Jonas seria o pagamento para justiça de Deus e para salvação deles. E os marinheiros gentios tentaram se salvar com suas próprias forças (v. 13). Isto é importante para notarmos… Veja a atitude dos gentios. E diga: Qual a diferença entre a atitude de Jonas e a atitude dos gentios diante da instrução recebida?
Meu irmão, veja que tanto Jonas como os gentios não mostraram submissão as instruções de Deus. Isto mostra que tanto hebreus como gentios (em si mesmos) são farinha do mesmo saco, quando o assunto é se submeter a revelação da justiça de Deus!
O homem seja judeu ou gentio sempre quer colocar suas idéias de justiça e salvação acima da revelação de Deus. E o que acontece sempre? Judeus e gentios vão quebrar a cara e perecerão se não se submeterem a revelação de Deus.
Agora, veja no v. 13 a atitude soberana e misericordiosa de Deus: Deus fez o mar ficar mais tempestuoso ainda ao ponto de dobrar a vontade dos gentios e levá-los a crer nas palavras de Jonas.
E qual a conseqüência quando o homem (judeu ou gentio) é dobrado e levado a obedecer e a se submeter a vontade de Deus a Sua justiça? … A resposta é: SALVAÇÃO! Os gentios são convencidos por Deus a crerem nas palavras de Jonas (vejam os vs. 14-16).
Os marinheiros oraram a Deus (v. 14), reconheceram a justiça de Deus e Sua soberania como Juiz de todas as almas. Eles, não viam a culpa de Jonas, mas confiam na revelação de Deus manifestada na sorte lançada. Então, pela Fé na palavra de Jonas tomam e lançam Jonas ao mar furioso. E logo a ira de Deus é satisfeita, pois o mar se acalma.
E qual a conseqüência da fé? Os marinheiros gentios são salvos da Ira de Deus, temem grandemente ao SENHOR Deus da Aliança, oferecem a Ele sacrifícios e fazem votos. A atitude dos marinheiros gentios mostram arrependimento e conversão ao Deus da Aliança.
Meu amado irmão, a mensagem de Deus no Livro de Jonas chama a Igreja a cumprir o seu chamado mediador e profético de anunciar a Salvação ao mundo. O SENHOR Deus é Soberano e garante a execução do Seu plano de Salvação para as nações!
Você como membro da igreja não deve esperar Deus forçar você a fazer seu papel. Você por gratidão a Deus deve fazer seu papel para que a igreja cumpra seu ofício mediador e profético no mundo:
Se você é oficial, então, cumpra seu ofício com zelo amoroso e submisso a vontade de Deus, para salvação daqueles que estão em perigo de perdição eterna. … Se você é membro, então, disponha com alegria e amor seus dons a Deus, para que Ele use o ministério da Palavra e assim proclame ao mundo a Salvação, por pura graça, somente pela Fé no Sacrifício de Jesus Cristo.
Esse CHAMADO pode ser visto na Atitude de Deus para com Jonas e para com marinheiros gentios. …
Então, comece agora a ser um instrumento para Deus revelar sua misericórdia e justiça em Cristo ao mundo perdido! Cumpra com alegria e disposição o ofício que Deus deu a você, para que muitos por meio de você ouçam a instrução para Salvação em Cristo Jesus e, pela Fé, por pura graça, sejam salvos. Amém.

sábado, 13 de junho de 2009

Jesus Cristo doa Seu Espírito Aos Samaritanos

Sermão preparado pelo Rev. Adriano Gama sobre At 8.14-25

Texto: At 8.14-25
Leitura: Jo 4.19-30,39-42; At 8.1-25;


Amada congregação do Senhor Jesus Cristo,

Jesus Cristo disse aos apóstolos (At 1.8): “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.”
Esta Palavra do Senhor deve nos orientar quando lemos o Livro de Atos, pois os eventos nele registrados confirmam a verdade dessas palavras de Jesus ao Seus apóstolos.
E a passagem que lemos mostra a chegada do Evangelho em Samaria. A região de Samaria faz parte do Segundo estágio do plano de expansão da mensagem do Reino de Cristo na terra.
E, por isso, Jesus Cristo quer marcar de modo extraordinário a Sua chegada em Samaria, mostrando o Evangelho e operando coisas incomuns como milagres e até a doação do Espírito Santo após a conversão. Isto vemos em Samaria quando Pedro e João chegam em uma das cidades dessa região. E aqui nesta passagem proclamo a vocês o Evangelho da Graça de Deus no seguinte tema:

Jesus Cristo doa Seu Espírito aos Samaritanos

E dentro na pregação veremos três pontos:

Faz isto por meio dos Apóstolos
Confirma o fim de uma separação secular
E Fortalece a mensagem do Evangelho


1. Jesus Cristo doa Seu Espírito aos Samaritanos: Ele faz isto por meio dos Apóstolos

Pela perseguição nos dias da morte de Estevão o Evangelho é espalhado, pois os cristãos “iam por toda parte pregando a Palavra” (At 8.4). E Filipe, o diácono-evangelista, na sua caminhada proclamou a uma cidade de Samaria o nome de Jesus Cristo e a pregação dele foi acompanhada de muitos sinais poderosos: expulsão de demônios e curas.
E o resultado da pregação de Filipe foi que multidões de samaritanos “atendiam, unânimes, às coisas que Filipe dizia, e iam sendo batizados e estavam cheios de alegria”!
Uma grande obra de Jesus Cristo estava sendo feita naquela cidade de Samaria e uma igreja samaritana alegre nascia naquele lugar!
E esta notícia impressionante chegou aos ouvidos dos Apóstolos em Jerusalém. E o v. 14 diz que os Apóstolos em Jerusalém enviaram Pedro e João até Samaria. Agora para que Pedro e João foram enviados à Samaria?
Os Apóstolos enviaram Pedro e João para confirmar a obra de Jesus Cristo no meio dos samaritanos. E é bom você lembrar de algumas coisas do tempo que os apóstolos viveram:
Lembre-se que o tempo dos apóstolos era um tempo diferente dos nossos dias, um tempo entre o Antigo Testamento e o Novo Testamento, um tempo onde a igreja cristã provou coisas extraórdinárias e na prática descobria acerca da obra de Jesus Cristo: havia os apóstolos, a Escritura estava sendo dada, havia sinais poderosos ocorrendo dentro e fora da Igreja.
Lembre-se quem eram os samaritanos: um povo misto (meio judeu meio gentio), com uma religião também mista (meio judia meio pagã), um povo estranho a Aliança e abominado pelos judeus há séculos.
Lembre-se que a igreja cristã naquele momento era formada por Judeus. Os Apóstolos eram judeus e os cinco mil que se converteram em Pentecostes e nos dias que se seguiram também eram judeus e prosélitos do judaísmo.
Então, imagine-se naquela época e dentro desse contexto: Chega a notícia: Os Samaritanos receberam a Jesus Cristo! … Bem, seria natural pensarmos: Temos que ver isto de perto!
Quando os Apóstolos ouviram que uma igreja samaritana estava surgindo nada mais normal do que confirmar essa história. … E assim se fez: Os Apóstolos Pedro e João são enviados à Samaria como representantes dos demais apóstolos para verem se era verdade o que tinham ouvido em Jerusalém.
E parece que Pedro e João de fato viram que era verdadeira a conversão dos samaritanos, pois quando chegam na cidade onde havia a igreja samaritana, então, eles não pregam para o povo. Os Apóstolos oram para que os cristãos samaritanos recebessem o Espírito Santo! (v. 14).
Os samaritanos daquela cidade provaram algo incomum as demais experiências de conversão em Cristo após pentecostes.
O padrão da Escritura é que o Dom do Espírito Santo após pentecostes é dado a todo aquele que crer em Cristo (veja At 2.37-39; 11.16-18 e Ef 1.13). Mas, A Escritura registrada que os samaritanos foram os únicos que não receberam o Espírito Santo no momento que creram em Cristo (v. 15-17). Isto é um acontecimento incomum operado pela Providência de Deus.
Amados irmãos, acontecimentos incomuns são normais no Livro de Atos. O que temos em Atos não é um manual de reivindicação das operações de Deus para os nossos dias. Mas, o Livro de Atos são os registros de acontecimentos de um período especial da redenção cheio de coisas incomuns, para mostrar a Soberania de Jesus como o Cristo Salvador do Mundo!
Irmãos em Cristo, devemos ser humildes e nos contentar com essa explicação vinda do contexto do Livro de Atos e do resto da Escritura, para não cairmos nos mesmos erros dos romanistas e dos pentecostalistas que tentam explicar essa passagem falando de uma segunda unção do Espírito na vida dos cristãos.
O texto diz que Pedro e João oraram pelos samaritanos para que recebessem o Espírito Santo. Não sabemos como os Apóstolos descobriram que os samaritanos não tinham o Espírito Santo. Mas, podemos saber a razão da atitude dos Apóstolos em orar para que os samaritanos recebessem o Espírito Santo. Essa atitude dos Apóstolos Pedro e João era para confirmar de modo incontestável coisas importantes:
Primeira, o acontecimento do recebimento do Dom do Espírito Santo marca o começo do segundo estágio da proclamação do Evangelho, ou seja, o testemunho de Jesus Cristo em Samaria.
Filipe tinha pregado o Evangelho de Jesus Cristo em Samaria. Mas, Jesus Cristo quis através dos Apóstolos doar o Espírito, para manifestar sem dúvida alguma que Ele está cumprindo Sua promessa de levar Sua glória de Jerusalém, através da Judéia e Samaria até chegar aos confins da terra!
E note que o livro de Atos mostra que Jesus Cristo marcou os estágios da proclamação do Evangelho, doando o Espírito Santo de modo incomum. Isto era o testemunho dele para e dos Apóstolos: o Espírito Santo é dado a todo que crê em Jesus Cristo, independentemente, da raça e do local do homem: seja Samaritano, gentio ou dos confins da terra (leia em casa At 10.1-48; 11.1-18; 19.1-7).
Segunda coisa importante, o Doar do Espírito em Samaria serviu para confirmar de modo incontestável a salvação daqueles samaritanos. Quem poderia questionar a salvação dos Samaritanos? Eles receberam o Dom do Espírito Santo! Isto era o selo que autenticava a obra de Jesus Cristo em Samaria.
Agora, ninguém (nem mesmos os Apóstolos em Jerusalém) poderia negar que aqueles samaritanos, em Cristo, foram colocados na Aliança de Deus e foram feitos, pela Fé em Cristo, co-herdeiros da PROMESSA de Abraão: o Espírito Santo.
Jesus Cristo, por meio dos Apóstolos, estava testemunhando que naquela cidade de Samaria uma igreja surgiu, um templo do Espírito Santo foi construído e que ali Deus estava constituindo adoradores, que o adorariam em Espírito e em Verdade. Jesus Cristo do céu confirmou suas palavras aos Samaritanos através dos Apóstolos Pedro e João.
E este doar do Espírito Santo aos samaritanos tinha uma consequência prática para a Igreja Cristã que se iniciava:
Jesus Cristo deixou muito claro que uma barreira centenária, POR CRISTO E EM CRISTO, havia sido arrancada entre judeus e samaritanos! O dom do Espírito Santo dado aos samaritanos mostra que cristãos judeus e samaritanos em Cristo SÃO UM SÓ POVO E PARTICIPAM DO MESMO ESPÍRITO!
Não há lugar para separação entre aqueles que provam do Espírito Santo! Especialmente separação alimentada por preconceitos de raça ou mágoas!
Os judeus e samaritanos há séculos alimentavam preconceitos e mágoas uns contra os outros, mas depois do Dom do Espírito ser dado a ambos esta separação preconceituosa devia sumir!
Meu irmão em Cristo, não posso alimentar nenhum preconceito contra ninguém, especialmente, contra meus irmãos em Cristo. Não devo deixar meus preconceitos me afastar daqueles que em Cristo Jesus participam do mesmo Dom: O Espírito Santo.
É contrário a Fé em Cristo e ao Batismo com o Espírito Santo irmãos viverem separados uns dos outros por causa de preconceitos pecaminosos. Veja o que Jesus Cristo fez com a igreja de Jerusalém e de Samaria e pense: Tenho alimentado algum tipo de separação preconceituosa contra alguns dos meus irmãos em Cristo? Tenho vivido a comunhão no Espírito Santo com todos os meus irmãos sem distinção? … São importantes essas perguntas para nos ajudar a viver o Dom do Espírito Santo.
A terceira coisa importante é que o Espírito Santo não chama atenção para o tipo de sinal que foi usado para marcar o recebimento do Dom do Espírito Santo. Procure no texto o sinal que mostrou o recebimento do Espírito Santo.
Você achou? Não? … O texto não diz o que marcou o doar do Espírito Santo. O texto mostra que algo sinalizou o recebimento do Espírito, pois Simão notou que algo maravilhoso acontecia pela imposição das mãos dos Apóstolos (At 8.18): “talvez idiomas foram falados ou sinais vindos do céu, talvez profecias foram proclamadas. …” mas não interessou a Deus registrar o tipo de sinal que sinalizou o Doar do Espírito.
Por que Deus não se importou em registrar o sinal? O Espírito Santo não quis dar ênfase ao tipo de manifestação, para direcionar sua atenção para o mais importante que é mostrar que JESUS CRISTO FEZ OS SAMARITANOS PARTICIPAREM DA PROMESSA DADA A ABRAÃO: O Dom do Espírito Santo!
Meu irmão, a Igreja não deve dar tanta ênfase aos sinais do Espírito ao ponto de não enfatizar a mensagem do Espírito Santo que aponta para Jesus Cristo o Rei, o Salvador e doador do Espírito Santo para seu povo!
O Espírito Santo em Atos não quer ensinar a igreja a buscar sinais e maravilhas. O Espírito Santo em Atos quer mostrar a mensagem que Jesus Cristo é o Salvador do Mundo. Os sinais e prodígios são coisas secundárias no Livro de Atos, para FORTALECER A MENSAGEM DO EVANGELHO DA GLÓRIA DE CRISTO.
Veja em todo texto que os sinais manifestam a Mensagem de Cristo. E note o último texto da passagem (v. 25). A ênfase estão em sinais ou maravilhas? Quais as palavra que saltam aos seus olhos no v. 25? A resposta é: “Eles [os apóstolos], porém, havendo testificado e falado a palavra do Senhor, voltaram para Jerusalém e evangelizavam muitas aldeias dos samaritanos”.
Você pode ver que o Espírito Santo mostra que o ministério dos Apósotolos era testemunhar e falar a Palavra do Senhor, ou seja, a Palavra de Jesus Cristo, evangelizando os samaritanos com essa Palavra!
Podemos ver, na ênfase dada a pregação e evangelização no v. 25 e na ausência da citação de sinais miraculosos, uma indicação que o acontecimento de orar para o recebimento do Espírito Santo parece ter ocorrido somente naquela primeira cidade dos samaritanos; e não mais nas demais aldeias da região de Samaria.
Isto mostra como foi extraordinário o que aconteceu na cidade em Samaria e mostra que após a saída dos apóstolos o que era manifestado nas outras aldeias era a Palavra de Jesus Cristo que prometia salvação também aos samaritanos!
Meus irmãos, devemos aprender que pessoas que vivem enfatizando sinais maravilhosos não seguem o objetivo do Livro de Atos. E, além disso, são alvos fáceis para o engano de Satanás, caem no pecado da superstição e de não enfatizar a Jesus Cristo como Salvador e Rei da Igreja. Veja toda superstição de Roma e dos pentecostalistas que são fruto da ênfase em sinais e símbolos em diminuição da mensagem de Salvação em Jesus Cristo.
Veja o exemplo de Simão, o Mágico, este homem estava buscando os sinais e maravilhas, especialmente, o poder de doar o Espírito Santo pela imposição de mãos. Simão não tinha colocado o seu coração na mensagem do Evangelho. Simão, por sua ganância, não entendeu o Evangelho da Graça de Deus em Cristo Jesus. O que Simão queria era operar sinais maravilhosos e se apropriar do Dom de Deus, por suas obras, por seu dinheiro espúrio (At 8.18,19).
Por isso, não dê ênfase nem fique buscando sinais maravilhosos e se apropriar do Dom de Deus por meios espúrios, mas dê enfase e busque a mensagem do Evangelho da Glória e da Graça de Cristo revelado na Escritura! Somente este Evangelho que Glorifica Jesus Cristo e que mostra a Graça de Deus e que livrará você de todo engano de Satanás e manterá você fiel ao Senhor Jesus Cristo.

CONCLUSÃO:

Concluo este sermão lembrando a você as palavras do Apóstolo Pedro no Dia de Pentecostes, quando ele disse aos judeus em Jerusalém (At 2.38,39):
“Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. Pois para vós outros é a promessa, para vossos filhos e para todos os que ainda estão longe, isto é, para quantos o Senhor, nosso Deus, chamar”.
Sendo assim, todo aquele que CRER E FOR BATIZADO será salvo… todo aquele que invocar o Nome do Senhor será salvo! Essa é a mensagem de salvação real. Por isso, todos que ouvem o Evangelho, arrependem-se e são batizados podem ter a certeza da Salvação em Cristo e do recebimento do Espírito Santo!
Agora, note o que digo à Luz da Escritura: Todo aquele que SE ARREPENDE e NÃO SOMENTE TODOS OS QUE SÃO BATIZADOS! Por que enfatizo isto? Por causa do Samaritano Simão.
Simão havia entrado na igreja e o texto diz que ele “abraçou a fé” e foi batizado por Filipe e provou os dons do mundo vindouro, mas não se arrependeu dos seus pecados de mágia e engano (At 8.9-13). Simão de fato era um hipócrita enganador. E isto se manifestou quando Simão tentou adquirir o ofício apóstólico, o dom de Deus, por meio do dinheiro (At 8.19,20).
Simão pensava que poderia enganar a Deus guardando em seu coração sua hipocrisia. Mas, o ímpio não permanece na congregação dos santos. E isto aconteceu com Simão. Jesus Cristo cuida da Sua Igreja Samaritana, por isso, o Apóstolo Pedro revela a intenção malígna de Simão, o repreende e o condena (At 8.20-23). Pedro, pela pregação, fecha o Reino de Cristo para Simão, pois suas obras não mostravam arrependimento e assim não tinha a fé verdadeira!
Meu amado irmão em Cristo, o batismo é um selo real e o Espírito Santo o usa para fortalece a Fé dos eleitos nas promessas de Salvação. Porém, esse batismo deve ser acompanhado por obras de arrependimento! Simão tinha o batismo, mas não mostrava obras que correspondiam ao batismo no Nome de Jesus, ou seja, o batismo cristão.
Pergunto a você: Você vive o seu batismo em Jesus Cristo? Qual seu interesse em buscar Cristo? O que leva você permancer como membro na Igreja de Cristo?
Meus amados irmãos, devemos ver que pessoas podem entrar na igreja através do batismo, mas sem de fato serem convertidas a Jesus Cristo! … Simão é um exemplo que mostra a você que pessoas podem ser batizadas e ao mesmo tempo viver em hipocrisia e estar na igreja buscando a sua autopromoção!
Devemos tomar muito cuidado e observar se na igreja tem pessoas que querem adquirir os dons de Deus para se autopromoverem. Simão é um alerta que batismo e o desejar o poder de Deus não é a marca principal do cristianismo autêntico, mas o que de fato mostra uma vida sincera em Jesus Cristo é o arrependimento dos pecados, uma vida que mostre conversão, uma ruptura com as práticas pecaminosas do passado!
Pergunto a todos: O que faz você estar na igreja? O que faz você se interessar pelo Evangelho e pelas doutrinas bíblicas? O que leva você almejar os ofícios? O quanto a sua vida mostra coerência com o batismo cristão que você recebeu quando criança ou adulto? O Espírito de Cristo se mostra em você através das suas obras?
Meu amado irmão, Jesus Cristo deseja que você viva o batismo que você recebeu dEle. Jesus Cristo chama você a viver o Dom do Espírito Santo. O mesmo dom que foi doado por Jesus Cristo, pelas mãos dos Apóstolos, aos Samaritanos há muito tempo atrás. Por isso, viva sinceramente o Evangelho da Glória de Cristo.
Amém.

No Pentecostes a Igreja ficou cheia do Espírito Santo

Sermão preparado pelo Rev. Adriano Gama sobre Atos 2.1-4 por ocasião do Dia de Pentecostes em 31 de maio de 2009.

Texto: At 2.1-4
Leitura: Lc 24.44-49; At 1.14; 2.1-41

Amada congregação do Senhor Jesus Cristo e visitantes,

No dia de hoje a Igreja Cristã comemora o Dia de Pentecostes. Um dia muito marcante, pois há dois mil anos atrás nessa mesma data a Igreja de Jesus Cristo foi enchida com o Espírito Santo.
E, lamentavelmente, devido as superstições de Roma e as heresias de certos movimentos chamados pentecostais o Dia de Pentecostes é um evento esquecido, desprezado ou deturpado pelos ditos cristãos.
Mas, é nosso papel como cristãos aprender da Escritura o que aconteceu há dois mil anos atrás no Dia de Pentecostes em Jerusalém, para podermos ser lembrados de quem é Jesus Cristo, nossa realidade em Jesus Cristo, nosso papel como igreja e nosso consolo prometido na Aliança.
Sendo assim, eu proclamo neste Domingo quando a Igreja de Cristo lembra o Pentecostes a mensagem de Deus no seguinte tema:

No Pentecostes a Igreja ficou cheia do Espírito Santo:

E ouviremos três pontos nesse tema:

Jesus Cristo prometeu esse encher
Jesus Cristo cumpriu Sua promessa
Jesus Cristo nisto é glorificado


1. No Pentecostes a Igreja ficou cheia do Espírito Santo: Jesus Cristo prometeu esse encher

O texto diz: “Ao cumprir-se o dia de Pentecostes”. O dia de Pentecostes era 50º dia após a Páscoa. Era um dia de comemoração estabelecido por Deus para ser lembrado pela Igreja no Antigo Testamento (Lv 23.15-21; Dt 16.9-11).
Também no decorrer no tempo a Festa do Pentecostes foi sendo considerada como a festa da renovação da Aliança (2 Cr 15.10-12 – essa renovação aconteceu no 3º mês dos judeus– Sivan – que é quando ocorre a festa) e um pensamento rabínico ligava a entrega da Lei no Sinai ao dia de Pentecostes (que também aconteceu no 3º mês).
Judeus e os convertidos ao judaísmo de todos os lugares iam a Jerusalém para ofertar as primícias ao Senhor Deus e adorá-lo no Templo. Um tempo de festa, de movimentação e alegria em Jerusalém, quando o Sumo-sacerdote tomava o primeiro molho retirado da colheita e oferecia ao Senhor Deus e a colheita se seguia com a Bênção do Senhor.
E foi neste tempo que algo de maravilhoso aconteceu em Jerusalém. Os primeiros cristãos estavam reunidos numa casa em Jerusalém, obedecendo e esperando o cumprimento das Palavras de Jesus Cristo.
Jesus Cristo havia prometido diversas vezes a vinda do Espírito Santo. Jesus Cristo antes da ascenção havia dado uma ordem e uma promessa ao Seus Apóstolos e discípulos. A ordem era que eles permanecessem em Jerusalém (Lc 24.49; At 1.4). E a promessa que Jesus Cristo lhes deu era que não muito depois daqueles dias os seus Apóstolos e discípulos seriam revestidos de poder, ou seja, seriam batizados com o Espírito Santo (At 1.5).
Note que Jesus Cristo sabia o momento que iria encher Sua igreja com o Espírito Santo, mas de propósito Ele não tinha dito a data específica (At 1.5). Então, o que aconteceu no Dia de Pentecostes era o que Jesus Cristo prometeu. Isto mostra que a vinda do Espírito Santo estava dentro da agenda divina de Jesus Cristo. Isto mostra o controle de Jesus Cristo sobre o plano da Salvação.
O Senhor Jesus Cristo é o Soberano da Salvação. Ele que diz quando e que segundo a Sua vontade executa suas promessas, independente, da ansiedade da Igreja.
E veja que a promessa de Jesus gerou certa curiosidade e ansiedade nos Seus discípulos (At 1.6,7). Muitas vezes ficamos curiosos e ansiosos quando Jesus Cristo irá cumprir plenamente Sua promessa: Quando Jesus virá nos buscar? Quando Ele porá fim nesta luta tremenda em minha vida contra o diabo, o mundo e a carne? Até quando tenho que esperar a restauração?
Mas, meu amado irmão, Jesus Cristo é Soberano e estabeleceu uma agenda! Não devemos achar que o nosso Senhor é tardio em Suas promessas. Jesus Cristo é fiel e cumprirá plenamente Suas promessas a Sua Amada Igreja. E, por isso, devemos orar e esperar com paciência e Fé o cumprimento da Palavra de Jesus em nossas vidas. Foi isto que os apóstolos e discípulos fizeram. Veja o verso 1: “estavam todos reunidos no mesmo lugar”.
Já havia se passado 10 dias que Jesus Cristo tinha subido ao céu. E a atitude dos discípulos mostrava obediência e fé na Palavra de Jesus Cristo. Eles estavam em oração, sentados e esperando o cumprimento da palavra de Jesus Cristo (eram 120 pessoas no total – At 1.15).
Agora note que essa obediência e fé eram manifestadas na comunhão dos santos. Os cristãos “estavam reunidos no mesmo lugar”. Isto não é apenas para dizer que eles estavam num mesmo local, mas é também para mostrar comunhão na fé que Jesus Cristo cumprirá a Sua promessa! A igreja é uma comunidade reunida por Jesus Cristo e unida pela Fé na Palavra de Jesus Cristo!
Assim os primeiros cristãos nos mostram que a Igreja deve peramecer únida na mesma fé, enquanto Jesus Cristo não cumpre plenamente Sua promessa.
Meus irmãos, Jesus Cristo prometeu encher Sua igreja com o Espírito Santo e no tempo certo, ao cumprir-se o Dia de Pentecostes, Jesus Cristo cumpriu Sua promessa… vamos para o segundo ponto da pregação.

2. No Pentecostes a Igreja ficou cheia do Espírito Santo: Jesus Cristo cumpriu sua promessa.

A igreja de Jesus Cristo estava reunida e unida na Fé. Foi quando Jesus Cristo subitamente cumpriu a Sua promessa. E o cumprimento da promessa mostrou a soberania de Jesus Cristo:
Veja o verso 2 que diz: “De repente …”, ou seja, “de modo inesperado” um som, de um vento forte, encheu toda a casa onde estavam assentados. Assim a igreja foi pega de surpresa!
Esse “De repente” mostra a soberania de Jesus Cristo. Não foram os Apóstolos e discípulos que disseram ou produziram a chegada do Espírito Santo: “chegou a hora de sermos cheios do Espírito Santo”.
A Igreja deve ser humilde e reconhecer que não é ela que comanda a operação do Espírito Santo. O Senhor Jesus Cristo quem age sobre a Igreja. Não é a Igreja que determina a hora de ser cheia do Espírito Santo. Mas, Jesus Cristo, o Soberano, que surpreendeu a Igreja, cumprindo a Sua promessa “de repente”!
A Soberania de Jesus Cristo é mostrada na repentinidade e pelos sinais maravilhosos vindos do céu. O texto diz que “veio do céu” um som como de um vento impetuoso e “línguas, como de fogo,” que “pousou uma sobre cada um deles”. O céu é de onde vem os sinais e isto mostra que a operação do Espírito não é do homem, mas da soberania de Jesus Cristo.
Veja como é diferente do que hoje se fala da operação do Espírito. Hoje muitas pessoas falam de sinais do Espírito e insistem no ministério de sinais e maravilhas. Porém, quando você ouve as mensagem dessas pessoas há uma tentativa de manipular o Espírito Santo, um homem é exaltado como grande e os sinais levam os homens a olharem para terra somente!
Mas, a Escritura diz que os sinais vieram “do céu”. Note que a chegada do Espírito Santo é marcada com sinais que levam a Sua Igreja a dirigir seus olhos para o Céu, ou seja, para o lugar onde Jesus Cristo foi recebido e está junto com Seu Pai.
Outra coisa no texto deve ser prestada atenção: Note que não foi um vento, mas o som de um vento muito forte que encheu toda a casa.
O primeiro sinal da chegada do Espírito Santo é percebido pelo ouvido. É pelo ouvido que a atenção dos discípulos é chamada para eles perceberem a chegada do Espírito Santo.
A Palavra “espírito”, “sopro” e “vento” muitas vezes na Escritura se escrevem da mesma maneira. A igreja ouve um som de um vento muito forte. E Deus na Escritura muitas vezes usa o símbolo do vento para mostrar o seu poder e a sua obra. Assim, o som de um vento forte mostra a Igreja que é Deus quem está operando naquele momento.
Agora é interessante que além do som como de um vento a igreja também viu algo. E o que foi visto pela igreja? Veja o v. 3: “e apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles”.
Os Apóstolos e discípulos estavam vendo “línguas, como de fogo”. Não eram sons, mas agora era a visão do órgão da fala, línguas! Essas línguas vistas não eram de fogo, mas “como de fogo”. O Fogo é um sinal que aponta para Deus, pois a Escritura muitas vezes usa o símbolo do fogo para mostrar o poder santificador, de juízo e da graça de Deus.
E note que estas línguas foram distribuídas entre os apóstolos e discípulos, pois “pousou uma sobre cada um deles”. A Escritura diz que o sinal das línguas pousou sobre cada um dos membros da igreja. Isto era um sinal que o Espírito Santo foi doado a todos os crentes num só momento. A igreja como um todo recebe o Espírito Santo.
Porém, isto não descarta a operação do Espírito Santo na vida de cada membro da Igreja, pois vemos que sobre cada um dos membros pousa uma língua. Isto mostra que Jesus Cristo distribuiu seu Espírito a cada membro da Igreja e não somente a alguns crentes, especiais.
Sabemos que há um ensino que o batismo com o Espírito Santo é um dom que somente alguns têm. Mas, isto não é conforme a Escritura.
Meus irmãos, assim Jesus Cristo cumpriu a Sua promessa no Dia de Pentecostes, mostrando sua fidelidade e soberania.
Agora uma pergunta: Por que o Espírito Santo usa os sinais de um som e da visão do órgão da fala? Isto deve nos chamar a atenção para quê? O que vem através do som e de uma língua? Será que não é a pregação do Evangelho de Jesus Cristo?
Meus irmãos em Cristo, é pelo som da pregação do Evangelho que Deus, o Espírito Santo, chama a sua atenção para o céu e para o Filho de Deus. É por meio da língua flamejante dos pregadores que Deus, o Espírito Santo, fala da Glória de Jesus Cristo aos homens e, por meio da Fé, salva pecadores! … E isto nos leva para o terceiro ponto:

3. No Pentecostes a Igreja ficou cheia do Espírito Santo: Jesus Cristo nisto é glorificado

O contexto mostra que os sinais maravilhosos vindos do céu para marcar a chegada do Espírito Santo apontam para pregação da Glória do Rei Jesus Cristo! Veja o v. 4: “todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito Santo lhes concedia que falassem”.
Jesus Cristo enche a Sua Igreja do Espírito Santo e qual a consequência? Ela começa “a falar em outras línguas, segundo o Espírito Santo lhes concedia que falassem”!
Nos últimos 100 anos tem sido pregado que a marca verdadeira do recebimento do Espírito Santo é o falar em línguas dos anjos. Mas, será que o texto nos mostra isto? Não! O texto nem fala de línguas de anjos!
As “outras línguas” faladas pela igreja no Dia de Pentecostes eram línguas da terra (veja At 2.5-11). As línguas eram das nações debaixo do céu. A lista dos povos compreendiam nações do oriente ao ocidente. Pela Escritura o Espírito Santo concedeu idiomas terrenos para a igreja falar às nações.
E, segundo o texto original, Lucas diz que todos … passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem”. O verbo traduzido como “falassem” descreve que os Apóstolos e discípulos falavam em alta voz e exortando a todos para ouvirem o que se falava!
E o que os cristãos em advertência falavam em alta voz? Era uma mensagem que foi entendida pelos povos que estavam em Jerusalém, pois o Espírito Santo concedeu línguas (idiomas) para que a Igreja falasse em alta voz e de modo solene as grandezas de Deus (At 2.11).
Assim, os sinais e o contexto de Atos mostram que idiomas foram uma das marcas do recebimento do Espírito Santo no dia de Pentecostes, mas que a principal marca do Dia de Pentecostes foi a pregação das grandezas de Deus! Não as línguas em si, mas a PREGAÇÃO tomou o lugar central no Dia de Pentecostes!
Veja que os Apóstolos e discípulos falavam em alta voz as grandezas de Deus e que o Apóstolo Pedro logo se levanta e começa a pregar Jesus Cristo, o Rei Soberano e Salvador do Mundo (2.14-47)!
No Dia de Pentecostes, o Dia da Festa das Primícias, Jesus Cristo estava renovando a Aliança e derramando Seu Espírito Santo sobre e na Igreja, e este ato foi marcado pela PREGAÇÃO DA PALAVRA EM DIVERSAS LÍNGUAS TERRENAS!
Meus irmãos, Jesus Cristo estava cumprindo as promessas do Antigo Testamento. E a pregação em pentecostes proclamava que o Espírito Santo seria dado a toda a carne e não somente aos judeus. A pregação proclamou que Jesus Cristo estava derramando o Espírito e isto mostrava Ele sendo entronizado à Direita de Deus, para dominar não somente Israel mas todas as nações!
No Dia de Pentecostes o Apóstolo Pedro prega (At 2.32-36): “A este Jesus Deus ressuscitou, do que todos nós somos testemunhas. Exaltado, pois, à direita de Deus, tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vedes e ouvis”.
Jesus Cristo em pentecostes e na pregação pentecostal verdadeira foi glorificado como o Rei Soberano que tem o poder de dar o Espírito Santo, ou seja, de batizar com o Espírito Santo a todo aquele que nEle crer (seja judeu ou não judeu)!

Conclusão:

Amados irmãos em Cristo, em Pentecostes a Igreja foi cheia do Espírito Santo para encher o mundo com a mensagem da Glória de Jesus Cristo, o Rei Eterno!
No dia de Pentecostes a igreja foi cheia do Espírito Santo para TESTEMUNHAR A GLÓRIA DE JESUS CRISTO! E ISTO A IGREJA FAZ PELO PODER DE DEUS, O ESPÍRITO SANTO! E este poder se revela no Evangelho, pois o Evangelho é poder de Deus para salvação de todo Aquele que crer em Jesus Cristo (Rm 1.16,17).
Jesus Cristo prometeu a Sua igreja (At 1.8): “mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda Judéia e Samaria e até os confins da terra”.
No dia de Pentecostes a Igreja foi cheia do Espírito Santo para em todas línguas proclamar de Jerusalém até os confins da terra que Jesus Cristo é o descendente de Davi, o herdeiro e doador da Promessa do Espírito Santo, que domina e dominará sobre todas as nações da terra!
Sendo assim, pela Escritura, o que é uma igreja que vive o Pentecostes? Uma verdadeira igreja que vive o PENTECOSTES é uma igreja que no poder do Espírito Santo TESTEMUNHA DE JESUS CRISTO EM DOUTRINA E VIDA! Uma verdadeira igreja pentecostal vive na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações (At 2.42). Uma igreja que vive o Pentecostes é aquele que os seus membros mostram o fruto do Espírito Santo, onde há disposição de serviço a Jesus Cristo!
E qual é a verdadeira mensagem pentecostal? A verdadeira mensagem pentecostal não é os crentes falarem línguas de anjos, mas a mensagem que fala da GLÓRIA DE JESUS CRISTO. A verdadeira mensagem pentecostal é a proclamação do Evangelho da Promessa de Salvação em Jesus Cristo somente, por pura graça e somente pela Fé, para os homens, mulheres e Crianças! Veja que é essa mensagem pentecostal que é pregada pelo Apóstolo Pedro (At 2.38,39).
E o que é um verdadeiro culto pentecostal? É um culto onde o som do EVANGELHO da Soberania de Jesus Cristo é proclamado. É um culto onde os pregadores com línguas flamejantes chamam os pecadores a se arrependerem e a crerem em Jesus para receber a Salvação. É um culto onde os sacramentos (Santa Ceia e Santo Batismo) são ministrados ao povo de Deus. É um culto onde a promessa do Espírito Santo é seleda pelo Batismo aos crentes e aos seus filhos.
Assim, meus amados irmãos em Cristo, hoje, neste Domingo de Pentecostes e em todos os domingos, pela graça de Deus, estamos sentados participando de um culto pentecostal verdadeiro, pois o Evangelho da Glória de Jesus Cristo e, em Cristo, pela pregação e nos sacramentos está sendo prometido e selado a nós e a nossos filhos a adoção, a remissão dos pecados e o dom do Espírito Santo!
Desta forma, pela graça de Deus em Cristo, estamos cultuando e adorando a Deus o Pai, Deus o Filho e Deus o Espírito Santo dentro da realidade pentecostal:
Pela graça de Deus em Cristo estamos ouvindo o Evangelho da Glória de Jesus Cristo em português, numa língua estranha a Israel. Nós que éramos distantes de Deus e estranhos à Aliança e, em Cristo, fomos feitos povo de Deus, Jesus Cristo nos concedeu Seu Espírito Santo e estamos cultuando e testemunhndo de Jesus no Brasil (nos confins da terra), nós e nossos filhos temos recebido as promessas e o selo do Espírito Santo no Batismo!
Amados irmãos, em Pentecostes a Igreja ficou cheia do Espírito Santo, Jesus Cristo prometeu e cumpriu sua promessa, por isso, hoje no Dia de Pentecostes seja lembrado a viver para Glória do Senhor Jesus Cristo, o Rei Eterno. Viva no poder do Espírito Santo que Jesus Cristo batizou você! Viva no Espírito pois o Senhor Jesus Cristo, no Dia de Pentecostes, encheu a Sua igreja com o Espírito Santo…
Amém!

Foi Jesus elevado às alturas

Sermão preparado pelo Rev. Adriano Gama sobre a Doutrina Bíblica exposta no Dia do Senhor 18 do Catecismo de Heidelberg

Texto: Dia do Senhor 18; At 1.9-11
Leitura: Lc 24.50-53; At 1.1-11

Amada Congregação do Senhor Jesus Cristo,

A igreja cristã no dia 21 de maio deste ano (há 15 dias atrás) comemorou a ascensão de Jesus Cristo.
E incrível que na época da Reforma as igrejas reformadas tiveram problemas para ensinar essa doutrina. Imagine com quem? … Se pensou com os católicos romanos você errou. O problema foi com os Luteranos!
Os Luteranos para justificar sua doutrina da presença real de Jesus Cristo nos elementos da Santa Ceia inventaram o ensino da onipresença da NATUREZA HUMANA DE JESUS CRISTO.
Para os Luteranos o corpo de Jesus Cristo na ascensão sofreu uma mudança de condição, passou a ser onipresente como a Natureza divina de Jesus é Onipresente. Essa doutrina ficou conhecida como Ubiquidade de Cristo e os luteranos como Ubiquitarianos.
E a igreja de Jesus Cristo no Dia do Senhor 18 ensina e confessa o ensino apostólico sobre a ascensão de Cristo e nega a doutrina Luterana, especialmente, nas perguntas e respostas 47 e 48.
E nós estamos neste culto para ouvir o ensino da Escritura sobre a ascensão de Jesus Cristo ao céu, como soubemos desta ascensão, seus benefícios para a Igreja e que esse ensino nos leva a alimentar a esperança na Vinda de Jesus Cristo.
E, por isso, chamo todos a ouvir a proclamação do Evangelho no seguinte tema:

Foi Jesus elevado às alturas

Este é o testemunho dos apóstolos
Lá está para o nosso benefício
De onde virá em glória para julgar

1. Foi Jesus elevado às alturas: Este é o testemunho dos Apóstolos

O Evangelista Lucas fez questão de mencionar que os acontecimentos na vida e ministério de Jesus foram acompanhados por testemunhas (como vimos na passagem lida).
E devemos nos lembrar das palavras de Jesus. Jesus Cristo repetindo Dt 17.16 e 19.15 diz que “pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça”. Sendo assim, Lucas, pelo Espírito Santo, não a toa escreve que “foi Jesus elevado às alturas, à vista deles,”…
Deles quem? A resposta é: Pedro, João, Tiago, André, Filipe, Tomé, Bartolomeu, Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o Zelote, e Judas, filho de Tiago (veja At 1.13). Os onze Apóstolos.
Este é o modo bíblico de dizer a todos que a ascensão de Jesus é um fato verdadeiro conforme a Lei de Deus e dos homens, pois Jesus foi elevado às alturas à vista de 11 testemunhas.
Os Apóstolos estavam no monte Olival de onde Jesus foi elevado às alturas em Betânia uma localidade perto de Jerusalém. E foram estas testemunhas que cheias do Espírito Santo partiram de Jerusalém para encher o mundo com o testemunho da glória de Jesus!
Os Apóstolos testemunharam a ascensão de Jesus Cristo uma visão totalmente diferente daquilo que eles tinham testemunhado 40 dias antes da ascenção. E o que eles testemunharam 40 dias antes da ascensão?
A vergonha de Jesus Cristo na cruz! Os apóstolos e toda Jerusalém viram Jesus fora da cidade num monte e humilhado numa rude cruz! Eles viram Deus Pai elevar Seu filho na maldita cruz. Os Apóstolos viram Deus Pai humilhar o Seu filho ao ponto mais baixo para poder salvar você!
Mas, os onze no dia da ascensão viram o mesmo Jesus que foi humilhado, sendo elevado às alturas. Os onze viram o Deus Pai exaltando Jesus a uma posição acima de todos dos homens, sendo colocado acima dos céus! Sim, pois o texto diz que Jesus Cristo foi elevado “às alturas”!
Meus amados irmãos, Jesus Cristo apaga a visão humilhante na Cruz e faz os olhos dos Apóstolos ficarem fixados no Seu momento de Glória, sendo escondido por uma nuvem! Isto é uma visão gloriosa da pessoa e majestade do Senhor Jesus. Os onze apóstolos testemunharam este acontecimento.
E os Apóstolos pregaram a toda casa de Israel e ao mundo a mensagem da ascensão gloriosa de Jesus Cristo! Este é o Evangelho da glória de Jesus testemunhado pelos Apóstolos: Jesus foi elevado às alturas!
Amados irmãos, esse testemunho apostólico chegou até nós pelo Evangelho escrito na Bíblia, pregado pelos ministros, no Credo e em nosso Catecismo, para proclamar a você a glória de Jesus Cristo para nossa salvação.
Amados irmãos, este é o Senhor Jesus em quem você deve fixar os olhos. Jesus não foi mantido em humilhação elevado numa cruz ou escondido numa tumba, mas o Seu Salvador foi pelo poder de Deus elevado às alturas e foi escondido por uma nuvem e está no céu à direita de Deus Pai Todo-Poderoso!
E esta ascensão gloriosa de Jesus Cristo foi para o benefício dos Seus amados, da Sua Igreja, ou seja, para o seu benefício como membro de Cristo. E isto nos leva ao segundo ponto.

2. Foi Jesus elevado às alturas: Lá está para o nosso benefício

O testemunho dos Apóstolos é que Jesus Cristo foi exaltado “às alturas”. Saiba que no contexto “às alturas” é o mesmo que “céu”. E a palavra céu logo nos leva a pensar na morada de Deus, onde Seu alto e sublime trono está, de onde a Escritura diz que Deus dispensa a Sua bênção à terra, especialmente, ao Seu povo.
E no Evangelho de Lucas, o Espírito Santo, dá certos detalhes da ascensão de Jesus que mostram a glória de Jesus como o Sumo-Sacerdote, que se separa dos Apóstolos e é elevado ao céu abençoando os Seus amados (veja Lc 24.50,51).
Esta descrição mostra mais uma face do Evangelho na ascensão de Jesus Cristo. Jesus Cristo é o nosso Sumo-Sacerdote que vai ao céu nos abençoando e continua lá para nos abençoar.
E saiba que nunca houve um momento que Jesus Cristo deixou de nos abençoar:
Toda a criação é uma bênção que foi criada por meio de Jesus Cristo e para glória de Jesus! Nossa salvação foi uma bênção de Jesus: Jesus encarnou para morrer e nos abençoar com o perdão dos pecados… Jesus ressuscitou dentre os mortos e nos abençoou com Sua justiça perfeita… Jesus manda Seus pregadores e abre nosso entendimento para recebermos a mensagem de salvação… E Jesus como homem justo venceu a morte e foi elevado ao céu para continuar a nos abençoar. Sendo assim, Jesus Cristo sempre nos abençoou e eternamente nos abençoará!
Agora podemos usar o catecismo como um guia doutrinário que ecoa o ensino da Escritura “sobre de que modo somos abençoados com a ascensão de Cristo ao céu”. O catecismo coloca o seguinte:
Primeiro, Jesus no céu nos abençoa com a Sua intercessão. Jesus é o nosso Advogado no céu diante do Pai. O Apóstolo Paulo falando da obra de Deus em favor dos seus eleitos diz em Rm 8.34: “Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós.”
O Apóstolo neste texto fala que o benefício da ascensão é que da direita de Deus Jesus intercede por nós! …
Pare para pensar: nesse exato momento Jesus Cristo está à direita do Pai reivindicando o perdão que Ele conquistou na cruz para o nosso bem! Que coisa maravilhosa! E Sabe a consequência disto? Isto elimina qualquer condenação para o inferno, pois Jesus é o Advogado do Seu povo.
Sabe como você deve usar está doutrina? Quando o diabo, o mundo e a sua consciência fraca quiser condenar você por seus pecados que foram perdoados, então, lembre-se que Jesus foi elevado às alturas e está lá como nosso Advogado diante do Pai. Pense: Pela intercessão de Jesus nem Deus me condena. Então, como meus inimigos e minha consciência fraca pode me condenar?
Meu amado irmão em Cristo você tem um benefício real! O Evangelho na ascensão chama você a confiar na Intercessão de Jesus. Lembre-se que os Apóstolos viram Jesus elevado às alturas!
O Catecismo coloca também outro modo como somos beneficiados com a ascensão de Jesus (veja o segundo ponto da Resposta 49).
Jesus é Deus e é homem. E segundo a Sua natureza humana Jesus Cristo não está mais na terra! Assim essa ascensão de Jesus Cristo como homem sendo elevado ao céu é a garantia que Ele nos levará para Si! Por que isto é nossa garantia?
Ora, a Escritura mostra que Jesus Cristo é nossa carne e é o nosso Cabeça! Então, Jesus é a garantia que nós como homens e como Seu corpo seremos elevados às alturas e nos encontraremos com Ele no céu!
Os Apóstolos testemunharam isso no monte Olival, pois o Jesus que foi elevado às alturas foi o mesmo que durante 40 dias foi tocado por eles, ensinou e começou com eles.
O Apóstolo Paulo, pelo Espírito Santo, nos consola com esta promessa (veja 1 Ts 5.1518). O Apóstolo diz que seu ensino é palavra do Senhor Jesus Cristo!
Então, meu amado irmão em Cristo, Jesus nos prometeu que nós estaremos com Ele! Jesus cumpre tudo o que Ele promete, pois Jesus é Fiel e Todo-poderoso! …
Sendo assim, como você pode se perturbar e se desesperar diante das lutas nesta terra? Jesus Cristo já cumpriu parte de Sua promessa: Ele foi elevado às alturas para preparar lugar para Seu povo nas moradas celestiais. Não se perturbe pelas lutas nesta terra ao ponto de perder a alegria e esperança em Cristo! A ascensão lembra a você que a sua esperança não se limita a esta vida terrena!
O terceiro modo como somos beneficiados por causa da ascensão: Recebemos o Dom do Espírito Santo. Jesus prometeu isto (Jo 16.7; Lc 24.49 e At 1.5,8). E Jesus Cristo do céu cumpriu a Sua promessa.
Jesus Cristo do céu derramou o Espírito Santo na Igreja, enchendo do Espírito Santo Seus Apóstolos e discípulos, batizando Sua igreja com o Espírito Santo no dia de Pentecostes! Assim esse foi mais um benefício da ascensão.
Meu irmão em Cristo, por meio da fé em Cristo, você foi selado e passou a ser habitação do Espírito de Cristo. Isto tem conseqüência … e qual é a conseqüência? …
O Espírito de Cristo capacita você a buscar “as coisas do alto – onde Cristo está sentado à direita de Deus – e não as que são da terra”.
E pela Palavra de Deus faço uma pergunta a você: Você tem percebido em Sua vida as conseqüências da ascensão de Jesus? Você tem sentido o poder do Espírito de Cristo operando em você? Você tem buscado em primeiro lugar as coisas do céu onde Jesus está? Quais as marcas desse benefício da ascensão de Jesus em você?
Meu amado irmão, quantos cristãos dentro da Igreja precisam manifestar que o Espírito de Cristo vive neles! O que temos visto na igreja é o contrário daquilo que a palavra de Deus mostra de uma vida cheia do poder do Espírito de Cristo:
Vemos membros buscando seus próprios interesses e caindo em “prostituição, impureza, a avareza, que é idolatria! Como temos presenciado problemas na Igreja provocados pela ira, fofocas, maledicência, mentiras entre os irmãos, partidarismo”.
Amados irmãos, devemos como igreja nos preocupar com estas manifestações que não pertencem ao Espírito de Cristo, mas ao velho homem! De fato, o que temos presenciado na Igreja mostra a necessidade de arrependimento e de uma vida conforme a doutrina da ascensão!
Meu irmão em Cristo, Jesus foi elevado às alturas para que o Espírito Santo e as coisas do alto descessem e enchessem a nossa vida! Então, como eu ou você, que estamos em Cristo e que temos o Espírito Santo em nós, não buscamos as coisas do alto?
Preste atenção: Nenhum membro da igreja tem desculpas para viver uma vida cheia de pecados, sem manifestar as coisas do alto: a misericórdia, a bondade, a humildade, a mansidão, a paciência com a fraqueza dos seus irmãos, o suportar uns aos outros, praticar a exortação e o perdão amoroso entre os irmãos, o falar a verdade um ao outro, ter a paz de Cristo como o árbitro em nossos corações.
Jesus Cristo com Seu Espírito capacitou você a buscar as coisas do alto e a encher sua mente com estas coisas que estão, “onde Cristo vive, assentado à direita de Deus” (leia em sua casa Cl 3.1-17). Faça isto pois Jesus Cristo capacitou você.
Deus chama a Igreja a viver, como eleitos, manifestando em sua vida os benefícios da ascensão, as obras do Espírito de Cristo! Seja estimulado pelo amor a Jesus e pelo fato que Ele vem e se manifestará, então, seremos manifestados com ele, em glória! … E isto nos leva ao terceiro e último ponto:

3. Foi Jesus elevado às alturas: De onde virá em glória para julgar

Vamos voltar para At 1.9-11. Veja o v. 10. A cena da ascensão foi tão impressionante que os apóstolos ficaram com os olhos fixados, presos, em Jesus sendo elevado às alturas.
O desejo de Deus não era que os Apóstolos ficassem no monte em Betânia com os olhos fixados no céu, porque “de repente” surgem dois anjos ao lado deles.
Estes anjos chamam atenção para quem os apóstolos são e para as palavras de Jesus (veja o v. 11). “Varões galileus! Eles lembram aos Apóstolos a ligação deles com Jesus, o Galileu! Jesus estava sendo conhecido como “o galileu” (Mt 26.69). Então, a palavra dos anjos mostra que a separação física de Jesus não afastava a íntima ligação deles com o Senhor.
Também os anjos lembram as palavras de Jesus, quando dizem: “Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do modo como o viste subir”. Veja Lc 21.27 Jesus dizendo: “Então, se verá o Filho do Homem vindo numa nuvem, com poder e grande glória! Assim os anjos na ascensão já apontam para vinda gloriosa de Jesus Cristo!
Devemos olhar para ascensão, mas lembrando da Vinda de Jesus Cristo! Uma vinda que será “do mesmo Jesus e do mesmo modo”, ou seja, Jesus fisicamente e com muita glória virá DO CÉU numa nuvem, não para ser humilhado, mas EM MAJETADE E GLÓRIA! A igreja confessa a Escritura no Catecismo (veja a R 46).
E a igreja confessa que essa vinda será “para julgar os vivos e os mortos”! Você tem pensado na vinda de Jesus Cristo? Você como membro têm trabalhado e vivido nessa expectativa?
Não podemos deixar a mensagem da vinda de Jesus Cristo seja uma mensagem somente das seitas que dão muita ênfase na volta de Jesus. A Igreja de Cristo é que tem a tarefa de anunciar essa mensagem ao mundo! A igreja deve proclamar que FOI JESUS ELEVADO AO CÉU, MAS EM GLÓRIA ELE VIRÁ!
A mensagem da vinda de Cristo foi muito usada pelos apóstolos para consolar a igreja debaixo de tribulação, estimular os cristãos a viverem em santidade e levar os pecadores a se arrependerem ao Senhor Jesus Cristo.
A Igreja Reformada precisa viver debaixo da esperança da volta de nosso Salvador e Senhor Jesus Cristo, para sermos consolados em nossas tribulações, buscarmos mais a santidade e trabalharmos mais na evangelização dos que estão fora da igreja!
Meu irmão em Cristo, pergunto …: Você tem vivido na expectativa da vinda de Jesus Cristo em glória? … Você tem lembrado da promessa dada por Jesus Cristo no dia da ascensão para se consolar em suas tribulações e lutas? … Você tem vivido uma vida de santidade sabendo que irá prestar contas ao Seu Senhor que está vindo? … Você tem contribuído com seus dons para que os pecadores perdidos ouçam o Evangelho da glória de Jesus Cristo que vem julgar vivos e mortos? Pense: Jesus Foi, mas Ele vem.

Conclusão:

Veja qual foi a conseqüência das palavras dos anjos na vida dos Apóstolos: Lucas em Seu Evangelho diz (Lc 24.52): “então, eles, adorando-o, voltaram para Jerusalém, tomados de grande júbilo; e estavam sempre no templo, louvando a Deus!
Note as palavras do Espírito Santo no texto: então, ELES, ADORANDO … VOLTARAM …, TOMADOS …, ESTAVAM …
Em nome de Cristo pergunto: Você tem ADORADO JESUS CRISTO JUNTO COM SEUS IRMÃOS? Você tem OBEDECIDO JUNTO COM SEUS IRMÃOS a vontade de Jesus Cristo? Você tem vivido JUNTO COM SEUS IRMÃOS uma vida de MUITA ALEGRIA NO SENHOR? Você tem buscado JUNTO COM SEUS IRMÃOS estar na presença de Deus com salmos e hinos de louvor? Resumindo: VOCÊ TEM VIVIDO A COMUNHÃO DOS SANTOS NO SENHOR JESUS CRISTO?
O Senhor Deus chama a cada um de nós a viver as conseqüências da ascensão! E nada pode impedir você disto, pois o Espírito Santo vive em você e assim Jesus Cristo está em você!
Meu amado irmão, Se você não sente forças para viver o Evangelho, ore a Deus nesse momento pedindo uma renovação, use os meios da graça, ouça o Evangelho na pregação e no sacramento da Santa Ceia!
Encerro dando ênfase à Santa Ceia: O Espírito Santo deixa viva em nossa mente o poder salvador de Cristo e que Ele foi elevado e que voltará em glória. O Espírito Santo fortificará a sua fé na vinda de Cristo e assim consola você e lhe dá ânimo na caminhada de santidade para encontrar o Senhor!
Então, veja como Jesus Cristo mesmo fisicamente no céu (não no pão e no vinho), continua espiritualmente alimentando a Sua Igreja através da Santa Ceia. Então, não se desespere, não se perturbe, pela Fé, espiritualmente tome e se alimente do Senhor Jesus Cristo e CONTINUI ESPERANDO AQUELE QUE FOI JESUS ELEVADO AS ALTURAS E QUE VIRÁ! …
Amém.