segunda-feira, 16 de junho de 2008

Resenha - A Igreja Apostólica: O Que Significa Isto?

Por Rev. Adriano Gama

A Editora Os Puritanos lançou no ano de 2005 em língua portuguesa o livro “A Igreja Apostólica: O Que Significa Isto?” de Thomas Witherow (1824-1890).
O alvo dessa obra é apresentar para o povo presbiteriano, partindo da Escritura, a visão de que há um e somente um tipo de governo bíblico para a Igreja de Cristo no Novo Testamento, a Igreja Apostólica.
O autor coloca de forma clara que o tema Governo Eclesiástico não é algo de menor importância, mas é uma das marcas da verdadeira igreja apostólica, pois “a Igreja moderna que incorpora mais princípios apostólicos no seu governo é a mais próxima da Igreja Apostólica”.
Thomas Witherow apresenta:
1. A definição da palavra “igreja” dentro da Escritura;
2. O fato da Igreja ser apresentada como um reino onde Cristo é Seu Rei Supremo e Seu Cabeça, ela deve ter um corpo governante;
3. Apresenta os ofícios que encontramos na Escrituras: Apóstolo, Profeta, Evangelista, Presbítero e Diácono.
Witherow ensina bem a função de cada um desses ofícios, suas áreas de ação e o tempo de suas vigências. Para os ofícios de Apóstolo, Profeta, Evangelista a ação era abrangente e a vigência foi o período apostólico, enquanto a ação dos ofícios de prestítero e diácono era limitada às igrejas locais e ainda perduram até nossos dias.
São mencionadas sinteticamente, mas de forma clara, as três formas de governo praticadas nas igrejas cristãs: Episcopal (papistas e anglicanos), Congregacional (batistas e independentes) e Presbiteriano.
Depois disto Witherow inicia a explicação de seis princípios extraídos da Escritura e que mostram o padrão de governo eclesiástico deixado pelos apóstolos para a Igreja Cristã. Na Igreja Apostólica:

1. Os oficiais eram eleitos pelo povo;
2. Os ofícios de bispo e presbíteros eram a mesma coisa;
3. O governo era exercido por uma pluralidade de presbíteros;
4. A ordenação era um ato de um presbitério – uma pluralidade de presbíteros;
5. Havia o privilégio de se apelar ao presbitério em casos especiais e o direito de governo exercido por seus delegados.
6. Cristo é a Cabeça suprema da Igreja em todas as coisas.

Thomas Witherow usa estes seis princípios para examinar as formas de governo praticadas na Igreja Cristã. Sua conclusão é:
O governo Episcopal Romano e Anglicano quebra todos os princípios apresentados e são contrários a todos eles. “É um sistema completamente humano; é, em todos os sentidos, uma invenção de homens”.
O governo Congregacional é melhor, pois preserva os princípios 1, 2, 6 porém nega os princípios 3, 4 e 5. “É mais defeituoso que errôneo, precisando ter as suas deficiências corrigidas”.
A conclusão de Witherow é que o “sistema Presbiteriano é, em termos de governo, a única Igreja Apostólica”, porque “todos os princípios apostólicos de governo eclesiástico são encontrados somente na Igreja Presbiteriana”.
Outro detalhe importa na obra é que o autor não quer apenas apresentar a doutrina, mas aplicar seu ensino na vida da Igreja. Witherow de forma prática chama os presbiterianos a serem de fato presbiterianos, assumindo sem medo, que o seu sistema de governo é o único ensinado pelos Apóstolos inspirados.
Witherow é bem contundente ao afirmar que o presbiterianismo de sua época evita ensinar o seu sistema de governo com receio de ferir as outras “igrejas” que não o adotam.
No livro Igreja Apostólica Thomas Witherow revela um pouco dos problemas dentro do presbiterianismo na Irlanda. Para ele muitos presbiterianos eram políticos, frios, tradicionalistas, omissos em passar os fundamentos bíblicos do presbiterianismo às novas gerações; presbiterianos por nascimento e não por convicções. Esta prática tinha feito a distinção bíblica peculiar ao presbiterianismo ser apagada e até mesmo esquecida dos seus membros, levando muitos a abandonarem suas igrejas ou até mesmo viverem dentro delas discordando do seu sistema de governo.
Witherow coloca na obra muita ênfase no trabalho dos ministros da Palavra para influenciar a Igreja e a Sociedade em favor do governo bíblico. Segundo ele, o melhor remédio para a indiferença morna e odiosa ao sistema presbiteriano “é o ensino da Palavra de Deus para instruir o povo, pública e privadamente, o que o presbiterianismo realmente é”. Para Thomas Witherow, o deixar de pregar estes princípios nos púlpitos das igrejas é o fim delas.
O Livro termina conclamando os presbiterianos a, por amor a Cristo, defenderem os princípios presbiterianos; a se esforçarem a honrarem o sistema bíblico ao qual os presbiterianos estão ligados.
Pontos fortes do livro:
1. Chama atenção para a discussão sobre governo eclesiástico, algo pouco refletido pelas igrejas no mundo, especialmente, no Brasil;
2. Apresenta de forma simples e clara as formas de Governo Eclesiástico praticados pelas igrejas cristãs;
3. Extrai da Escritura toda sua base de argumentação para os seis princípios sobre Governo Eclesiástico;
4. Apresenta esses princípios de forma clara e objetiva;
5. De forma prática discute e aplica os princípios apresentados nas formas de governo eclesiástico existentes, deixando à disposição do leitor o julgamento desses sistemas à luz dos princípios bíblicos expostos;
6. É um chamado aos presbiterianos para serem seguros naquilo que eles praticam, sabendo que estão governando a Igreja de Cristo conforme a Palavra de Deus.

Conclusão:

Apesar de sua primeira publicação ser datada em 1856, o pequeno livro de Thomas Witherow é uma excelente obra para abrir em nossos dias a discussão sobre governo eclesiástico em nossa nação. Uma nação que ainda está engatinhando, ou melhor, rastejando na teologia, na prática protestante e apenas começando a provar a gloriosa Fé Reformada.
Temos no livro Igreja Apostólica uma boa exposição do que é o presbiterianismo na sua essência. Witherow mostra de forma clara, forte e irrefutável as bases bíblicas do Sistema Presbiteriano de Governo.
O presbiterianismo, especialmente, o brasileiro só tem a ganhar com essa obra. Pois Witherou chama atenção para um presbiterianismo mais próximo das igrejas locais e não hierárquico. Um presbiterianismo que tem sua força vital nos presbitérios e contra um tipo de presbiterianismo centralizado numa cúpula nacional.
Para Witherow o presbitério é o cerne das igrejas presbiterianas, que podem funcionar muito bem sem sínodos e a Assembléia Geral conhecida no Brasil como Supremo Concílio (em todo mundo presbiteriano somente a Igreja Presbiteriana do Brasil usa esse termo).
O livro A Igreja Apostólica é um instrumento prático na área de governo eclesiástico para instruir às igrejas que se dizem protestantes e para fortificar os presbiterianos na sólida base bíblica de seu sistema de governo. Essa obra só vem para acrescentar o trabalho de Reforma nas Igrejas Brasileiras, especialmente, para reforçar o presbiterianismo do Brasil.

Palavras chaves:

1. Eclesiologia; 2. Governo Eclesiástico; 3. Presbiterianismo.




Nenhum comentário: