sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

O Conceito Islâmico de Estado e o Cristianismo

Introdução:

Esse artigo tem por objetivo apresentar de modo simples qual o conceito islâmico sobre o Estado e o seu papel no mundo. Além disso, mostrar como esse conceito islâmico é contrário ao conceito cristão de Estado segundo a Escritura.

Definindo o que é o Estado Islâmico

A primeira coisa que devemos fazer é definir o que é o Estado Islâmico. “Estado Islâmico é um estado ideológico cuja constituição se origina exclusivamente da Aqidah islâmica (doutrina) e todas as leis e sistemas que definem sua estrutura emanam do Credo Islâmico”.
Segundo essa definição, o Estado Islâmico é essencialmente religioso. Sendo assim, uma estrutura que foi criada para depender e defender a religião islâmica. Ele gira em torno e vive do Alcorão e da Sunnah e não do povo mulçumano, ou grupos, ou interesses particulares.
Esse foi o objetivo do profeta Maomé quando deu início as suas lutas para destruir a estrutura social existente em sua época, para poder construir uma nova estrutura firmada na religião que ele criou, o islamismo.
Maomé após uma sangrenta luta de 30 anos conseguiu firmar um Estado Islâmico em Medina. Desde de sua fundação a vida deste estado foi regida pela Shari’ah .
Neste Estado todos os assuntos da sociedade, a relação entre os povos não-islâmicos foram dirigidos conforme o Islã. Desta maneira, o sistema político do Estado Islâmico está firmado em três princípios religiosos islâmicos: Tawhid (unicidade de Deus), Rissálat (missão do Profeta) e Khilafat (Califado).
Segundo Sayyd Abul A’la Al-Maududi: “O Alcorão declara que o objetivo do estado são o estabelecimento, manutenção e desenvolvimento dessas virtudes, com as quais o Criador do Universo quer dotar a vida humana, e a prevenção e erradicação desses males, cuja presença na vida é totalmente contrária à vontade de Deus. Tendo em vista este alvo, o Estado pode planejar uma felicidade programada para cada época e para cada circunstância”.
Sendo assim o objetivo do Estado Islâmico é formar e propagar a religião islâmica no coração dos homens.
Portanto, já tendo definido o que é o Estado Islâmico e os seus fundamentos, então, podemos chegar aos pontos que revelam a contradição entre o Estado Islâmico e o cristianismo.

As contradições entre o conceito de Estado no Islã e no Cristianismo

A primeira contradição é que o Estado e a religião islâmicos tornam-se uma só entidade. Isto torna ilimitada a sua ação na vida do homem, penetrando na esfera da família regulando-a por meio das regras islâmicas que o constitui.
O Estado Islâmico por sua natureza religiosa toma para si atribuições divinas, quando pretende estabelecer, manter e desenvolver virtudes no homem que agradam a Alá. Também, quando quer prevenir e erradicar dos homens certos males contrários à vontade de Alá, tendo o objetivo de planejar para os homens uma felicidade programada para todas as circunstâncias de sua vida.
Como foge ao estado o poder de criar o mínimo de virtude no coração de qualquer homem, então, sua prática é usar a força, a violência, perseguição, tortura e morte contra aqueles que se opõem a ele.
O Hadith Maomé exige que os islâmicos pratiquem a Guerra Santa (jihad) contra os infiéis em nome de Alá. “Para o Islã infiéis são todos aqueles que não confessam os dois credos do Islamismo: “Que não há outro Deus além de Alá e que Maomé é o mensageiro de Alá” .
Na realidade o Estado Islâmico só terá sossego quando eliminar o cristianismo da face da terra. Foi assim no surgimento dele e assim é nas ações terroristas modernas.
No Cristianismo o estado tem uma função diferente da religião. Ele é ministro de Deus para para manutenção da ordem, para punir aqueles que são desobedientes, proteger e beneficiar aqueles que são corretos no seu proceder.
Para o verdadeiro cristianismo o estado não tem a atribuição de anunciar o Evangelho nem de purificar a alma do homem, mas de proteger a Igreja para que esta faça o seu papel de propagadora do Evangelho (Confissão de Fé Belga, Artigo 36).
O Estado Islâmico é contrário ao cristianismo, pois não existe para promover o bem estar dos justos e punir os injustos (Rm 13:1-7). No islamismo o Estado existe para promover o Islã, mesmo que tenha que acabar com os justos cristãos.

As nações do mundo, especialmente aquelas que são cristãs, devem tomar bastante cuidado com os Estados Islâmicos. Eles não objetivam o bem de ninguém, que não aceite o Islã e o seu profeta.
O Estado Islâmico tem a função de impor seu deus sobre todos os povos, infringindo a consciência e até destruindo aqueles que o resistem.
Resumindo e finalizando, o Estado Islâmico por sua natureza é contrário ao cristianismo: 1) Porque não cumpre a função estabelecida por Deus; 2) Porque é de natureza religiosa e, por isso, tem uma esfera de ação ilimitada penetrando em áreas que não lhe pertencem; e 3) porque tenta propagar sua religião à custa da consciência e vida dos cristãos e daqueles dos demais credos.

Conclusão:

O Estado Islâmico por natureza é contrário ao Cristianismo. Seu objetivo ideológico é ser porta-voz de um falso deus e de um falso profeta , que propagam uma mensagem de ódio contra o Deus revelado na Escritura.
O deus dos Islâmicos não é o Deus dos cristãos. O Deus verdadeiro se revelou na Escritura como sendo Pai, Filho e Espírito Santo. Três pessoas distintas sendo o único, verdadeiro e eterno Deus. Alá não tem estas características, sendo assim não é o Deus verdadeiro.
Além disto, ninguém pode conhecer o verdadeiro Deus se não conhecer a Jesus Cristo. O Islamismo tem Maomé como maior de todos os profetas, enquando o Senhor Jesus Cristo é colocado do lado de Confúcio, buda, etc.
Esse simples artigo mostra a grande necessidade que as nações islâmicas têm de serem alcançadas pelo Evangelho de Cristo.
Os crentes devem orar e trabalhar para que os estados islâmicos sumam da face da Terra. Porém, sumam não porquê um bomba atômica vai varrê-los do mapa, mas sumam por meio da conversão a Jesus Cristo, o Único Salvador.

Adriano Gama

Nenhum comentário: