sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Introdução à Ética Cristã - I

Introdução à Ética Cristã

I Alvos:

1. levar-nos a dar as respostas corretas aos problemas a nós trazidos pelas ovelhas;
2. Mostrar que a ética cristã se preocupa com o amadurecimento na fé dos filhos de Deus.

Um texto é fundamental para entendermos estes alvos: Fp 1.9-11.
Nele vemos que:

a. Amor não é uma emoção em primeiro lugar. Em primeiro lugar ele é obediência Jo 14.15). Porém, o fator emoção não deve ser descartado. Não basta somente apresentar àqueles que passam problemas o mandamento e dizer a eles: vocês amam a Deus? Então, obedeça. O pastor deve levar a ovelha a compreender o problema a luz do mandamento e, assim leva-la a compreender a vontade de Deus para sua vida.
b. A Ética tem o objetivo de nos fazer cheios do fruto de justiça: 1. Fruto da justiça em termos de honra verdadeira a Deus; 2. Fruto de justiça em relação ao nosso próximo, respeitando-o.
c. A justiça produz o seu próprio tipo de fruto: como amor, paz, reconciliação, comunhão, etc.. Todos esses aspectos desse fruto são aqueles que gozamos por causa de Cristo e os desfrutamos com nossos irmãos.
d. O cristão são conhecidos como pessoas justas. São conhecidas como pessoas que tem o fruto de justiça. É algo estranho um cristão que onde ele vive não se possa perceber este fruto em sua vida.
e. A Ética tem a ver com um crescimento em amor não com regras.


II Tipos de Éticas:

Ética descritiva: O antônimo de descritivo é prescritivo. Ética descritiva descreve como as pessoas vivem em termos da ética. Podemos dizer que ela é um modo sociológico da ética. Um exemplo de sua expressão é a aceitação da união informal de um homem e uma mulher, porque é notado que na sociedade onde eles vivem existe um alto nível de uniões deste tipo. Sendo assim, não viver casado é absolutamente “normal” e correto. Este tipo de ética é contrária ao cristianismo.

Ética Normativa: Parece ser muito cristã, mas não é totalmente cristã, pois pode estar baseada em muitos princípios que podem contrariar a Escritura. Por exemplo: o prazer, o utilitarismo, a vida podem ser princípios que serve como norma para a vida. Todas as ações passaram a serem reguladas a partir do quanto de prazer, de utilidade, de preservação da “vida” elas proporcionarão para o bem ou para o mal. A Ética Cristã também é normativa, porém a Ética Normatiava não é cristã.

Ética Especial: É a ética de certos grupos específicos: médicos, negócios, políticos, jurídicos, etc.

Multiética: Este tipo trata das questões abstratas. Por exemplo, o que é bom? O que é um ato moral?

Estes tipos de ética não estão totalmente contrários à Escritura. Eles têm seus devidos valores e podem até ajudar a Ética Cristã.

Ética Cristã: O que é Ética Cristã?

Definição: Ética cristã é a reflexão sobre a conduta moral a luz da perspectiva daquilo que a Escritura Sagrada nos oferece. Trataremos está definição em partes:

a) O primeiro aspecto da Ética Cristã e que ela é reflexão. Na Ética Cristã se exercita o pensamento. Não é somente uma adoção de algo ou procedimentos, nem uma ação, nem somente uma avaliação, mas um trabalho de reflexão.
Há um exercício da mente na avaliação dos problemas na busca da solução. Como um médico que para dar o diagnóstico da doença, reflete observando os sintomas atentamente o pastor deve refletir sobre aquilo que observa no problema apresentado pelas ovelhas.
Isto exige do pastor uma atitude cuidadosa na manifestação de seus conceitos sobre os problemas a ele apresentados. Existem ovelhas que gostam de perguntar demais. Elas exigem dos seus pastores respostas aos seus questionamentos. Cabe ao pastor parar e pensar bem antes de responder as perguntas a ele dirigidas, pois suas respostas serão um tipo de “princípios de conduta moral para as ovelhas”.

O segundo aspecto é que o objeto da reflexão da Ética Cristã é a conduta moral. Agora surge a pergunta: O que constitui um ato moral? Quais são as suas partes?
Um ato moral é constituído das seguintes partes: norma, situação motivo e conseqüência:

a. Norma: pode ser definida como aquilo que guia a conduta moral. Ela sempre trabalha em termos da situação. A ética inclui normas e situação. Podemos dizer que norma está para situação.
b. Situação: É quando ocorre o ato moral. Isto é um determinante na avaliação moral. Onde o problema ocorre, como ocorreu quem o praticou.
c. Motivo: Nesta parte do ato moral entra o por que (a razão, o motivo)? O por que é importante para a determinação moral. Os jovens caem muito nisso. Eles agem conforme o que deve ser feito e o que não deve ser feito. O motivo na ética cristã somente deve ser edificar individualmente o nosso próximo.
d. Conseqüência: Esta é a parte final do ato moral. Ela é o resultado da norma, situação e motivo. Esta parte deve ser medida pelo bem que vai resultar desses três outros elementos do ato moral.

Resumindo este ponto: Para um ato moral ser bom na forma cristã, todos estes elementos devem se encaixar com o que a Escritura ensina, ou seja: a norma, a situação, o motivo e a conseqüência.

III Qual a relação entre a Escritura e a reflexão moral?

A relação é a seguinte: Primeiro, a Escritura nos serve como guia. Ela nos dirige. Em muitos casos ela nos fornece diretamente a orientações.
Segundo, a Escritura nos guarda. Serve-nos como uma cerca pondo limites a nossas ações.
Terceiro, como bússola. Ela nos fornece os azimutes que devemos seguir. Por exemplo: a vida é um dom de Deus. Os médicos, policiais e juizes devem pensar neste ponto quando forem tomar suas decisões. O sofrimento é algo não essencialmente mal. O domínio próprio é uma realidade na vida do homem. Ele deve dominar todas as coisas.
Quarto, a Escritura como exemplo. Nela vemos como muitos servos de Deus agiram em determinadas situações.
Dentro deste ponto, devemos evitar o biblicismo. O biblicismo é uma violação da Escritura. Como por exemplo: A Escritura diz que o homem não deve vestir roupa de mulher e a vice e versa. Então, hoje mulheres não devem vestir calça-cumprida. Isto é uma manifestação de biblicismo, pois não respeita o contexto em que esta instrução foi dada ao povo de Deus. Em Deuteronômio Deus estava deixando claro que abominava a prática cúltica cananita do homem se vestir de mulher e a mulher se vestir de homem para cultuarem os seus deuses. O mandamento citado era algo para ser aplicado no seu tempo e de acordo com aquele motivo.

Resumindo a aula:

Ética cristã é a reflexão sobre a conduta moral a luz da perspectiva daquilo que a Escritura Sagrada nos oferece. Ela não faz um apelo a partículas soltas da vida. Ela olha a vida numa perspectiva do todo, percebendo a totalidade da vida, percebendo os elementos nela envolvidos. Por exemplo: quando estudamos a criação, queda, redenção e consumação, temos uma visão ampla da Escritura. Da mesma forma quanto buscamos o Pai, Filho e Espírito Santo. Este conceito deve ser aplicado quando analisamos os problemas éticos.

Nota do Editor: Estas são anotações das aulas de Ética ministradas pelo Dr. Nelson Kloosterman no Centro de Estudos Teológicos das Igrejas Reformadas do Brasil (CETIRB) no ano de 2004.

Um comentário:

Sergio disse...

Graça e Paz, muito boa a aula de ética, como me interesso pelo assunto, gostaria de saber se o amado irmão deu continuidade as aulas. Por favor me informe...szabotto@hotmail.com.