segunda-feira, 16 de junho de 2008

Resenha - A Igreja Apostólica: O Que Significa Isto?

Por Rev. Adriano Gama

A Editora Os Puritanos lançou no ano de 2005 em língua portuguesa o livro “A Igreja Apostólica: O Que Significa Isto?” de Thomas Witherow (1824-1890).
O alvo dessa obra é apresentar para o povo presbiteriano, partindo da Escritura, a visão de que há um e somente um tipo de governo bíblico para a Igreja de Cristo no Novo Testamento, a Igreja Apostólica.
O autor coloca de forma clara que o tema Governo Eclesiástico não é algo de menor importância, mas é uma das marcas da verdadeira igreja apostólica, pois “a Igreja moderna que incorpora mais princípios apostólicos no seu governo é a mais próxima da Igreja Apostólica”.
Thomas Witherow apresenta:
1. A definição da palavra “igreja” dentro da Escritura;
2. O fato da Igreja ser apresentada como um reino onde Cristo é Seu Rei Supremo e Seu Cabeça, ela deve ter um corpo governante;
3. Apresenta os ofícios que encontramos na Escrituras: Apóstolo, Profeta, Evangelista, Presbítero e Diácono.
Witherow ensina bem a função de cada um desses ofícios, suas áreas de ação e o tempo de suas vigências. Para os ofícios de Apóstolo, Profeta, Evangelista a ação era abrangente e a vigência foi o período apostólico, enquanto a ação dos ofícios de prestítero e diácono era limitada às igrejas locais e ainda perduram até nossos dias.
São mencionadas sinteticamente, mas de forma clara, as três formas de governo praticadas nas igrejas cristãs: Episcopal (papistas e anglicanos), Congregacional (batistas e independentes) e Presbiteriano.
Depois disto Witherow inicia a explicação de seis princípios extraídos da Escritura e que mostram o padrão de governo eclesiástico deixado pelos apóstolos para a Igreja Cristã. Na Igreja Apostólica:

1. Os oficiais eram eleitos pelo povo;
2. Os ofícios de bispo e presbíteros eram a mesma coisa;
3. O governo era exercido por uma pluralidade de presbíteros;
4. A ordenação era um ato de um presbitério – uma pluralidade de presbíteros;
5. Havia o privilégio de se apelar ao presbitério em casos especiais e o direito de governo exercido por seus delegados.
6. Cristo é a Cabeça suprema da Igreja em todas as coisas.

Thomas Witherow usa estes seis princípios para examinar as formas de governo praticadas na Igreja Cristã. Sua conclusão é:
O governo Episcopal Romano e Anglicano quebra todos os princípios apresentados e são contrários a todos eles. “É um sistema completamente humano; é, em todos os sentidos, uma invenção de homens”.
O governo Congregacional é melhor, pois preserva os princípios 1, 2, 6 porém nega os princípios 3, 4 e 5. “É mais defeituoso que errôneo, precisando ter as suas deficiências corrigidas”.
A conclusão de Witherow é que o “sistema Presbiteriano é, em termos de governo, a única Igreja Apostólica”, porque “todos os princípios apostólicos de governo eclesiástico são encontrados somente na Igreja Presbiteriana”.
Outro detalhe importa na obra é que o autor não quer apenas apresentar a doutrina, mas aplicar seu ensino na vida da Igreja. Witherow de forma prática chama os presbiterianos a serem de fato presbiterianos, assumindo sem medo, que o seu sistema de governo é o único ensinado pelos Apóstolos inspirados.
Witherow é bem contundente ao afirmar que o presbiterianismo de sua época evita ensinar o seu sistema de governo com receio de ferir as outras “igrejas” que não o adotam.
No livro Igreja Apostólica Thomas Witherow revela um pouco dos problemas dentro do presbiterianismo na Irlanda. Para ele muitos presbiterianos eram políticos, frios, tradicionalistas, omissos em passar os fundamentos bíblicos do presbiterianismo às novas gerações; presbiterianos por nascimento e não por convicções. Esta prática tinha feito a distinção bíblica peculiar ao presbiterianismo ser apagada e até mesmo esquecida dos seus membros, levando muitos a abandonarem suas igrejas ou até mesmo viverem dentro delas discordando do seu sistema de governo.
Witherow coloca na obra muita ênfase no trabalho dos ministros da Palavra para influenciar a Igreja e a Sociedade em favor do governo bíblico. Segundo ele, o melhor remédio para a indiferença morna e odiosa ao sistema presbiteriano “é o ensino da Palavra de Deus para instruir o povo, pública e privadamente, o que o presbiterianismo realmente é”. Para Thomas Witherow, o deixar de pregar estes princípios nos púlpitos das igrejas é o fim delas.
O Livro termina conclamando os presbiterianos a, por amor a Cristo, defenderem os princípios presbiterianos; a se esforçarem a honrarem o sistema bíblico ao qual os presbiterianos estão ligados.
Pontos fortes do livro:
1. Chama atenção para a discussão sobre governo eclesiástico, algo pouco refletido pelas igrejas no mundo, especialmente, no Brasil;
2. Apresenta de forma simples e clara as formas de Governo Eclesiástico praticados pelas igrejas cristãs;
3. Extrai da Escritura toda sua base de argumentação para os seis princípios sobre Governo Eclesiástico;
4. Apresenta esses princípios de forma clara e objetiva;
5. De forma prática discute e aplica os princípios apresentados nas formas de governo eclesiástico existentes, deixando à disposição do leitor o julgamento desses sistemas à luz dos princípios bíblicos expostos;
6. É um chamado aos presbiterianos para serem seguros naquilo que eles praticam, sabendo que estão governando a Igreja de Cristo conforme a Palavra de Deus.

Conclusão:

Apesar de sua primeira publicação ser datada em 1856, o pequeno livro de Thomas Witherow é uma excelente obra para abrir em nossos dias a discussão sobre governo eclesiástico em nossa nação. Uma nação que ainda está engatinhando, ou melhor, rastejando na teologia, na prática protestante e apenas começando a provar a gloriosa Fé Reformada.
Temos no livro Igreja Apostólica uma boa exposição do que é o presbiterianismo na sua essência. Witherow mostra de forma clara, forte e irrefutável as bases bíblicas do Sistema Presbiteriano de Governo.
O presbiterianismo, especialmente, o brasileiro só tem a ganhar com essa obra. Pois Witherou chama atenção para um presbiterianismo mais próximo das igrejas locais e não hierárquico. Um presbiterianismo que tem sua força vital nos presbitérios e contra um tipo de presbiterianismo centralizado numa cúpula nacional.
Para Witherow o presbitério é o cerne das igrejas presbiterianas, que podem funcionar muito bem sem sínodos e a Assembléia Geral conhecida no Brasil como Supremo Concílio (em todo mundo presbiteriano somente a Igreja Presbiteriana do Brasil usa esse termo).
O livro A Igreja Apostólica é um instrumento prático na área de governo eclesiástico para instruir às igrejas que se dizem protestantes e para fortificar os presbiterianos na sólida base bíblica de seu sistema de governo. Essa obra só vem para acrescentar o trabalho de Reforma nas Igrejas Brasileiras, especialmente, para reforçar o presbiterianismo do Brasil.

Palavras chaves:

1. Eclesiologia; 2. Governo Eclesiástico; 3. Presbiterianismo.




terça-feira, 10 de junho de 2008

Deus chama a igreja a guardar seu coração da soberba espiritual

Sermão Preparado pelo Rev. Adriano Gama sobre Dt 9.1-5

Texto: Dt 9.1-5
Leitura: Gn 15.1-21; Dt 9.1-12

Amada Igreja de Jesus Cristo e visitante,

Deus inspira Moisés a escrever o Livro de Deuteronômio de um modo interessante: O Livro de Deuteronômio são três grandes sermões de Moisés.
Três grandes sermões pregados para ensinar, explicar a Lei de Deus de uma forma que o povo fosse educado, guiado a tomar posse da Promessa da Aliança do SENHOR em Canaã.
E esses sermões são cheios de exortações, ou seja, cheios de palavras de ânimo, incentivo e avertências para Israel viver em fidelidade ao Senhor quando entrasse na Terra Prometida.
Por isso não é a toa que um dos nomes dados pelos judeus ao Livro de Deuteronômio é o “Livro das Admoestações”.
Deus começa o capítulo 9 de Deuteronômio (veja o v. 1,2) descrevendo o que e quem a Igreja vai possuir e vencer quando passar o Rio Jordão.
Israel vai tomar posse de nações mais numerosas e poderosas que ela, cidades fortificadas e exércitos de guerreiros que ninguém havia conseguido vencer antes.
Moisés inspirado pelo Espírito Santo descreve essas nações, cidades e povos de tal modo que você só pode lembrar das cenas de filmes como o Senhor dos Anéis, Tróia e outras grandes obras cinematográficas.
Agora, por que Deus chama a atenção da Igreja para esses detalhes? Detalhes que daria medo a qualquer nação e guerreiro treinados na guerra, quanto mais a Israel que era uma nação formada de ex-escravos egípcios, sem tradições na guerra, sem expressão no mundo e fracos!
Meu Irmão em Cristo, Deus não descreve isto para a Igreja ter medo desses inimigos fortes e perigosos!
Deus descreve o que vai acontecer para proteger a Igreja de algo mais perigoso que os inimigos que a Igreja enfrentará em Canaã. Deus quer proteger a igreja da SOBERBA ESPIRITUAL (veja o vs 3,4).
Agora você sabe o que é SOBERBA? Soberba é orgulho excessivo, arrogância.
A SOBERBA ESPIRITUAL é o perigo que vai ameaçar a Igreja, quando ela começar a ver os muros das cidades fortificadas caindo, os exércitos de gigantes sendo derrotados.
Deus sabe bem quem é a Igreja, sabe do perigo da soberba, sabe bem que a igreja cai facilmente nesse pecado, então, o SENHOR exorta a Israel a se proteger contra esse forte e perigoso inimigo.
Agora o Espírito Santo trouxe você aqui para pregar e exortar você com a seguinte mensagem:

Deus chama a igreja a guardar seu coração da soberba espiritual:

1. Porque é o SENHOR que dá a vitória.
2. Porque a derrota dos inimigos é obra da Justiça de Deus
3. Porque a Posse da Herança é baseada na Promessa da Aliança

1. Deus chama a igreja a guardar seu coração da soberba espiritual: Por que é o SENHOR que dá a vitória.

Meu irmão em Cristo, o que Deus faz para proteger a Igreja da Soberba Espiritual? (veja o v.3):
Deus no início do v. 3 faz Israel saber que Quem vai na frente do Seu povo é Ele. Deus no texto hebraico se identifica como o PASSADOR! O PASSADOR QUE É FOGO que destruirá, aniquilará, humilhará os inimigos da Igreja, garantirá e dará a Igreja a vitória sobre todos os inimigos poderosos!
Deus assim mostra a Israel que a vitória da igreja contra seus inimigos não está na força da Igreja, no seu número, na sua habilidade de guerra. A vitória da igreja é uma OBRA DO SENHOR e uma DÁDIVA DE DEUS!
A soberba espíritual chegaria no coração do povo de Deus na Antiga Aliança, SE o povo se esquecesse que a vitória sobre seus inimigos era uma obra e dádiva de Deus!
Agora você deve entender uma coisa: Que aquilo que Deus falou para a Igreja no Antigo Testamento é palavra para a Igreja hoje.
No Antigo Testamento a Igreja era Israel, o povo da Aliança. As nações de Canaã representava o mundo caído, debaixo do domínio de Satanás e inimigo de Deus. A luta entre Israel e esses povos era aquilo que Deus falou a Serpente em Gn 3.15.
A vitória sobre estas nações e a Posse da Terra de Canaã faziam parte do cumprimento da Promessa da Aliança firmada com Abrãao. Esta vitória e Posse eram sombras da Vitória que Cristo Jesus dará a Sua Igreja no cumprimento pleno da Aliança.
Meu irmão em Cristo, qualquer doutrina que ensina que a Vitória do cristão é uma conquista da força humana é uma doutrina que cria pecadores SOBERBOS e não adoradores gratos e humildes!
Aqui você pode ver como é perigoso e nocivo o arminianismo. O arminianismo levado às ultimas consequências diz que a Vitória do cristão sobre o mundo caído é uma conquista do livre-arbítrio do homem, da fé do homem, ou seja, do poder do homem!
Um arminiano convicto nunca será um pecador que tem um coração cheio de humildade e louvor ao SENHOR Deus pelas vitórias espirituais em suas vidas!
Meu irmão em Cristo, nunca se esqueça: Não é a força do seu conhecimento teológico, da sua moralidade, do seu zelo pelas coisas de Deus, das suas virtudes e dons que garantem a você a Vitória sobre o mundo e o diabo.
Como a vitória de Israel sobre seus inimigos na Antiga Aliança era uma obra e dádiva de Deus, assim também a vitória contra o diabo e o mundo é uma obra do próprio Deus que, em Cristo, derrotou os seus inimigos e aniquilou na Cruz a força desses inimigos sobre você!
O Espírito Santo quer livrar você da soberba espiritual, por isso, Ele chama você a olhar para as vitórias que até agora você vem tendo e terá como UMA OBRA E DÁDIVA de Deus em Sua vida, em Cristo, e que são concedidas a você, por pura graça, em Cristo Jesus!
Agora, meu irmão em Cristo, o fato de Deus ser Aquele que vence os inimigos e que a vitória da igreja é uma obra e dádiva de Deus, não significa que a Igreja vai ficar de braços cruzados sem fazer nada (olhe o final do v. 3): “… assim, os desapossarás e, depressa, os farás perecer, como te prometeu o SENHOR”.
Vou ilustrar o que digo: Deus poderia soprar um vento poderoso e derrubar as muralhas de Jericó. Poderia ou não? Sim, claro que poderia!
Mas o que o SENHOR fez? Mandou Josué e todo Israel rodear Jericó e depois soar as trombetas contra a Cidade e assim derrotou Jericó e a deu aos filhos de Israel.
O SENHOR em toda conquista de Canaã continuou a dar a vitória a Israel, mas o povo não ficou deitado numa rede esperando Deus limpar os seus inimigos da face da terra!
Aqui em Deuteronômio o Espírito Santo mostra a você a soberania de Deus em garantir e dar a igreja a vitória sobre seus inimigos, mas também mostra a responsabilidade da igreja de se apropriar dessa vitória pela Fé e pela operosidade dessa Fé!
Estas duas verdades bíblicas devem estar sempre vivas na mente da Igreja: Vitória como obra e dádiva de Deus e Responsabilidade de pela Fé tomar posse da Vitória!
SE a igreja se esquece da primeira doutrina cai no pecado de Soberba Espiritual! Mas, se a Igreja se esquece da segunda doutrina cai no pecado de preguiça, descuido e relaxamento espirituais.
Estas verdades são repetidas em Filipenses 1.27,28 e em 2.12,13 onde o Apóstolo Paulo combina essas duas verdades de Deus: Deus é o Autor e Sustentador da Vitória de Salvação em Cristo e você, em Cristo, tem o chamado de lutar pela Fé e desenvolver a Salvação que recebeu do Senhor por pura graça.
Por isso, guarde seu coração da soberba e lance mão da espada para conquistar pela Fé a vitória que o SENHOR garante a você sobre os seus inimigos espirituais!

2. Deus chama a igreja a guardar seu coração da soberba espiritual: Porque a derrota dos inimigos é obra da Justiça de Deus

Deus ADVERTE FORTEMENTE a Israel: Não pense em seu coração que é a sua justiça a base da sua Vitória sobre os inimigos e a posse da terra de Canaã! Veja o v.4.
Deus sabe quem é a Sua Igreja. Deus sabe que o homem mesmo quando prova derrotas é soberbo, quanto mais soberbo é quando está provando vitórias!
Por isso, Deus adverte fortemente a Igreja a guardar o coração! Em Provérbio 4.23, o livro onde o Espírito Santo ensina como aplicar a Lei na vida, o SENHOR diz: “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida”.
O Espírito Santo em Provérbios diz que do coração depende toda a vida do homem, por isso, você deve guardar o seu coração de sentimentos que ameaçam a Sua relação com Deus.
Deus manda Israel a não permitir que o sentimento de justiça própria chegue ao coração. Deus quer que quando Israel estivesse vendo as cidades e os guerreiros fortes tombando e a vitória se concretizando não dissesse em seu coração:
- Está vendo? É por minha justiça que Deus está me fazendo possuir a terra e meus inimigos serem derrotados!
Para prevenir a Igreja desse pecado Deus revela que o possuir da terra e a destruição dos inimigos é uma obra da SUA JUSTIÇA e NÃO DA JUSTIÇA DA IGREJA! Veja os v. 4 e 5a:
Deus diz: “não é por causa da tua justiça, nem pela retidão do teu coração, mas pela maldade dessas nações”, que vou lança-la de diante de ti! Deus quer que isto fique bem gravado na mente da Igreja, pois o SENHOR repete essa explicação duas vezes somente nessas passagens.
Agora, meu irmão em Cristo, Deus nessa Palavra de Deuteronômio revela uma verdade espantosa:
A justiça do homem nunca será o motivo da Posse da Promessa do SENHOR, mas que a perversidade, injustiça, perversão e delitos humanos serão sempre o motivo do justo juizo de Deus sobre o homem!
A vitória e o possuir a Terra da Promessa é uma sombra da Salvação prometida na Aliança para o povo de Deus. E a punição dos inimigos de Israel também é uma sombra do que vai acontecer com todo o mundo rebelde contra Deus, os rebeldes pecadores.
O Espírito Santo revela pelas Palavras inspiradas de Moisés que a doutrina de salvação e da perdição no Antigo Testamento é a mesma doutrina de Salvação e Perdição encontrada no Novo Testamento.
Veja o que o Apóstolo Paulo inspirado fala em Tt 3.4-7. Claramente o herdar a Promessa de Deus é uma obra da graça de Deus.
Agora veja Rm 6.23:

“Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor!

O Espírito Santo diz que a morte é o SALÁRIO DO PECADO! Assim, não existem duas doutrinas de salvação e perdição na Escritura (uma do Antigo e outra do Novo Testamento)!
Existe uma só doutrina, um só Evangelho da Graça de Deus e uma só mensagem da Justiça de Deus, que condena pecadores que querem se manter na perversidade dos seus pecados!
Meu irmão em Cristo, Deus é PACIENTE com pecadores! Deus mostrou uma paciência de Quase 500 anos para com as nações de Canaã! Deus já havia falado a Abrão que iria acertas as contas com as nações de Canaã (vá para Gn 15.16). E depois de todo esse tempo chega a HORA DO ACERTO DE CONTAS!
O Espírito Santo mostra na Escritura que a paciência de Deus tem um limite: Chegou o dia quando se encheu a medida da iniquidade dos amorreus. Chegou o dia do SENHOR cumprir a PROMESSA DE FAZER JUSTIÇA sobre os perversos e impenitentes povos de Canaã!
Deus é FIEL a Sua Promessa: Os pecadores de Canaã seriam destruídos, humilhados e despojados por causa do mérito de suas obras perversas, pecaminosas contra Deus.
O SENHOR quer deixar isto claro para livrar Israel da Soberba Espiritual: Israel não por causa da sua justiça punirei as nações de Canaã, mas por causa da perversidade delas!
Esta mensagem do SENHOR ao mesmo tempo que chama a Igreja à humildade é um FORTE chamado de Arrependimento para todo pecador que deseja ficar em sua perversidade!
O Evangelho de Deus mostra que o SENHOR é um Deus paciente! Mas, que a paciência de Deus tem um limite.
Muitos homens vivem nos seus pecados como se Deus não estivesse vendo as suas obras malignas e como se Deus nunca fosse pedir contas dessas obras.
O Juízo de Deus sobre as nações de Canaã revela que Deus é Fiel para cumprir Sua palavra de Juízo contra o mundo caído e que quer viver em desobediência a Vontade de Deus Revelada na Escritura!
Deus mostra na Escritura tanto no Antigo Testamento como no Novo Testamento, que Ele pedirá conta de toda obra humana. Nosso Amado Salvador Jesus Cristo disse em Mt 12.36,37:

“Digo-vos que toda palavra frívola (ociosa) que proferirem os homens, dela darão conta no dia do juízo; porque, pelas tuas palavras, será justificado e, pelas tuas palavras, serás condenado”. E se você quer ver a execução dessa promessa então veja Ap 20.11-15.

Deus pacientemente ainda chama o mundo ao arrependimento e a pela Fé na Promessa de Salvação graciosa em Cristo Jesus ser salvo da ira vindoura.

3. Deus chama a igreja a guardar seu coração da soberba espiritual: Porque a vitória é baseada na Promessa da Aliança

Moisés prega que o despojamento e o perecer das nações de Canaã será (literalmente no hebraico está escrito): “conforme prometeu o SENHOR”! (veja o final do v. 3).
É com base nessa Promessa de Deus que Israel devia começar sua campanha de conquista da terra de Canaã. É com base nessa Promessa que Israel deve ver a Sua vitória sobre seus inimigos e a posse da Promessa da Aliança (veja o v. 5).
O Espírito Santo na pregação de Moisés revela que a vitória da Igreja é baseada somente na Promessa da Aliança de Deus.
Esta verdade fica mais clara e forte quando você lê as Palavras de Deus em Hb 11.30-34. Veja que em Hebreus o Espírito Santo fala que o povo de Deus vai à luta com base na Palavra de Deus e pela fé nessa Palavra subjulgaram seus inimigos!
Assim você aprende pela Escritura que a Salvação do povo de Deus sempre foi com base na Promessa da Aliança e por meio da Fé somente.
A Promessa que Deus fez a Abraão, Isaque e Jacó. A Promessa que garantiu a Salvação do Povo de Deus sobre os seus inimigos no Antigo Testamento. A Promessa que foi cumprida pelo Descendente e Herdeiro de Abraão, o Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo!
A Promessa que você, por meio da Fé em Cristo, já desfruta na Nova Aliança e desfrutará PLENAMENTE no retorno do Nosso Salvador Jesus Cristo.
Meu irmão em Cristo, qualquer mensagem que diga ao homem que a Salvação é baseada na justiça do homem e não somente na Promessa de Deus é um acréscimo à Escritura. Na verdade é um falso evangelho.
A Igreja deve se manter no Evangelho Gracioso pregado por Moisés a Israel. O Evangelho pregado por Moisés que chama os homens a confiarem que a Salvação é somente pela Fé na Promessa do Senhor!

Conclusão:

Amada Igreja, a pregação de Moisés adverte e chama a Igreja a não ser soberba se achando justa aos seus próprios olhos e digna da Salvação Pactual.
Salvação Pactual representada na vitória contra os inimigos e na posse da Terra e não baseadas na Justiça do Homem!
Mas, essa mensagem é também uma palavra de ESTÍMULO, para a Igreja continuar bravamente na luta pela Fé Evangélica e para tomar posse plenamente da Herança Prometida em Cristo Jesus.
Veja que o Escritor da Carta Aos Hebreus usa o testemunho dos fiéis do Antigo Testamento para estimular a Igreja no Novo Testamento a se manter firme na carreira da Fé.
O Espírito Santo em Hebreus (Hb 11.34) diz que os crentes do Antigo Testamento pela Fé na Promessa do SENHOR “escaparam ao fio da espada, da fraqueza tiraram força, fizeram-se poderosos em guerra, puseram em fuga exércitos de estrangeiros.”
Veja, meu irmão em Cristo, que estes crentes fizeram tudo isto pela Fé vendo Cristo de longe, foram testemunhas fiéis, porém estes seus irmãos não provaram a concretização da Promesssa, ou seja, esses amados irmãos morreram salvos na esperança antes de verem Jesus Cristo em carne!
Você hoje vive a Promessa Concreta em Jesus Cristo, Deus proveu a você em Cristo cousa superior, pois você prova aquilo que os crentes da Antiga Aliança esperavam e morreram salvos na esperança.
Meu irmão em Cristo, se eles pela graça de Deus tiraram da Promessa força para continuar na luta, muitos mais você que em Cristo já prova a Salvação Prometida, que já prova os poderes do mundo vindouro!
Deus cerca você de uma nuvem de testemunhas, os santos do Antigo Testamento, que foram salvos pela fé somente na Promessa da Aliança, eles servem como torcedores em um estádio que dizem a você:
Continue na luta, pois Deus, em Cristo, já venceu POR VOCÊ os Seus inimigos! Continue na luta pois o Juízo de Deus vai ser executado fielmente contra o mundo rebelde! Continue na luta pois veja que Deus é Fiel para cumprir Sua Promessa de Salvação em Cristo Jesus!
Deus quer despedir você com está palavra de encorajamento com base na PROMESSA DA ALIANÇA EM CRISTO:
Meu irmão em Cristo, Deus é quem dá a você a Posse da Herança Prometida, por isso: Continue OLHANDO PARA JESUS QUE É O CAPITÃO DA NOSSA FÉ! Amém.